VERDADE E PÓS-VERDADE NO CAMINHO PARA EMAÚS

  • Sérgio Luiz Bellei UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
Palavras-chave: Pós-verdade, Hermenêutica, Ética

Resumo

Compreendida no contexto da hermenêutica, ou seja, da prática interpretativa que procura encontrar na exegese de textos a verdade única ou a mais provável, o que se convencionou chamar de pós-verdade remonta à época clássica da cultura grega e prolonga-se até o momento contemporâneo, mas agora marcada por uma significativa mutação histórica em seu significado. Entendida em sua origem como a prática dominante dos sofistas, dedicados à possibilidade de oferecer argumentos válidos sobre qualquer assunto, verdadeiro ou falso, a pós-verdade do momento platônico constituía uma prática a ser condenada ou controlada. No momento presente, a possibilidade desse controle tende a desaparecer para dar lugar à proliferação de narrativas em que as fronteiras entre o falso e o verdadeiro tornam-se cada vez mais porosas. O presente ensaio tem por objetivo ilustrar esse desgaste do controle da verdade em dois momentos interpretativos da narrativa bíblica do “Caminho de Emaús” para, em um segundo momento, propor breve reflexão sobre a possibilidade de valores éticos no contexto da pós-verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sérgio Luiz Bellei, UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Doutor em Letras pela University of Arizona. Mestre em Letras (Literatura Inglesa) pela UFRJ. Professor Titular de Teoria Literária na Faculdade de Letras da UFMG. E-mail: sergiobellei50@gmail.com.

Referências

Referências
Evangelho Segundo Lucas. Trad. do grego de Walter Eduardo Lisboa. In A Bíblia: Novo Testamento. São Paulo: Paulinas, 2015.
CAPUTO, John D., 2018, Hermeneutics: Facts and Interpretation in the Age of Information, London: Pelican Books, 2018.
cummings, e. e. Poems 1923-1954. New York: Harcourt, Brace & World, 1926.
CONSTABLE, Thomas L., Notes on the Bible: Luke-John, vol 7. Fort Worth, Texas: Tyndale Seminar Press, 2015, p.342.
DERRIDA, Jacques. “Passions”. In On the Name, trad. David Wood. Stanford: Stanford University Press,1995, 3-34.
ELIOT, T. S. The Rock. London: Faber and Faber, 1934.
GADAMER, HansGeorg. Verdade e Método I. Vozes: Petrópolis, 2015

FULLER, Steve. Post-Truth: Knowledge as a Power Game. New York: Anthem Press, 2018.
NASH, Nicholas. Theology on the way to Emmaus. Eugene, Or.: Wipf and Stock Publishers, 1986.
PLATÃO. A República, Livro VII, 514a-521b. Trad. de Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Ed. Fundação CalousteGulbenkian, 1990.
RANCIÈRE, Jacques. Ódio à democracia. Trad. Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2014.
SAID, Edward. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. Trad. Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Cia das Letras, 2007.
WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Trad. José Carlos Bruni. São Paulo: Nova cultural, 1999
ZIMMERMANN, Jens. Hermeneutics: A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press, 2015.
Publicado
26-12-2023
Como Citar
Bellei, S. L. (2023). VERDADE E PÓS-VERDADE NO CAMINHO PARA EMAÚS. Sapere Aude, 14(28), 523-535. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2023v14n28p523-535
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##