Mayombe: polifonia diaspórica, mestiçagens e hibridismo na guerra de libertação em Angola

  • Edelu Kawahala Kawahala
  • Rodrigo Diaz de de Vivar y Soler UFSC
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Este texto analisa a obra Mayombe de Pepetela, romance
angolano publicado em 1980. Mayombe trata da guerra de
libertação através da história de guerrilheiros vindos de regiões
diferentes de Angola, com etnias diferentes e de diferentes
classes. Na obra Pepetela expõe as contradições e tensões do
convívio destes homens, advindas destas diferenças. Propõese
neste trabalho um olhar sobre o personagem Teoria e sua
relação com a mestiçagem. A complexidade deste conceito
está em retirar dela seu caráter essencialista, tanto negativo
quanto positivo. Para uma reflexão sobre a mestiçagem abrese
um diálogo com autores pós-coloniais, no intuito de pensar
o tema para além do Luso-tropicalismo de Gilberto Freyre,
numa perspectiva crítica, pensando-a a partir das relações de
poder e desigualdades que configuram as sociedades coloniais.
Palavras-chave: Mayombe; Pepetela; Mestiçagem; Hibridismo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale de. Um mar da cor da terra: raça, cultura e

política da identidade. Oeiras. Celta, 2000.

BARBEITOS, Arlindo. Portugal e Angola: representações de si e de

outrem ou o jogo equívoco das identidades. Tese de Doutorado, Universidade da Beira Interior. 2006.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador. EDUFBA,

FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: formação da família brasileira

sob o regime da economia patriarcal. São Paulo, Global, 2004.

PEPETELA. Mayombe. São Paulo: Ática, 1981 SCHMIDT, Simone

Pereira. Navegando no Atlântico pardo ou a lusofonia reinventada.

In: Revista Critica Cultural, vol. 1, n. 2, jul./dez. 2006. Disponível

em: <http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/critica/

/06.htm>. Acesso em 15 set 2009.

SCHMIDT, Simone Pereira. Onde está o sujeito pós-colonial? (Algumas

reflexões sobre o espaço e a condição pós-colonial na literatura

angolana). In: Revista do Núcleo de estudos da Língua Portuguesa

e Africana da UFF, Niterói, vol. 2, nº. 2, p. 136 – 147, abril, 2009.

Disponível em: < http://www.uff.br/revistaabril/revista-02/012_simone%

schmidt.pdf>. Acesso em: 15 set 2009.

TADEI, Emanuel Mariano. A mestiçagem como dispositivo de poder

e a constituição de nossa identidade nacional. In: Psicologia: Ciência eProfissão, Brasília, vol. 22, nº 4, p. 02 – 13, dezembro, 2002. disponível

em: < http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pcp/v22n4/02.pdf>. Acesso

em: 16/09/09.

THOMAS, Omar Ribeiro. Do saber colonial ao Luso-Tropicalismo:

“raça” e “nação” nas primeiras décadas do salazarismo. In: MAIO,

Marcos C. E SANTOS, Ricardo V. (orgs.). Raça, ciência e sociedade.

Rio de Janeiro: FIOCRUZ/CCBB, 1996. p. 85-106.

THOMAS. Osmar Ribeiro. Tigres de papel: Gilberto Freyre, Portugal

e os países africanos de língua oficial portuguesa. In: BASTOS, Cristiana;

ALMEIDA, Miguel Vale de; FELDMAN-BIANCO, Bela (coords.).

Trânsitos coloniais: diálogos críticos luso-brasileiros. Lisboa:

Imprensa de Ciências Sociais, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de

raça, racismo, identidade e etnia. Disponível em: <http://www.ufmg.

br/inclusaosocial/?p=59>. Acesso em 05 abr 2011.

Publicado
03-12-2010
Como Citar
Kawahala, E. K., & de Vivar y Soler, R. D. de. (2010). Mayombe: polifonia diaspórica, mestiçagens e hibridismo na guerra de libertação em Angola. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 2(19), 51-60. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/7830