PICHAÇÃO, PAISAGEM E TERRITÓRIO NO HIPERCENTRO DE BELO HORIZONTE

  • Alexandre Magno Alves Diniz PUC Minas
  • Rodrigo Guedes Braz Ferreira PUC Minas
  • Sérgio Alves Alcântara PUC Minas
Palavras-chave: Paisagem. Território. Pichação. Cidade. Belo Horizonte.

Resumo

A cidade de Belo Horizonte é objeto de intensa e ubíqua competição por muros, fachadas e monumentos
públicos na qual complexas e enigmáticas grafias tatuam a paisagem urbana, deixando
pistas acerca dos limites territoriais de grupos de pichadores. O ato de pichar suscita uma série de
conflitos a partir do momento em que a prática não é compreendida e muito menos aceita pelos não
iniciados, sendo tratada pelo Estado como crime ambiental. A pesquisa catalogou e espacializou o
fenômeno dentro do recorte do Hipercentro de Belo Horizonte, com o intuito de identificar padrões
espaciais e territorialidades. O estudo baseou-se em levantamento primário de informações, catalogação
e mapeamento de dados, trabalhando locais, estilos, instrumentos e a natureza das pichações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Magno Alves Diniz, PUC Minas

Professor adjunto do Programa de
Pós-Graduação em Geografia da PUC
Minas.

Rodrigo Guedes Braz Ferreira, PUC Minas

Bacharel e licenciado em Geografi a
pela PUC Minas.

Sérgio Alves Alcântara, PUC Minas

Bacharel e licenciado em Geografi a
pela PUC Minas.

Publicado
29-11-2016
Seção
Artigos