VERDADE, LIBERDADE E POLÍTICA:

Hannah Arendt e a contemporaneidade brasileira

Palavras-chave: verdade factual, opinião, mundo comum, mentira, Brasil

Resumo

Mundialmente, o tema da mentira adentrou o espaço da política de maneira tão evidente que o termo fake news passou a figurar entre um dos problemas mais discutidos no cenário político contemporâneo. Sob a égide da liberdade de expressão, opiniões representativas de opressões históricas passaram a ganhar espaço no debate público, mesmo que para isso precisem negar os fatos e acontecimentos que forjaram nossa história. Com base nisso, explica-se que as verdades factuais, ao propiciar a formação de nossa opinião, são condições para o exercício da liberdade política e proporcionam a proteção de um mundo comum. Para tanto, o pensamento de Hannah Arendt serve como sustentação teórica a partir de duas preocupações: a legitimidade do “dizer a verdade” frente a sua possível inconveniência política, e os perigos quando a mentira tenta dominar as discussões públicas e impossibilita o debate sobre os fatos e as suas interpretações. O contraponto, nesta reflexão, diz respeito à contemporaneidade brasileira e a propagação das chamadas fake news sob a alegação da liberdade de expressão como objetivo não de propiciar uma liberdade política autêntica, mas a dominação e a aniquilação de um mundo comum, o fim da democracia e da república em vista de uma autocracia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Barreto Dias, IFCE/PPGFil UECE

Doutor em Filosofia pela UFMG e Mestre em Filosofia pela UFC. Professor do Instituto Federal do Ceará - IFCE, campus Fortaleza. Docente do quadro permanente do Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Estadual do Ceará -UECE. E-mail: lucas.noglbd@gmail.com. 

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Br.: Roberto Raposo, revisão técnica: Adriano Correia. 13ª edição. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2018.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Br. de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das letras (edição de bolso), 2008c.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. br.: Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, Hannah. Philosophy and Politics. Social Research, Vol. 57, No. 1, p. 73-103, Spring 1990.

ARENDT, Hannah. Sobre a revolução. Trad. Br. de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das letras, 2011.

ARENDT, Hannah. Truth and Politics. In: ARENDT, Hannah. Between past and future. New York: Penguin Group, 2006.

ARENDT, Hannah. Verdade e política. In: ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. 6ª edição. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BÍBLIA. Evangelho segundo João. Tradução, apresentação e notas de Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

ORESKES, Naomi; CONWAY, Erik. Merchants of doubt: how a handful of scientists obscured the truth on issues from tobacco smoke to climate change. New York: Bloomsburry Press, 2011.

ORWELL, George. 1984. Tradução de Alexandre Hubner e Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PEREIRA, Geraldo. Verdade e política na obra de Hannah Arendt. Curitiba: Appris, 2019.

ROQUE, Tatiana. O dia em que voltamos de marte: uma história da ciência e do poder com pistas para um novo presente. São Paulo: Planeta, 2021.

Publicado
26-12-2023
Como Citar
Dias, L. B. (2023). VERDADE, LIBERDADE E POLÍTICA:. Sapere Aude, 14(28), 447-464. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2023v14n28p447-464
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER