AS ILEGALIDADES DAS PRISÕES REALIZADAS PELO RECONHECIMENTO FOTOGRÁFICO E O REFLEXO NO ENCARCERAMENTO DE PESSOAS NEGRAS NO BRASIL

  • Cíntia Gonçalves Mendes
Palavras-chave: Processo penal, Reconhecimento de pessoas, Reconhecimento fotográfico, Racismo

Resumo

O reconhecimento de pessoas no Processo Penal brasileiro vem ganhando cada vez mais ênfase no âmbito judicial, e, enquanto meio de prova, tem sido amplamente criticado diante de sua notória fragilidade. A dependência estrita da testemunha e/ou da vítima e de sua capacidade de percepção, de memorizar e reconhecer, além de outros fatores que podem influenciar a realização do procedimento, são indícios da fragilidade na utilização desse meio de prova. Um dos principais argumentos apontados pelos estudos demonstra a vulnerabilidade do resultado do reconhecimento de pessoas, pela incidência das falsas memórias, contudo, este trabalho visa esclarecer como o racismo e a discriminação implicam na falha do reconhecimento de pessoas, afetando em especial a população negra, desencadeando o encarceramento em massa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, Flávia. Letalidade policial bate recorde e mortes de negros chegam a 78% do total, mostra relatório. Brasil de Fato – uma visão popular do Brasil e do Mundo. 15 de Julho de 2021. Disponível em:https://www.brasildefato.com.br/2021/07/15/letalidade-policial-bate-recorde-e-mortes-de-negros-chegam-a-78-do-total-mostra-relatorio. Acesso em: 30 ago. 2021.

APPIO, Eduardo. Direito das minorias. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

BADARÓ, G. H. R. I. Processo Penal. 6.ed. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2018.

BADARÓ, Gustavo Henrique. Processo Penal. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014. p. 262.

BADARÓ. Gustavo Henrique Ivahy e GOMES FILHO, Antônio Magalhães. Prova e sucedâneos de prova no processo penal brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Criminais, vol. 65, São Paulo: Revista dos Tribunais,2007.

BADDELEY, Alan; ANDERSON, Michael; EYSENCK, Michael. Memória. O que é a memória?. Disponível em: https://www.academia.edu/4853064/O_que_%C3%A9_mem%C3%B3ria_Alan_Baddeley. Acesso em: 30 out. 2021.

BRASIL. AgRg no AREsp nº 1175175. Rel. Ministro ROGERIO SCHIETTI CRUZ, SEXTA TURMA, julgado em 07/12/2017, DJe 15/12/2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 29 de ago de 2021.

BRASIL. Código de Processo Penal – CPP. Disponível em: Acesso em: 29 de ago de 2021.

BRASIL. Constituição Federativa da República de 1988 – CR/88. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 29 de ago de 2021.

BRASIL. Decreto-Lei n° 3.689, de 03 de outubro de 1941. Código de Processo Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm. Acesso em: 29 de ago de 2021.

BRASIL. Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos - Decreto nº 592, de 6 de julho de 1992. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 29 de ago de 2021.

BRASIL. RHC nº 119815, Relator(a): ROSA WEBER, Primeira Turma, julgado em 25/02/2014, PROCESSO ELETRÔNICO DJe-053 DIVULG 17-03-2014 PUBLIC 18-03-2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 29 de ago de 2021.

CALLEGARI, André Luís; WERMUTH, Maiquel Angelo Dezordi; ENGELMANN, Wilson. DNA e investigação criminal no Brasil. Porto Alegre: Editora Livraria do Advogado, 2012, p. 82.

CARNELUTTI, Francesco. Lições sobre o processo penal. Campinas: Bookseller, 2004, v. 1, p. 293.

CURITIBA, Ayádne Costa. A fragilidade do reconhecimento de pessoas no ordenamento jurídico processual penal brasileiro como meio de prova. Dissertação (grau de Bacharel em Direito). 2020. ICM – Instituto de Ciências da Sociedade de Macaé do Departamento MDI da Universidade Federal Fluminense. Macaé/RJ. 2020.

DI GESU, Cristina Carla. Prova penal e falsas memórias. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008.

DORÓ, Tereza Nascimento Rocha Dóro. Princípios no Processo Penal Brasileiro, Campinas – SP: Copola, 1999.

FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública 2021. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/10/anuario-15-completo-v7-251021.pdf. Acesso em: 30 ago. 2021.

GOMES, Laurentino. Ecravidão. São Paulo - SP. Editora Livraria do Advogado, 2021, v. 01.

GRINOVER, Ada Pellegrini; FERNANDES, A. scarance; GoMEs FILHO, A. Magalhães. 2002.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar duas formas de pensar. tradução Cássio de Arantes Leite. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de Processo Penal: volume único. 8ª ed. rev., ampl. e atual. Salvador: JusPodivm, 2020.

LOMBROSO, Cesare. O Homem Delinquente. Tradução: Sebastian José Roque. 1. Reimpressão. São Paulo: Ícone, 2010.

LOPES Jr., Aury Direito processual penal / Aury Lopes Jr. – 16. ed. – São Paulo: Saraiva Educação, 2019.1. Processo penal – Brasil I.

LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. 18. ed. São Paulo: Saraiva, 2021.

MASSON, Cleber Rogerio. Prova testemunhal. Enciclopédia jurídica da PUC-SP. Celso Fernandes Campilongo, Alvaro de Azevedo Gonzaga e André Luiz Freire (coords.). 1. ed. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2017. Disponível em: https://enciclopediajuridica.pucsp.br/verbete/446/edicao-1/prova-testemunhal. Acesso em: 09. Nov. de 2021.

NUCCI, Guilherme de Souza. Código de processo penal comentado – 15. ed. rev., atual. e ampl. – Rio de Janeiro: Forense, 2016.

PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal / Eugênio Pacelli – 23. ed. – São Paulo: Atlas, 2019.

PACELLI, Eugênio. Curso de processo penal. 10ª edição atual. Rio de Janeiro: Editora Lumen Juris, 2.008, p. 365.

REIS, João José. Rebelião escrava no Brasil: a história do Levante dos Malês em 1835. Edição revista e ampliada. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

RIBEIRO JÚNIOR, Humberto. Encarceramento em massa e criminalização da pobreza no Espírito Santo: as políticas penitenciárias e de segurança pública do governo de Paulo Hartung (2003-2010). Vitória: Cousa, 2012.

ROMANO, Rogério Tadeu. Anotações sobre o reconhecimento fotográfico no processo penal. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 26, n. 6448, 25 fev. 2021. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/88739. Acesso em: 29 ago. 2021.

SILVA, Luciano André da Silveira. CURY, Nafez Imamy Sinício Abud. CRIMINOLOGIA CRÍTICA: teoria do etiquetamento criminal. Disponível em:https://dspace.mj.gov.br/bitstream/1/4162/1/Criminologia%20Cr%C3%ADtica_teoria%20do%20etiquetamento%20criminal.pdf. Acesso em: 30 out. 2021.

SOUZA, Ilara Coelho de. Princípio do Devido Processo Legal. Jus Navigandi. Teresina ano 17, nº 3045. Out. 2012. Disponível em:<http://jus.com.br/revista/texto/22857>. Acesso em: 7 ago. 2021

VITAL, Danilo. Reconhecimento por fotografia não serve para embasar condenação, diz STJ. Revista Consultor Jurídico. 27 de outubro de 2020. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2020-out-27/reconhecimento-foto-nao-embasar-condenacao-stj. Acesso em: 29 ago. 2021.

Publicado
12-02-2022
Seção
Artigos de Discentes e Egressos