Viver é muito perigoso: o mito da grande travessia da vida em Grande sertão: veredas a partir da perspectiva bíblica de Northrop Frye

  • Robson Caetano dos Santos Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Doutorando Literaturas de Língua Portuguesa. Bolsista da CAPES.
Palavras-chave: Grande sertão, veredas. Mito. Travessia. Bíblia. Northrop Frye.

Resumo

trabalho apresenta os primeiros resultados da pesquisa de doutorado em andamento na PUC Minas que busca investigar parte dos arquétipos, mitos e metáforas da Bíblia que podem ser encontrados em Grande sertão: veredas. Segundo Northrop Frye (2004), a Bíblia, com sua imensa quantidade de mitos, arquétipos e metáforas, se constituiu um “universo mitológico” que serviu de inspiração para toda a literatura ocidental, no qual consciente ou inconscientemente escritores têm buscado e reproduzido em suas composições literárias. Para Jung (2000), os arquétipos se definem como expressões do inconsciente coletivo da humanidade que repetem e representam experiências de tempo imemoriais. Essas formas podem ser encontradas nos mitos da cultura coletiva e são buscados e reatualizados, segundo Mirceia Eliade (1972) e também Nietzsche (2012), em seu conceito do “Eterno retorno”. Considerando essas características fundamentais propomos a releitura de dois episódios emblemáticos de Grande sertão: veredas: a
travessia do rio com o menino na canoa, e a travessia do Liso do Sussuarão, buscando referências no arquétipo bíblico da travessia do povo hebreu pelo deserto para se alcançar a terra prometida, o qual metonimicamente poderia representar a travessia de
toda a humanidade pelo deserto da provação para se alcançar o paraíso e seu criador. Esperou-se assim, enriquecer e lançar novas veredas interpretativas e reflexões, sobre o sertão que habita dentro de cada um de nós e a grande travessia da vida, tal como
apresenta Guimarães Rosa.


Palavras-chave: Grande sertão: veredas. Mito. Travessia. Bíblia. Northrop Frye.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Caetano dos Santos, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas). Doutorando Literaturas de Língua Portuguesa. Bolsista da CAPES.
Doutorando em Letras pela PUC Minas. Possui mestrado em Letras - Literaturas de Língua Portuguesa- pela mesma instituição (2012). É graduado em Letras (Habilitação em Língua Portuguesa) pela Universidade Federal do Pará -UFPA (2006). Durante o segundo ano do mestrado foi bolsista da CAPES. 

Referências

CAMPBELL, Joseph. As máscaras de Deus. São Paulo: Palas Atena, 2004.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 1972.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva,

FRYE, Northrop. Código dos códigos: a bíblia e a literatura. São Paulo: Boitempo, 2004.

FRYE, Northrop. Words with power: being a second study of “the Bible and Literature”. Toronto: University of Toronto Press. 2008.

GALVÃO, Walnice Nogueira. Mínima mímica: ensaios sobre Guimarães Rosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

HOMERO. Ilíada. Trad. Manuel Odorico Mendes. São Paulo: Atena, 1958.

JUNG, C. G. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Rio de Janeiro: Vozes, 2000.

NIETZCHE, Friedrich Wilhelm. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SANTOS, Robson Caetano dos. Estratégias do contar: um estudo das micronarrativas em Os sertões, de Euclides da Cunha, e Grande sertão: veredas, de J. Guimarães Rosa. 2012.

Dissertação. (mestrado em Letras). Belo Horizonte: PUC Minas.

Publicado
07-11-2016
Como Citar
Caetano dos Santos, R. (2016). Viver é muito perigoso: o mito da grande travessia da vida em Grande sertão: veredas a partir da perspectiva bíblica de Northrop Frye. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (28), 70-81. https://doi.org/10.5752/P2358-3231.2016n28p70