RAZÃO, REALIDADE, COMPAIXÃO

  • Paul Gilbert
  • Ibraim Vitor de Oliveira
Palavras-chave: Paixão. Razão. Realidade. Compaixão. Interlocução.

Resumo

A contemporaneidade, de fato, atribui às paixões a capacidade de conceder acesso à realidade, aliás, de construir a realidade. Porém, em se tratando da oposição entre razão e paixão, a discussão é bastante antiga, já era clássica não só em filosofia, mas também na educação. A razão, “objetiva”, seria a garantia da paz civil; a paixão, “subjetiva”, seria, contrariamente, causa de muitos distúrbios sociais. A partir de Platão, a primeira é chamada a confrontar-se com a realidade, vale dizer, com os elementos estáveis da experiência humana. A razão é, por princípio, mestra de si, ativa e impassível com relação ao que é flexível e não se deixa tocar por nada que possa fragilizá-la ou mudá-la. A segunda, diversamente, é pouco confiável, porque sempre em movimento e com absoluta dependência dos eventos que a impulsionam casualmente; ela é essencialmente reativa. Por isso, para a tradição, o ideal de homem, a melhor expressão da sua identidade e da sua dignidade, se situa na sua capacidade de realizar a própria vontade, de não ser enganado por paixões fantásticas e inconstantes. Trata-se de uma autodeterminação, em outros termos, de inteira possessão de si.

PALAVRAS-CHAVE: Paixão. Razão. Realidade. Compaixão. Interlocução.

RIASSUNTO:

La contemporaneità attribuisce infatti alle passioni la capacità di dare accesso alla realtà, di costituire anzi la realtà. L’opposizione era però classica, in filosofia ma anche nell’educazione, tra la ragione e la passione: la prima, ‘oggettiva’, garantirebbe la pace civile; la seconda, ‘soggettiva’, sarebbe invece causa di molti disturbi sociali. Da Platone in poi, la prima è chiamata a confrontarsi con le realtà, vale a dire con gli elementi stabili dell’esperienza umana: è per principio maestra di sé, attiva e impassibile verso ciò che è fluttuante, non si lascia toccare da niente che possa renderla fragile o cambiarla; la seconda, invece, poco affidabile, perché sempre movimentata e dipendente dagli eventi che la sfiorano casualmente, è essenzialmente reattiva. L’ideale dell’uomo, l’espressione migliore della sua identità e della sua dignità, si situa perciò nella sua capacità di realizzare la propria volontà, di non essere ingannato da passioni fantastiche e incostanti; è l’auto-determinazione o la possessione intera di sé.

PAROLE CHIAVE: Passione. Ragione. Realtà. Compassione. Interlocuzione.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paul Gilbert
Paul Gilbert, filósofo belga (de Charleroi, 1945), foi professor titular da Cátedra de Metafísica da Pontificia Università Gregoriana de Roma, de 1986 a 2014, e Professor convidado em Paris, Kinshasa, América Latina.
Publicado
14-07-2019
Como Citar
Gilbert, P., & Oliveira, I. V. de. (2019). RAZÃO, REALIDADE, COMPAIXÃO. Sapere Aude, 10(19), 122-144. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2019v10n19p122-144
Seção
ARTIGOS TRADUZIDOS/TRANSLATED ARTICLES