A DOCÊNCIA NA ENGENHARIA AGRONÔMICA:

REFLEXÕES SOBRE GÊNERO À LUZ DO MATERIALISMO HISTÓRICO-DIALÉTICO

  • Danielle Uchôas Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul
  • Lucélia Tavares Guimarães Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul
Palavras-chave: Engenharia agronômica, docência, gênero, divisão sexual do trabalho, materialismo histórico-dialético

Resumo

Neste artigo apresentam-se os resultados finais da pesquisa de mestrado que tratou o trabalho docente exercido por mulheres formadas em engenharia agronômica tendo como referencial teórico Karl Marx, Heleieth Saffioti e Helena Hirata. Se por um lado, a masculinização da engenharia sobressalta a divisão sexual do trabalho, por outro lado, a feminização da docência faz com que se tenha a falsa impressão de que em tal profissão não exista divisão sexual do trabalho. Além da fundamentação teórica e da revisão bibliográfica, entrevistou-se as docentes do curso de Engenharia Agronômica da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Concluiu-se que as mulheres, embora venham conquistando espaços cada vez maiores na Engenharia Agronômica, ainda precisam vencer muitos obstáculos devido ao seu gênero. Outrossim, à docência embora seja uma profissão feminilizada, observou-se reflexos da divisão sexual do trabalho que corroboram com a teoria do Teto de Vidro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danielle Uchôas, Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul

Graduada em Engenharia Agronômica  pela Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira - Universidade Estadual Paulista (FEIS-UNESP). Mestra  em Educação pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS) - Campus de Paranaíba - MS. Bolsista Capes-DS. Monitora do Núcleo de Educação Popular (NEP). Membro do Grupo de Pesquisa de Políticas Educacionais e Currículo, liderado pela Profª Drª Lucélia Tavares Guimarães - UEMS. Professora da rede estadual na Escola Estadual José de Paula França.

Lucélia Tavares Guimarães, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul

Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Pará. Mestra em Educação (Currículo) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Doutora em Educação (Currículo) pela PUC-SP. Docente do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul/Unidade Universitária de Paranaíba e do Programa de Pós-graduação em Educação da UEMS/Unidade Universitária de Paranaíba. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa Políticas Educacionais e Currículo da UEMS. Participa do Grupo de Pesquisa cadastrado pelo CNPq: Currículo, Formação e Trabalho Docente da UEL. Participa do Conselho Editorial da Revista Interfaces da Educação ISSN 2177 - 7691.

 

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, J. P. de. Organismos internacionais e enfrentamento à precarização do trabalho das  mulheres  na  América  2007.  Tese  (Doutorado  e  Política Social)–Instituto  de  Ciências  humanas, Universidade  de  Brasília,Brasília,  Distrito Federal, 2007.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70 –Brasil, 1997.

ENGELS, Friederich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado.Tradução: Leandro Korner. Rio de Janeiro: Editorial Vitória, 1953.

HIRATA,H. Nova divisão  sexual  do  trabalho?  Um  olhar  voltado  para  a sociedade.São Paulo: Boitempo, 2002.HIRATA,   ;KERGOAT, D.   Novas   configurações   da   divisão   sexual   do   trabalho. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 132, p. 595-609, 2007.

JORGENSEN, Engineering  selves:  negotiating  gender  and  identity  in technical work.Philadelphia, v. 15, n. 3, p. 350-380, 2007, Set/dez. 2007.Disponível em:https://doi.org/10.1177/0893318902153002. Acesso: 6 agosto 2023.

LOMBARDI,MariaRosa.Perseverança e   resistência:   a   engenharia   como profissão feminina.2005.Tese (Doutorado em Educação) –Faculdade de Educação,Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2005.DOI: http://10.0.186.133/2005333938. Acesso: 6 agosto 2023.

LOURO, Guacira Lopes. História  das  mulheres  no  São  Paulo:  Contexto, 2004.MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, Karl. O Capital: Livro I Capítulo VI (inédito).São Paulo: Ciências Humanas, 1976.

NETTO, JoãoPaulo. Introdução  ao  Estudo  do  Método  de  São  Paulo: Expressão Popular, 2011.

OLIVER, S. O    papel    das    escolas    superiores    de    agricultura    na institucionalização  das  ciências  agrícolas  no  Brasil,  1930-1950:  práticas acadêmicas,  currículos  e  formação  profissional. 2005. Tese (Doutorado em Ensino e História de Ciências da Terra) –Instituto de Geociências,Universidade Estadual de Campinas,Campinas, SP, 2005. Disponível em: 10.47749/T/UNICAMP.2005.359001. Acesso: 6 agosto 2023.

RUBIN, The Traffic in Women: Notes on the “Political Economy” of Sex.Canadá: Monthly Review Press, 1975.

SAFFIOTI, H. I. B. (2009). Ontogênese e filogênese do gênero. Revista Série Estudos e Ensaios, 2009.

SAFFIOTI, I.  B. Gênero, patriarcado  e  violência.  São  Paulo:  Fundação  Perseu Abramo, 2004.

SANTANA, M. S. R.Trabalho docente e problematização da prática pedagógica à luz  da  teoria  histórico-cultural.2013.218  Tese (Doutoradoem  Educação) –Faculdade de Filosofia e Ciências,Universidade Estadual Paulista, Marília, 2013.

SZYMANSKI, H. et. al. A entrevista na pesquisa em educação.4a ed. Brasília, DF: Líber Livro, 2011.

VAZ, D. V. O teto de vidro nas organizações públicas: evidências para o Brasil. Economia e Sociedade, v. 22, n 3, p. 765-790, 2013.Disponível: https://doi.org/10.1590/S0104-06182013000300007.Acesso em 6 ago 2023.

YANNOULAS,   C.  Feminização  ou feminilização?  Apontamentos  em  torno  de  uma categoria. Temporalis,Brasília,v. 11,    n. 22,    p.    271-292, 2011.    Disponível: https://doi.org/10.22422/2238-1856.2011v11n22p271-292. Acesso em 6 ago 2023.

Publicado
15-09-2023
Como Citar
Uchôas, D., & Tavares Guimarães, L. (2023). A DOCÊNCIA NA ENGENHARIA AGRONÔMICA: . @rquivo Brasileiro De Educação, 11(20), 96-120. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2023v11n20p96-120