DUAS HORAS DE LEITURA E A RECEPÇÃO DO LEITOR CRÍTICO

  • Claúdia Cerqueira PUC Minas
Palavras-chave: Dois santos não beatificados em Roma. Duas horas de leitura. Camilo Castelo Branco. Leitor crítico. Ironia. Paródia. Narrador/autor.

Resumo

Este trabalho tem  por objetivo comentar a ironia e a paródia  presentes no conto "Dois santos não beatificados em Roma", da obra Duas horas de leitura, de Camilo Castelo Branco, onde um narrador/autor convoca um interlocutor para dividir com ele a construção do texto ficcional. O narrador é dimensionado em outros narradores,  ocasionando um enquadramento sucessivo de narrativas dentro do conto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAPTISTA, Abel de Barros. Os anticorpos do corpus?, In: CONGRESSO INTER­NACIONAL DE ESTUDOS CAMILIANOS, 1994, Coimbra. Actas... Coimbra: Comissão Nacional das Comemorações Camilianas, 1994. p. 131-135.

BERARDINELLI, Cleonice. Pela mão do narrador. In: CONGRESSO INTERNA­CIONAL DE ESTUDOS CAMILIANOS, 1994, Coimbra. Actas... Coimbra: Co­missão Nacional das Comemorações Camilianas, 1994. p. 223-236.

BESSA-LUfS, Agustina. Camilo: adissimulação. Prelo: Revista da Imprensa Nacio­nal, Lisboa, 1990. n. 18, p. 9-10, 1990.

BESSA-LUÍS, Agustina. Riso e Castigo em Camilo Castelo Branco. In: FERRAZ, Maria de Lourdes (Org.). In Memoriam Camilo Centenário da Morte. Porto: Comis­são Nacional das Comemorações Camilianas, 1992. p. l 57-163.

BORGES, Maria Eduarda. O romance-folhetim, um universo dialógico. In: BAPTIS­TA, Abel 13. et al. (Org.). Camilo: Interpretações Modernas. Porto: Comissão Nacio­nal das Comemorações Camilianas, 1992. p. 73-79.

BRANCO, Camilo Castelo. Duas horas de leitura. 6. ed. Lisboa: Parceria Antonio Maria Perei ra, 1924.

CASTRO, Aníbal Pinto de. Da realidade à ficção na novela camiliana. I n: BAPTIS­TA, Abel B. (Org.). Camilo, evocações e juízos:antologia de ensaios. Porto: Comissão Nacional das Comemorações Camilianas, 1991. p. 251-270.

CASTRO, Aníbal Pinto de. Narrador, tempo e leitor na novela camiliana. 2. ed. Vila Nova de Famalicão: Centro de Estudos Camilianos, 1995.

DUARTE, Lélia Parreira. Ane e manhas da ironia camiliana em "A queda dum anjo". In: Luso-Brasilian Review XXXI. Wisconsin System, v. 31, p. 97-113, 1994.

DUARTE, Lélia Parreira. Ironia, humor e fingimento literário. Cadernos de pesquisa do NAPq, Belo Horizonte: FALE/UFMG, n. 15, p. 54-78, 1994.

FERRAZ, Maria de Lourdes. A ironia romântica: estudo de um processo comunicati­vo. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1987.

FOUCAULT, Michel. Las meninas. In:____. As palavras e as coisas. Lisboa: Portugália/Martins Fontes, [19- ].

GUIMARÃES, Lívia Cristina. O dizível e o indizível na eterna luta pela persuasão. Cadernos de Pesquisa do NAPq, Belo Horizonte: FALE/UFMG, n.10, p. 79-85, 1993.

HUTCHINSON, Peter. Jogos com o leitor. Trad. Antônia Cristina de Alencar Pires. Cadernos de Pesquisa do NAPq, Belo Horizonte: FALE/UFMG, n. 22, p. 7-9, 1994.

LIMA, Isabel Pires de. Camilo e o Naturalismo: "pastiche" ou paródia? In: COLLO­QUIUM ON CAMILO CASTELO BRANCO, 1991, Santa Bárbara. Procedings... Santa Bárbara: Center for Portuguese Studies: 1995. p. 97-107.

MENESES, Adélia Bezerra de. Do poder da palavra. Folha de S. Paulo, São Paulo, 29 jan. 1988. Caderno Folhetim, São Paulo, p. 6-7.,

POPPE, Manuel. Camilo e a farsa. In:FERRAZ, Maria de Lourdes (Org.). In memo­riam Camilo Centenário da Morte. Porco: Comissão Nacional das Comemorações Camilianas, 1992. p. I 09-111.

REIS, Carlos. Narrativa c metanarrativa: Camilo e a poética do romance. In: CON­GRESSO INTERNACIONAL DE ESTUDOS CAMILIANOS, 1994, Coimbra. Actas... Coimbra: Comissão Nacional das Comemorações Camilianas,1994. p. 105-118.

REIS, Carlos; PIRES, Maria de Natividade. Camilo Castelo Branco c o romantismo português. In:____. História crítica de literatura portuguesa. Lisboa: Editoria l Ver­ bo, 1 992. p. 187-241.

RITA, Annabela. (Des)construções camilianas. In: BAPTISTA. Abel B. et al. (Org.). Camilo: interpretações modernas. Porro: Comissão Nacional das Comemorações Ca­milianas, 1 992. p. I 17-123.

RITA, Annabela. Um pacto de leitura. In: Colóquio/Letras, Lisboa, p. 56-59. 1990.

ROCHETA, Maria Isabel. Monologismo c dialogismo na novela camiliana. Prelo: Revista da Imprensa Nacional, n. 18, p. 67-76, 1990.

ROCHETA, Maria Isabel. O trágico e o cômico na novela camiliana: alguns aspectos. In: BAPTISTA,Abel B. et al. (Org.). Camilo: interpretações modernas. Porro: Comis­são Nacional das Comemorações Camilianas, 1992. p. 129-136.

SANTOS, Manuela. E quando Camilo riu de si próprio. In: FERRAZ, Maria de Lour­des (Org.). In memoriam centenário da Morte. Porto: Comissão Nacional das Come­morações Camilianas, 1992. p. 25-27.

SEIXO, Maria Alzira. Ler Camilo hoje. In: BAPTISTA, Abel B. (Org.). Camilo evo­cações e juízos: antologia de ensaios. Porto: Comissão Nacional das Comemorações Camilianas, 1991. p. 275-280.

VOLTAIRE. Cândido. Trad. Marcos Araújo Bagno. São Paulo: Nova Alexandria, 1995.

Publicado
11-05-2017
Como Citar
Cerqueira, C. (2017). DUAS HORAS DE LEITURA E A RECEPÇÃO DO LEITOR CRÍTICO. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(7), 22-32. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/14940