Tempos e contratempos da hegemonia – Gramsci, Cox e as Relações Internacionais na prisão da Ciência Política

  • Rodrigo Passos Unesp
Palavras-chave: Gramsci. hegemonia. desenvolvimento desigual e combinado.

Resumo

O texto se propõe a responder sumariamente à seguinte questão: como contrapor sumariamente duas leituras sobre Gramsci no âmbito das Relações Internacionais, a saber, aquela confinada às abordagens tradicionais da Ciência Política e outra em termos de uma perspectiva mais ampla fora de tal confinamento? A hipótese aponta para uma relação bastante prolífica de abordagem da dinâmica histórica que concebe organicamente os planos nacional e internacional sob a associação das chaves analíticas das categorias de hegemonia e revolução passiva de Gramsci e de desenvolvimento desigual e combinado de Trotsky nas diferentes temporalidades da produção da vida por oposição ao aprisionamento de grande ênfase na Ciência Política em conformidade com os enfoques tradicionais das Relações Internacionais em registro homogêneo, coeso, sem diferentes velocidades no que diz respeito às dimensões da vida como um todo. Para dar conta do argumento, o objetivo do texto é demonstrar sumariamente que: a) a maior parte da literatura que tangencia a categoria gramsciana de hegemonia no plano internacional a desvincula do nexo orgânico entre filosofia, história e política ao situá-la nos referenciais tradicionais do campo disciplinar das Relações Internacionais na “prisão da Ciência Política”; b) o nexo orgânico entre nacional e internacional da categoria em pauta implica em significativo contratempo entre estes dois níveis sobre o alcance da transformação histórica, especialmente quando Gramsci refere às hegemonias plenas, completas; c) a articulação entre nacional e internacional do sentido recorrente de hegemonias incompletas como hipóteses de revoluções passivas pode ser enriquecido com o aporte da categoria de desenvolvimento desigual e combinado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COX, R. W. Book review: Unravelling Gramsci: Hegemony and passive revolution in the global political economy by David Morton. Capital & Class, n. 93, p. 258-261, 2007.
COX, R. W. Gramsci, hegemony, and international relations: an essay in method. In: COX, R. W.; SINCLAIR, T. J. Sinclair. Approaches to World Order. Cambridge: Cambridge University Press, 1996, p. 124-143.
COX, R. W. Multilateralism and world order. Review of International Studies, v. 18, n. 2, p. 161-180, 1992.
COX, R. W. Production, power, and world order: social forces in the making of history. New York: Columbia University Press, 1987.
COX, R. W. The Way Ahead: Toward a New Ontology of World Order. In: JONES, R. W. (org.) Critical theory and world politics. Boulder, London: Lynne Rienner, 2001, p. 45-60.
COX, R. W. Social forces, states and world orders: beyond international relations theory. Millennium, v. 10, n. 2, p. 126-155, 1981.
COUTINHO, C. N. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.
GALASTRI, L. Gramsci, Marxismo e Revisionismo, Campinas: Autores Associados, 2015.
GRAMSCI, A. Lettere dal Carcere, Torino: Einaudi, 1973.
GRAMSCI, A. Quaderni del Carcere, Torino: Einaudi, 1975.
MORTON, A. A Geopolítica do Sistema de Estados e o Capitalismo Global em Questão. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 29, p. 45-62, 2007.
ROSENBERG, J. International relations in the prison of Political Science. International Relations, v. 30, n. 2, p. 127-153, 2016.
THOMAS, P. A Primeira Guerra Mundial e as teorias marxistas da revolução. Revista Outubro, n. 25, p. 6-34, 2015.
TROTSKY, L. A História da Revolução Russa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977, v. 1.
Publicado
15-11-2023
Como Citar
Passos, R. (2023). Tempos e contratempos da hegemonia – Gramsci, Cox e as Relações Internacionais na prisão da Ciência Política. Conjuntura Internacional, 19(1), 46-62. https://doi.org/10.5752/P.1809-6182.2022v19n1p46-62