O DIREITO SANCIONATÓRIO E O ESTADO REGULADOR NO PLANO ECONÓMICO-FINANCEIRO

  • Alexandra Vilela Universidade Lusófona do Porto
Palavras-chave: Regulatory State; Sanctionatory Law; crimes, administrative offences

Resumo

Depois da crise económica‑financeira de 2007‑2008, com repercussões altamente negativas um pouco por todos os cantos do mundo, um grande número de Estados reagiu de forma musculada, visando sobretudo a atividade dos bancos e das seguradoras, e a das empresas. Essa reação traduziu‑se, entre outros, na criação de um vasto leque de deveres a serem cumpridos no exercício de cada uma daquelas atividades profissionais, sob pena de incorrerem na prática de uma conduta ilícita (e logo sancionada) e na elevação do valor económico das sanções para patamares altíssimos e, muitas das vezes, difíceis de determinar. Paralelamente, o Estado Regulador consolidou‑se onde já se encontrava e fixou‑se em pontos onde ainda era desconhecido. Assim, com este pano de fundo, neste momento, alguns anos volvidos sobre a suprarreferida crise, julgamos pertinente tentar perceber a eficácia de tais medidas no plano económico‑financeiro, bem como a das opções efetuadas por alguns Estados, como seja o português. No fundo, a questão que se nos coloca, e sobre a qual pretendemos refletir, prende‑se com a eficácia do fortalecimento dos diferentes direitos sancionatórios e com a adoção de medidas como sejam os programas de compliance. A questão, a nosso ver, merece reflexão, porquanto, em Portugal, não só continuamos a discussão sobre qual a sanção que deve merecer a não implementação de programas daquele tipo, como também vemos engrossar, cada vez mais, a lista das infrações que podem ser praticadas pelos diferentes operadores económico‑financeiros, sendo certo que, por vezes, é difícil identificar a sua natureza, mas são punidas com sanções de carácter económico elevadas. Um exemplo paradigmático do que vimos de referir encontramo‑lo na Lei da Concorrência atualmente em vigor em Portugal que consagra crimes, contraordenações e infrações administrativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARNAULD, André-Jean. A globalização – um desafio ao papel regulador do Estado? In: GONÇALVES, Maria Eduarda, GUIBENTIF, Pierre. Novos Territórios do Direito – Europeização, Globalização e Transformação da Regulação Jurídica. Estoril: Princípia, 2008.

BERNARKE, Ben S., GEITHNERM Timothy F., PAULSON JR., Henry M. Firefighting, The financial crisis and its lessons. Profile Books Ltd.: Great Britain, Penguin Books: USA, 2019.

COSTA, Sandra Isabel Simão da. Impacto da crise na performance económico-financeira das Empresas. Setúbal: Instituto Politécnico de Setúbal. 2014. Disponível em: https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/7946/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20Sandra%20PDF%20corrigido.pdf; Acesso em: 15/03/2020

DIAS, Augusto Silva; PEREIRA, Rui Soares. Sobre a Validade de Procedimentos Administrativos Prévios ao Inquérito e de Fases Administrativas Preliminares no Processo Penal. Almedina: Coimbra, 2019

DIAS, Augusto Silva. Direito das Contra-Ordenações. Almedina: Coimbra, 2018

DIAS, Jorge de Figueiredo; LOUREIRO, Flávia. Sanções Pecuniárias Compulsórias. In: PORTO, Manuel Lopes et al. Lei da Concorrência: Comentário Conimbricense. Almedina: Coimbra, 2017.

JÁUREDI, Gurutz. (2013). Uma nova ordem política para o século XXI: dos governos dos Estados à governação mundial. In: INNERARITU, Daniel; SOLANA, Javier. A Humanidade Ameaçada: a Gestão dos Riscos Globais. Teodolito: Lisboa, 2013.

MARQUES, Nuno Castro. Contributo para a autonomia do direito nacional da concorrência, em particular na criminalização dos cartéis. Universidade Católica Editora: Porto, 2019.

Memorando de entendimento sobre as condicionalidades de política económica, de 17 de Maio de 2011. (2011) consultado 15.03.2020: https://aventar.eu/2011/05/04/memorando-da-troika-em-portugues/;

MENDES, Paulo de Sousa. O procedimento sancionatório especial por infracções às regras de concorrência. In: PALMA, Maria Fernanda et al. Direito Sancionatório das Autoridades Reguladoras. Coimbra Editora, Coimbra, 2009.

MENDES, Paulo de Sousa (2018). Law Enforcement & Compliance. In: PALMA, Maria Fernanda et al. Estudos sobre Law Enforcement, Compliance e Direito Penal. Coimbra: Almedina, 2018.

MORAIS, Carlos Blanco. A Lei-Quadro das Entidades Reguladoras e o seu Estatuto de Independência. Jurismat: Revista Jurídica. N.º 7, Lisboa: Publicações Lusófonas, pp. 155-167, 2015. Disponível em: http://recil.grupolusofona.pt/bitstream/handle/10437/8108/A%20LeiQuadro%20das%20Entidades%20Reguladoras.pdf?sequence=1. Acesso em: 06 mar. 2020.

SILVA SÁNCHEZ, Jesús-Maria. (2015). Derecho penal regulatório?. InDret, N.º 2. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/InDret/article/view/293084. Acesso em 09 mar. 2020

SOARES, António Goucha. A europeização do ordenamento jurídico – O Direito da Concorrência. In: GONÇALVES, Maria Eduarda; GUIBENTIF, Pierre. Novos Territórios do Direito – Europeização, Globalização e Transformação da Regulação Jurídica. Estoril: Princípia, 2008.

TELES, Patrícia Galvão. Globalização e novas fronteiras do Direito Internacional. In: GONÇALVES, Maria Eduarda; GUIBENTIF, Pierre. Novos Territórios do Direito – Europeização, Globalização e Transformação da Regulação Jurídica. Estoril: Princípia, 2008.

VILAÇA, José Luís da Cruz; GOMES, José Luís Caramelo.Objeto Art. 1.º. In: PORTO, Manuel Lopes et al. Lei da Concorrência: Comentário Conimbricense. Almedina: Coimbra, 2017.

VILELA, Alexandra. O Direito de Mera Ordenação Social: entre a ideia de «recorrência» e a de «erosão» do Direito Penal Clássico, Coimbra Editora, Coimbra. 2013.

VILELA, Alexandra. O direito contra-ordenacional: um direito com futuro. Anatomia do Crime – Revista de Ciências Jurídico-Criminais, n.º 2, 2015, p.149-162,

VILELA, Alexandra. A fase jurisdicional do processo contraordenacional. Anatomia do Crime – Revista de Ciências Jurídico-Criminais, n.º 5, 2017, p. 129-144;

VILELA, Alexandra. A responsabilidade contra-ordenacional da pessoa colectiva no contexto do “Estado Regulador”. In: PALMA, Maria Fernanda et al. Estudos sobre Law Enforcement, Compliance e Direito Penal. Coimbra: Almedina, 2018.

Publicado
04-12-2021
Seção
Dossiê Ética, Direito e Alteridade