HABITAÇÃO SUBJETIVA: A RELAÇÃO DE AFETIVIDADE NA OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS TECNOLÓGICOS

  • Daniela Pereira Barbosa UnB
Palavras-chave: Habitação. Tecnologia. Espaços. Cidade. Pertencimento.

Resumo

Este trabalho apresenta conceitos de uma “cidade cibernética”, lugar localizado em um espaço paralelo
e que não pertence objetivamente ao mundo físico, mas que se constitui como cidade com poder de
oferecer habitação. Para que esse local não físico seja compreendido, é preciso analisar o próprio conceito
de “espaço” e suas possibilidades como lugar real no mundo. Então, confrontando-se a ideia de
habitar uma morada e habitar subjetivamente lugares públicos na cidade, e a consequente apropriação
do espaço público pelo indivíduo, o conceito de “espaço” retorna para justificar a habitação subjetiva
em um espaço tecnológico, preenchido pela cidade cibernética. Essa habitação é possibilitada pela tecnologia
e pelas relações de afetividade e pertencimento entre os habitantes e a cidade cibernética. Por
fim, faz-se um paralelo de nomenclatura entre as estruturas das cidades física e cibernética, demonstrando
que a ideia de cidade está bastante presente naquela cibernética, mesmo não tendo estruturas
físicas, pois conserva em sua linguagem denominações próprias da cidade física. Essa nomenclatura
corrobora o propósito habitacional da cidade cibernética, intensificado por relações de pertencimento e
afetividade nesse espaço, mesmo sendo essa cidade estruturada em meios tecnológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniela Pereira Barbosa, UnB
Mestre em design, cultura e sociedade pela UnB - Universidade de Brasília
Publicado
11-10-2016
Seção
Artigos