Antes de nascer o mundo: a morte do mundo e o nascimento do monstro

  • Juliana Ciambra Rahe UFMS
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Este artigo esboça uma análise acerca da presença do monstruoso
em Antes de nascer o mundo, de Mia Couto. O monstro é
tomado como uma construção cultural que obriga o indivíduo
a abdicar de seu corpo e de sua identidade, privando-o de
ocupar determinados espaços. Silvestre Vitalício, o patriarca
de Antes de nascer o mundo, contará com o auxílio da enviada
visitante portuguesa, Marta, para exorcizar o monstro que
tomou corpo em si, tendo como modus operandi a reinvenção
de sua identidade cultural.
Palavras-chave: Monstro; Identidade; Tradução cultural;
Memória; Mia Couto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BELLEI, Sérgio Luiz Prado. Monstros, índios e canibais: ensaios de crítica

literária e cultural. Florianópolis: Insular, 2000.

COHEN, Jeffrey Jerome. A cultura dos monstros: sete teses. In: COHEN,

Jeffrey Jerome (Org). Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Pedagogia

dos monstros. Os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo

Horizonte: Autêntica, 2000. p. 25-60.

COUTO, Mia. Antes de nascer o mundo. São Paulo: Companhia das Letras,

a.

COUTO, Mia. Entrevista inédita. São Paulo: 2009b.

FREUD, Sigmund. O Estranho. In: FREUD, Sigmund. Obras psicológicas

completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Trad. Jayme

Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1996. p. 233-269.

GUEDES, Rodrigo Silva. Secular readings of good and evil in R. L.

Stevenson’s Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde. 2007. Dissertação

(Mestrado em Letras – Estudos Literários) – Faculdade de Letras,

Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

HALL, Stuart. Cultural Identity and Diaspora. In: RUTHERFORD, Jonathan

(ed.). Identity: community, culture, difference. London: Lawrence &

Wishart, 1990. p. 222-237.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de

Tomaz Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução

de Adelaine La Guardiã Resende [et al]. Belo Horizonte: Editora UFMG,

JEHA, Julio. Monstros como metáforas do mal. In: JEHA, Julio (Org).

Monstros e monstruosidades na literatura. Belo Horizonte: Editora

UFMG, 2007. p. 9-31.

JEHA, Julio. As origens do mal. In: JEHA, Julio; NASCIMENTO, Lyslei (Org).

Da fabricação de monstros. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. p.

-23.

SELLIGMAN-SILVA, Márcio. Globalização, tradução e memória. In:

SELLIGMAN-SILVA, Márcio. O local da diferença: ensaios sobre

memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Ed. 34, 2005, p. 205-

TODOROV, Tzvetan. Os homens-narrativa. In: TODOROV, Tzvetan. Poética

da Prosa. Tradução de Cláudia Berliner. São Paulo: Martin Fontes, 2003.

Publicado
03-12-2010
Como Citar
Rahe, J. C. (2010). Antes de nascer o mundo: a morte do mundo e o nascimento do monstro. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 2(19), 187-199. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/7846