As favas descontadas por Ladislau em “Intruge-se”

  • Maryllu de Oliveira Caixeta Universidade de São Paulo - USP. Pós-doutoranda. Este artigo é realizado com financiamento da FAPESP como parte de umapesquisa sobre “A inscrição do nome do autor na ordem ficcional de Tutaméia”, sob a supervisão do Prof. Dr. João Adolfo Hansen. https://orcid.org/0000-0002-9372-5750
Palavras-chave: Guimarães Rosa. Tutaméia. Intruge-se. Autor.

Resumo

Proponho uma leitura do conto “Intruge-se”, que faz parte de Tutaméia: terceiras estórias, de João Guimarães Rosa. Trata-se de uma paródia de conto policial ambientado no sertão e protagonizado por vaqueiros que traziam uma boiada do Saririnhém quando se deparam com um crime. O protagonista não é um policial, mas o capataz Ladislau, que se encarrega de descobrir qual dos vaqueiros teria esfaqueado Quio. O conto recusa atender qualquer expectativa de um método ou de um raciocínio dedutivo que costumam ser os pontos fortes de um investigador, como nos contos realizados e teorizados por Edgar Allan Poe; e essa distorção faz o sentido da narração deslizar do investigador para a alegoria do autor que assinala o caráter cindido do sujeito e questiona o prestígio dado a ele nas sociedades modernas. A paródia do conto policial em “Intruge-se” integra um conjunto de contos de Tutaméia que propõem uma alegoria do autor. Esse artigo elaborará uma análise da paródia e da alegoria no conto de Rosa segundo a recusa da transparência da linguagem da qual trata Barthes com base na afirmação freudiana de que o caráter cindido do sujeito correlaciona-se à dualidade do signo. A investigação desarrazoada de Ladislau encena a perspectiva do autor que recusa padrões de representação realista como os utilizados no conto policial. O autor avalia o gênero conto como interferência no conto policial e aproxima-o da estória ou de uma invenção cujo valor consiste em intervir nas convenções narrativas para liberar a produção de sentido.

Palavras-chave: Guimarães Rosa. Tutaméia. Intruge-se. Autor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maryllu de Oliveira Caixeta, Universidade de São Paulo - USP. Pós-doutoranda. Este artigo é realizado com financiamento da FAPESP como parte de umapesquisa sobre “A inscrição do nome do autor na ordem ficcional de Tutaméia”, sob a supervisão do Prof. Dr. João Adolfo Hansen.

Pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Literatura do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH, na USP. Com financiamento da FAPESP, pesquisou A INSCRIÇÃO DO NOME DO AUTOR NA ORDEM FICCIONAL DE TUTAMÉIA sob a supervisão do Prof. Dr. João Adolfo Hansen. Doutorado em Estudos Literários pela UNESP, Faculdade de Ciências e Letras, Campus de Araraquara, de 2009 a 2013. Com financiamento da FAPESP, pesquisou A IRONIA NAS TERCEIRAS ESTÓRIAS: TUTAMÉIA de João Guimarães Rosa, sob orientação da Profa. Dra. Sylvia Helena Telarolli de Almeida Leite e co-orientação do Prof. Dr. João Adolfo Hansen.  Mestrado em Teoria Literária pela UFU, Universidade Federal de Uberlândia (2008), pesquisa O PARADOXO E O MITO EM TUTAMÉIA: TERCEIRAS ESTÓRIAS, mediante financiamento da CAPES e orientação do Prof. Dr. Eduardo José Tollendal. Graduação em Letras/Licenciatura plena em português e literaturas de língua portuguesa pela UFU, Universidade Federal de Uberlândia, de 2000 a 2004.

Referências

AVELAR, Idelber. The logic of paradox in Guimarães Rosa’s Tutaméia. Latin american literary review, v. 22, n. 43, p.67-80, jan. - jun.1994. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/20119672. Acesso em: 5, março, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski.Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

BARTHES, Roland. Fragmentos de um discurso amoroso. 3.ed. Rio de Janeiro: F. Alves, 1984.

BOSI, Alfredo. Colônia, culto e cultura. In: BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das letras, 1993.

BULFINCH, Thomas. Mitologia: histórias de deuses e heróis. 34.ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

CERVANTES, Miguel de. El colóquio de los perros. Campinas: Editora da UNICAMP, 2013.

FARIA, Ernesto (Org.). Dicionário escolar latino-português. 3.ed. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, Departamento Nacional de Educação, Campanha Nacional de Material de Ensino, 1962.

FREUD, Sigmund. “Os chistes e sua relação com o inconsciente”. In: FREUD, Sigmund. Obras completas (vol. VIII). Rio de Janeiro: Imago Editora, 1996.

GRACIÁN, Baltasar. A arte da prudência. 2.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

HANSEN, João Adolfo. Grande sertão: veredas e o ponto de vista avaliativo do autor. Nonada, v. 10, p.57-75, 2007. Disponível em: http://seer.uniritter.edu.br/index.php/nonada/article/view/39/13. Acesso em: 27, maio, 2009.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2009. CD-ROM.

LACAN, Jacques. O Simbólico, o Imaginário e o Real [1953]. In: LACAN, Jacques. Nomes-do-Pai. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

MAGNE, Augusto. Dicionário etimológico da língua latina. Rio de Janeiro: MEC, 1962, vol. IV.

NOVIS, Vera. Tutaméia: engenho e arte. São Paulo: Perspectiva, 1989.

POE, Edgar Allan. Hawthorne. In: POE, Edgar Allan. Ensayos y criticas. Madrid: Alianza Editorial, 1973. p.125-141.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia: terceiras estórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1979.

ROUANET, Sergio Paulo. As razões do iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

ROUDINESCO, Élisabeth; PION, Michel. Dicionário de psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1998. p. 603, 712-714.

WEIMANN, Robert. Structure and history in narrative perspective: the problem of point of view reconsidered. In: WEIMANN, Robert. Structure and society in literary history. London: The Johns Hopkins Press Ltda, 1984. p.234-266.

Publicado
07-11-2016
Como Citar
Caixeta, M. de O. (2016). As favas descontadas por Ladislau em “Intruge-se”. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (28), 20-33. https://doi.org/10.5752/P2358-3231.2016n28p20