Paisagens terrenas: Nietzsche e Clarice Lispector

  • Luiz Lopes Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET-MG.
Palavras-chave: Clarice Lispector. Nietzsche. Pensamento trágico.

Resumo

Em um dos capítulos de Assim falou Zaratustra, Nietzsche enuncia, por meio de sua personagem Zaratustra, o amor a uma paisagem terrena, que seria, no início e ao cabo, a privilegiada visão possível ao homem e a singular paisagem querida. Ele diz: “Mas nós não queremos entrar no reino dos céus: tornamo-nos homens – assim, queremos o reino da terra”. Tal afirmativa coloca em questão a “fidelidade à terra” tão proclamada por Nietzsche em vários momentos de Zaratustra e em outros livros, como A
gaia ciência e Crepúsculo dos ídolos. De modo similar a esse pensamento trágico, que elege fios condutores como o corpo, o amor ao terreno e a alegria trágica diante da existência, a escritura de Clarice Lispector parece também encenar um gesto afirmativo que diz ‘sim’ ao terreno. Em A paixão segundo G.H., a escritora, por meio de sua personagem, conduz o leitor por uma paisagem terrena na qual encontramos uma “redenção” no aqui e no agora, uma redenção que parodicamente se efetua pela eliminação de qualquer além-mundo. Em Clarice, assim como em Nietzsche, há uma defesa do corpo, do amor fati e da fidelidade à terra. O diálogo entre o filósofo alemão e a escritora brasileira permite entrever afinidades agudas entre esses dois autores que, sobretudo, acreditaram numa experiência terrena que se abre para a alegria e revela, nesse sentido, uma potente força revolucionária acolhida por aqueles que elegem a paisagem terrena como uma imagem do sagrado.


Palavras-chave: Clarice Lispector. Nietzsche. Pensamento trágico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DELEUZE, Gilles. Conversações (1972-1990). Tradução Peter Pál Pelbart. São Paulo: 34, [1972-1990] 1992.

GOTLIB, Nádia Batella. Clarice: uma vida que se conta. São Paulo: EDUSP, 2009.

LINS, Daniel. A escrita das origens: Artaud e Nietzsche. In: PIMENTA, Olímpio; BARRENECHEA, Miguel Angel de (Org.). Assim falou Nietzsche. Rio de Janeiro: 7 Letras, 1999. p. 121-132

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

NANCY, Jean-Luc. Arquivida: do senciente e do sentido. Tradução Marcela Vieira e Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Iluminuras, 2014.

NASCIMENTO, Evando. Clarice: uma literatura pensante. Rio de Janeiro Civilização Brasileira, 2013.

NIETZSCHE, Friedrich. A gaia ciência. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. Tradução, notas e posfácio: Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NUNES, Benedito. A escrita da paixão. In: NUNES, Benedito. A clave do poético. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 217-230.

ROSSET, Clément. Alegria: a força maior. Tradução Eloísa Araújo Ribeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2000.

SOUSA, Carlos Mendes de. Clarice Lispector: figuras da escrita. São Paulo: IMS, 2000.

Publicado
07-11-2016
Como Citar
Lopes, L. (2016). Paisagens terrenas: Nietzsche e Clarice Lispector. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (28), 281-289. https://doi.org/10.5752/P2358-3231.2016n28p281
Seção
Filosofia e Literatura