Nietzsche e Clastres: um paralelo

  • João Gabriel Cunha Universidade Federal Fluminense - UFF. Graduando em Antropologia. Orientação: Professor Antonio Carlos Raphael Barbosa.
  • Amanda Marques Universidade Federal Fluminense - UFF. Graduanda em Antropologia. Orientação: Professor Antonio Carlos Raphael Barbosa.
Palavras-chave: Nietzsche. Deleuze. Clastres. Filosofia. Antropologia.

Resumo

O artigo visa ao estabelecimento de um paralelo entre o filósofo Friedrich Nietzsche e o etnólogo Pierre Clastres, em especial a partir da atividade que atribuem à cultura e dos sentidos subversivos de suas propostas com relação aos valores político-culturais ocidentais. Assim, em um primeiro momento, nosso objetivo é abordar algumas questões postas pela obra de Nietzsche, sobretudo a partir de seu conceito de cultura, que acreditamos estar a serviço da compreensão dos fenômenos do ressentimento
e da má consciência. Valemo-nos do eixo interpretativo apontado por Gilles Deleuze em Nietzsche e a filosofia e da obra Genealogia da moral, de Nietzsche. Além disso, abordaremos a noção de “sociedade contra o Estado”, elaborada por Clastres para dar conta da ontologia política dos Guayaki. Nossa intenção é perceber seu potencial de transformar os significados políticos ocidentais, e também em que medida a filosofia nietzscheana se elabora em um sentido “contra o Estado”. 


Palavras-chave: Nietzsche. Deleuze. Clastres. Filosofia. Antropologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Gabriel Cunha, Universidade Federal Fluminense - UFF. Graduando em Antropologia. Orientação: Professor Antonio Carlos Raphael Barbosa.
Graduado em Antropologia pela Universidade Federal Fluminense e Mestre em Antropologia pelo Programa de Pós-graduação da Universidade Federal Fluminense. Pesquisador vinculado ao Cosmopolíticas. Possui interesse nas áreas de Teoria Antropológica e Antropologia Política, com ênfase na relação entre arte e política; teatro e comunidade.

Referências

CLASTRES, Pierre. “Entre o silêncio e o diálogo”. In. Lévi-Strauss . L’arc. São Paulo: Documentos, 1968.

CLASTRES, Pierre. Sociedade contra o Estado. Tradução de The o Santiago. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Tradução de Antônio M. Magalhães. Porto: Rés-Editora, 2001.

DENAT, Céline. F. Nietzsche ou a “política” como “antipolítica”. Tradução de Wilson Antonio Frezzatti Jr. Cadernos Nietzsche, São Paulo, n. 32, p. 41-71, 2013.

LAWRENCE, David. Selected critical writings. London: Oxford university press, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da Moral. Tradução, notas e posfácio de Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. MANA, Rio de Janeiro, v. 8, n.1, p. 113-148, fev. 2002.

Publicado
07-11-2016
Como Citar
Cunha, J. G., & Marques, A. (2016). Nietzsche e Clastres: um paralelo. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (28), 290-300. https://doi.org/10.5752/P2358-3231.2016n28p290
Seção
Filosofia e Literatura