EDUCAÇÃO CIENTÍFICA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:

COMPETÊNCIAS EM ALFABETIZAÇÃO MIDIÁTICA E INFORMACIONAL FRENTE Á (DES)INFORMAÇÃO

  • Guilherme Henrique Correia Domingues Universidade Estadual de Londrina
  • Paulo Sérgio de Camargo Filho Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Carlos Eduardo Laburú Universidade Estadual de Londrina
Palavras-chave: Alfabetização Midiática e Informacional, Competências, Sociedade da Informação

Resumo

Os avanços científicos e tecnológicos têm afetado as atividades humanas, fornecendo novas tecnologias e multiplicando os meios e dispositivos de comunicação, de forma que as pessoas possuem acesso a uma vasta gama de informações, as quais, devido sua ambivalência, podem contribuir ou desamparar na superação dos desafios inerentes a vivência humana e da atual sociedade da informação. Sendo assim, para além da alfabetização tradicional, outras alfabetizações são importantes na formação do aluno, como buscamos apontar no presente trabalho, a Alfabetização Midiática e Informacional (AMI) proposta pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). Logo, destacamos a educação científica para a formação de alunos visando a superação de tais desafios, para tal, apontamos o desenvolvimento de competências pertinentes a essa sociedade, em especial, competências em AMI, de forma que o aluno competente é aquele que possui condições de mobilizar seus conhecimentos, ou seja, para além das componentes conceituais, possui domínio das chamadas componentes procedimentais e atitudinais. Ademais, buscamos propor um quadro teórico que possibilite aferir o nível em AMI de alunos, para tanto, foi feita uma adaptação do quadro proposto pela UNESCO.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Henrique Correia Domingues, Universidade Estadual de Londrina

Licenciado em Ciências Exatas – Física pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutorando em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Paulo Sérgio de Camargo Filho, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Bacharel em Física pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutor em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Professor do Magistério Superior lotado no Departamento de Física da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Londrina/PR, docente permanente e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza. Líder do grupo de pesquisa em STEM EDUCATION (UTFPR). 

Carlos Eduardo Laburú, Universidade Estadual de Londrina

Bacharel e Licenciado em Física pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Mestre em Ciências: Ensino de Física, pelo Instituto de Física da USP e Faculdade de Educação USP. Doutor em Educação, Área de Concentração: Didática, Faculdade de Educação USP.  Professor Associado do Departamento de Física da Universidade Estadual de Londrina (UEL).  Membro da comissão coordenadora do Doutorado e Mestrado em Ensino de Ciências/UEL.

 

REFERÊNCIAS

ARAÚJO DA SILVA, A. K.; GALVÃO COUTINHO CORREIA, A. E.; FRANÇA DE LIMA, I. O conhecimento e as tecnologias na sociedade da informação. Revista Interamericana de Bibliotecología, v. 33, n. 1, p. 213-239, 2010.

BALADELI, A. P. D.; BARROS, M. S. F.; ALTOÉ, A. Desafios para o professor na sociedade da informação. Educar em Revista, n. 45, p. 155-165, 2012.

CASTELLS, M..A Galáxia Internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade. Zahar, 2003.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista brasileira de educação, n. 22, p. 89-100, 2003.

DE BRITO, L. O.; FIREMAN, E. C. Ensino de ciências por investigação: uma proposta didática “para além” de conteúdos conceituais. Experiências em Ensino de Ciências, v. 13, n. 5, p. 462-479, 2018.

DEMO, P. Ambivalências da sociedade da informação. Ciência da Informação, v. 29, n. 2, p. 37-42, 2000.

DUARTE, N. As pedagogias do" aprender a aprender" e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. Revista Brasileira de Educação, n. 18, p. 35-40, 2001.

FEITOSA, D. S.; DOS SANTOS, G. F.; DA SILVA, S. R. P. Paulo Freire e a Pedagogia Libertadora: uma ameaça à perspectiva de educação neoliberal da (extrema) direita no Brasil. Filosofia e Educação, v. 14, n. 1, p. 201-221, 2022.

FERNANDES, S. A.; FERREIRA DA SILVA, P.; AURÉLIO DA SILVA, A.; COSTA, E. C.; SOUZA, L. F.; SEARES, A. L. Conceitos, Procedimentos e Atitudes no Ensino de Ciências: avaliando uma aula sobre fungos no Ensino Fundamental. Revista de Estudos em Educação e Diversidade-REED, v. 1, n. 1, p. 69-82, 2020.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Plageder, 2009.

GEROTTO, J. B.; DO AMARAL DANTAS, B. S. NA CONTRAMÃO DA DEMOCRACIA: difusão de fake news e discursos de ódio nas mídias sociais. XVI Jornada de Iniciação Científica e X Mostra de Iniciação Tecnológica, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2020.GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas AS, 2008.

