MISCELÂNEA:

ANÁLISE DAS REVISTAS DE VARIEDADES E PEDAGÓGICAS

  • Peterson Fernando Kepps da Silva Universidade Federal do Rio Grande
  • Lavínia Schwantes
Palavras-chave: História do ensino de Biologia, História da Biologia, História da Educação

Resumo

Este artigo tem como objetivo trazer contribuições sobre a constituição do ensino de Biologia no Brasil, entre 1800 e 1879. A pesquisa é documental, exploratória e buscou analisar especificamente revistas pedagógicas e de variedades do período: Marmota da Corte; Semana Ilustrada; A Escola: revista Brasileira de Educação e Ensino (RJ); O Ensino Particular: revista Mensal da Associação dos Professores Particulares (RJ); e Revista do Ensino (RJ). Para dialogar com as análises, nos aproximamos da perspectiva arqueo-genealógica de Michel Foucault. A partir das análises das fontes percebemos duas possíveis condições de possibilidade para a formação do ensino de Biologia no Brasil: 1) a valorização pública da ciência e dos conhecimentos científicos; junto a isso, vemos também perpassar o 2) ideário de progresso no sentido de avanço intelectual e econômico do país por meio das áreas de Botânica, Zoologia e História Natural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTOS, Maria Helena Camara. As conferências pedagógicas dos professores primários do município da Corte: permuta das luzes e ideias (1873-1886). In: XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 2003, João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa: UFPB, 2003. p. 1-7. Disponível em: http://encontro2014.rj.anpuh.org/resources/anais/anpuhnacional/S.22/ANPUH.S22.471.pdf. Acesso em: 03 nov. 2020.

BITTENCOURT, Renato Nunes. As falácias da ideia de progresso segundo Nietzsche. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 33, n. 1, p. 81-96, 2011. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciHumanSocSci/article/view/9139/9139. Acesso em: 27 nov. 2020.

CATANI, Danice Barbara. A imprensa periódica educacional: as revistas de ensino e o estudo do campo educacional. Revista Educação e Filosofia, v. 10, n. 20, p. 115-130, 1996. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/928/842. Acesso em: 03 nov. 2020.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: FOUCAULT, Michel.
Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015, p. 55-86.

MENDES, José Augusto Sobrinho. Ensino de ciências e formação de professores: na escola normal e no curso de magistério. 1998. 307f. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/77747. Acesso em: 21 abr. 2021.

SILVA, Margarete Maria. Conferências pedagógicas: espaço de atuação do professorado público? (Pernambuco, 1855–1879). In: V CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2008, Aracaju. Anais [...]. Aracaju: UFS/UNIT, 2008. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/178.pdf. Acesso em: 03 nov. 2020.

VEYNE, Paul Marie. Como se escreve a história. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.
Publicado
14-07-2023
Como Citar
SILVA, P. F. K. DA; SCHWANTES, L. MISCELÂNEA: . Cadernos de História, v. 24, n. 40, p. 12-37, 14 jul. 2023.
Seção
Temática Livre - Artigos