A INEVITABILIDADE DA ESCRITA NO TERCEIRO LIVRO DE CRÓNICAS, DE ANTÓNIO LOBO ANTUNES

  • Maria do Rosário Figueiredo PUC Minas
  • Valéria Aparecida de Sousa PUC Minas
Palavras-chave: Morte. Literatura. Escrita. António Lobo Antunes. Sujeito literário.

Resumo

Este ensaio propõe uma reflexão sobre a questão da morte e o modo como ela se configura no texto literário. Valendo-se do Terceiro Livro de Crónicas, do escritor português António Lobo Antunes, busca investigar o enfrentamento da morte por meio da escrita, bem como as estratégias discursivas utilizadas para a construção do sujeito literário, utilizadas a complexa discussão da morte do autor como básica de discussão o pensamento blanchotiano, que considera a morte como um vazio, o ensaio discute o modo como a escrita se inscreve como possibilidade de infinitude de uma linguagem que fala a partir de uma falta, num movimento incansável de dizer o que não pode ser dito

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Antonio Lobo. Terceiro livro de crónicas. Lisboa: Dom Quixote, 2005.

ANTUNES, Antonio Lobo. Entrevista a Ana Sousa Dias no programa Por Outro Lado. In: Site não oficial de Antonio Lobo Antunes. Disponível em Acesso em: 17/09/2007.

BARTHES, Roland. O prazer do texto. Tradução Luiz Roberto Salina Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2002.

BLANCHOT, Maurice. O canto das sereias. In: O livro por vir. Tradução Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005, p. 3-34.

BLANCHOT, Maurice. A solidão essencial e a solidão. In: O espaço literário. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987, p. 289-330.

BLANCHOT, Maurice. A literatura e o direito à morte. In: A parte do fogo. Tradução Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco,1997.

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita - A palavra plural. Tradução Au­rélio Guerra Neto. São Paulo:Escuta, 2001.

DUARTE, Lélia Parreira. A morte e o saber da escrita em textos da literatu­ra portuguesa contemporânea. In: As máscaras de Perséfone: figurações da morte as literaturas portuguesa e brasileira contemporâneas.. Belo Horizon­te: Ed. PUC Minas; Rio de Janeiro: Bruxedo, 2006, p.151-190.

DUARTE, Lélia Parreira. Ironia e humor na literatura. Belo Horizonte: Ed. PUC Minas; São Paulo: Alameda, 2006.

Publicado
11-05-2017
Como Citar
Figueiredo, M. do R., & Sousa, V. A. de. (2017). A INEVITABILIDADE DA ESCRITA NO TERCEIRO LIVRO DE CRÓNICAS, DE ANTÓNIO LOBO ANTUNES. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (17), 174-194. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/14623