GRIZZLE, A.; MOORE, P.; DEZUANNI, M.; ASTHANA, S.; WILSON, C.; BANDA, F.; ONUMAH, C. Alfabetização midiática e informacional: diretrizes para a formulação de políticas e estratégias. Brasília/DF: Unesco, 2016.

GUIMARÃES, E. M.; FALCOMER, V. AS. Conteúdos atitudinais e procedimentais no ensino da metamorfose de borboletas.Enseñanza de las ciencias: revista de investigación y experiencias didácticas, n. Extra, p. 2292-2296, 2023.

HARGREAVES, A.O Ensino na Sociedade do Conhecimento: a educação na era da insegurança. Porto: Porto Editora, 2003.

LABURÚ, Carlos Eduardo. NÍVEIS DE SIGNIFICADOS DA APRENDIZAGEM CIENTÍFICA DO ESTUDANTE: EM DIREÇÃO À ELABORAÇÃO DE UM INSTRUMENTO ANALÍTICO INSPIRADO EM UMA LEITURA PEIRCEANA. Revista Eletrônica Debates em Educação Científica e Tecnológica, v. 4, n. 01, p. 192-222, 2014.

LIBÂNEO, J. C. Didática / José Carlos Libâneo. –2. ed. –São Paulo : Cortez, 2013.

LOPEZ, F. S.; ORTEGA, J. L. N. A.; MATTOS, C. Ensino de Ciências como Controle do Estado: o Caso da Alemanha Nazista. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências (Belo Horizonte), v. 22, 2020.

PERRENOUD, P. Construir competências é virar as costas aos saberes. Revista Pátio, Porto Alegre: ARTMED, ano, v. 3, p. 15-19, 1999.

POSETTI, J.; BONTCHEVA, K. Desinfodemia: Decifrar a desinformação sobre a COVID-19.Panorama Setorial da Internet, v. 13, n. 3, 2020.

POZO, J. I. 9 - A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento. Revista Pátio, 2004.

POZO, J. I.; CRESPO, M. Á. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, v. 5, n. 5, 2009.

PRADO, M. Dos elementos da obra freireana e da teologia da libertação nas décadas de 1950 a 1970: uma análise combinada de sua gênese e identidade.[Dissertação de Mestrado]. Escola de Comunicação, Educação e Humanidades da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2016.

PRENSKY, M. Nativos digitais, imigrantes digitais. On the horizon, v. 9, n. 5, p. 1-6, 2001.

ROLDÃO, M. C. O lugar das competências no currículo–ou o currículo enquanto lugar das competências?. Educação Matemática Pesquisa: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação Matemática, v. 11, n. 3, 2009.

ROLDÃO, M. C. Currículo e aprendizagem efetiva e significativa. Eixos da investigação curricular dos nossos dias. Construir a autonomia e flexibilização curricular, p. 15-24, 2017.

SEGURA, E.; KALHIL, J. B. A metodologia ativa como proposta para o ensino de ciências. REAMEC-Rede Amazônica de Educação em Ciências e Matemática, v. 3, n. 1, p. 87-98, 2015.

TAMURA, S. T. Entre significantes e significados: figuras de linguagem e retórica, literatura e ensino. Diálogo das Letras, v. 5, n. 2, p. 305-309, 2016.

TAVARAYAMA, R.; SILVA, R. C. M. F.; MARTINS, J. R. A sociedade da informação: possibilidades e desafios. Nucleus, v. 9, n. 1,p. 253-262, 2012.

Marco de Avaliação Global da Alfabetização Midiática e Informacional (AMI): disposição e competências do país. –Brasília: UNESCO, Cetic.br, 2016. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000246398>. Acesso: 01 fev. 2021.

VALENTE, J. A. Pesquisa, comunicação e aprendizagem com o computador. O papel do computador no processo ensino-aprendizagem. In: ALMEIDA, MEB, p. 22-31, 2005.

Wilson, C.; Grizzle, A.; Tuazon, R.; Akyempong, K.; Cheung, C. Alfabetização midiática e informacional: currículo para formação de professores. Brasília, DF: Unesco: UFTM, 2013.

XAVIER, R. A.; ARRAIS, A. A. M.; GUIMARÃES, E. M.; SILVA, D. M. S.; FALCOMER, V. AS. Conteúdos procedimentais e atitudinais no ensino de ciências: uma revisão de literatura em publicações brasileiras (1998-2015). Revista de Educação, Ciências e Matemática, v. 7, n. 2, 2017.

ZABALA, A.; ARNAU, L. Como aprender e ensinar competências. Penso Editora, 2015.

 

Publicado
01-12-2023
Como Citar
Domingues, G. H. C., Camargo Filho, P. S. de, & Laburú, C. E. (2023). EDUCAÇÃO CIENTÍFICA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO:. @rquivo Brasileiro De Educação, 11(20), 236-260. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2023v11n20p236-260