“Arroio-das-antas": paisagens e símbolos

  • Jaciene de Andrade Santos Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Mestre.
Palavras-chave: Guimarães Rosa. Arroio-das-Antas. Paisagem.

Resumo

Paisagens são textos carregados de sentidos. Mais que pano de fundo das histórias, a leitura da paisagem dinamiza a interpretação dos textos, já que ela se constitui pelas relações estabelecidas entre os sujeitos e os lugares, conforme Holzer (1999). Relacionando os estudos literários a conceitos da geografia cultural, este trabalho pretende ler a construção da paisagem no conto “Arroiodas-Antas”, do livro Tutaméia (1967), de Guimarães Rosa, aliando o espaço de remissão mítica presente no conto ao percurso simbólico de regeneração efetuado por Drizilda, personagem central.


Palavras-chave: Guimarães Rosa. Arroio-das-Antas. Paisagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaciene de Andrade Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. Mestre.
Mestre em Estudos Literários pelo Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), com o trabalho "Textos em trânsito: Machado de Assis e o projeto literário nacional", sob orientação do Prof. Dr. Rubens Edson Alves Pereira; graduada em Licenciatura em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS), foi bolsista de Iniciação Científica PIBIC/FAPESB com o projeto "Guimarães Rosa: veredas da tradição na Modernidade", sob orientação da Prof.ª Dr.ª Flávia Aninger de Barros Rocha.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. As impurezas do branco. Rio de Janeiro: José Olympio, 1974.

CAUQUELIN, Anne. A invenção da paisagem. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 14. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

COLLOT, Michel. Do horizonte da paisagem ao horizonte dos poetas. In: ALVES, Ida; FEITOSA, Márcia (Org.). Literatura e paisagem. Niterói: EdUFF, 2010. p. 205-217.

DUCAN, James. A paisagem como sistema de criação de signos. In: CORRÊA, Roberto Lobato et al. (Org.). Paisagem, textos e identidade. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2004. p. 91-132.

ELIADE, Mircea. O mito do eterno retorno: arquétipos e repetição. Lisboa: Ed. 70, 1985.

HOLZER, Werther. Paisagem, imaginário, identidade: alternativas para o estudo geográfico. In: CORRÊA, Roberto Lobato; ROSENDHAL, Zeny (Org.). Manifestações da cultura no espaço. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1999. p. 149-168.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

PLATÃO. Apologia de Sócrates, O Banquete e Fedro. São Paulo: Folha de São Paulo, 2010.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia. 9. ed. Rio de Janeiro: Ediouro, 2009.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: Hucitec, 1988.

Publicado
07-11-2016
Como Citar
Santos, J. de A. (2016). “Arroio-das-antas": paisagens e símbolos. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (28), 54-61. https://doi.org/10.5752/P2358-3231.2016n28p54