Identidade, prática discursiva e construção do ethos do professor de Língua Portuguesa

  • Hermínia Maria Martins Lima Silveira Doutoranda FALE/UFMG. Bolsista FAPEMIG
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

ara este trabalho, levo em consideração que a prática discursiva do professor de Língua Portuguesa está pautada na imagem que ele faz do seu auditório e os efeitos de sentido que o sujeito professor deseja produzir com a sua turma, neste caso, alunos de uma turma de 9º ano do Ensino Fundamental de uma escola particular localizada em uma cidade do interior de Minas Gerais. Essas representações podem ser confirmadas ou negadas pelos interlocutores conforme a cena enunciativa permitindo ou não sucesso do projeto argumentativo do professor. Numa abordagem discursiva, em diálogo com Maingueneau (2008) e Amossy (2008), entende-se que o ethos discursivo está diretamente relacionado ao momento da enunciação e à imagem prévia que o auditório possui do enunciador antes mesmo da sua fala. No e pelo processo discursivo, o enunciador atribui a si uma imagem ancorada em representações cristalizadas, estereotipadas que, de certa forma, determinam o sucesso dessa representação em uma cena discursiva. É, nesse sentido, que aqui se busca propor uma articulação entre ethos e posicionamentos identitários para entender que os movimentos (verbais ou não verbais), mobilizados pelo professor, concorrem para a construção de sua imagem no curso de sua enunciação, no âmbito de suas aulas para melhor apreender como esse sujeito se mostra ou se constrói para os seus interlocutores, no caso, os alunos. Sob essa perspectiva, pode-se concluir que toda atividade discursiva está inscrita em contexto social e histórico específico, em que o enunciador, diante de seu projeto de fala, estabelece um contrato comunicativo com o seu auditório, num jogo de relações, capaz de garantir o sucesso do evento discursivo.

Palavras-chave: Identidade. Cena enunciativa. Ethos discursivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no discurso: a construção

do ethos. São Paulo: Contexto, 2008.

ARISTOTELES. Retórica. Branca Vilallonga. 2 ed. ISBN:

-271377-9. Disponível em < http://sumateologica.files.

wordpress.com/2009/07/aristoteles_-_retorica2.pdf>.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e Filosofia da Linguagem.

ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

BAKHTIN, Mikhail. Problema da poética de Dostoiévski.

ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária,

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. 4 ed. São

Paulo: Martins Fontes, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11

ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise

do Discurso. Tradução de Freda Indursky. 3 ed. Campinas, SP:

Pontes: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia,

incorporação. In: AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no

discurso: a construção do ethos. São Paulo, Contexto, 2008 a.

p. 69-92.

MAINGUENEAU, Dominique. A propósito do ethos. In:

MOTTA, Ana Raquel; SALGADO, Luciana (orgs.). Ethos

discursivo. São Paulo: Contexto, 2008b p.11-29.

Publicado
11-12-2015
Como Citar
Silveira, H. M. M. L. (2015). Identidade, prática discursiva e construção do ethos do professor de Língua Portuguesa. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(25), 16-26. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/11085
Seção
Dossiê: formação docente e ensino linguístico