O Regionalismo Pós-Liberal na América do Sul

  • Wilson Mendonça Júnior

Resumo

Este artigo pretende discutir o processo de institucionalização do regionalismo sul-americano, desde o regionalismo fechado da ALALC até o modelo pós-liberal do século XXI. Para tanto, daremos ênfase ao movimento da Onda Rosa e às duas esquerdas que a compõe. Por fim, destacaremos a perspectiva acerca da permanência do modelo e o papel do Brasil na consolidação da integração na região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Integração regional: uma introdução. SP, Ed. Saraiva, 2013.

BARBOSA, Rubens (1996). “O Brasil e a integração regio-nal: a ALALC e a ALADI (1960-1990). In: ALBUQUER-QUE, José Augusto Guilhon (Org.)(1996). Sessenta anos de política externa brasileira (1930-1990). Vol.2: Diploma-cia para o Desenvolvimento. São Paulo, NUPRI-USP/Cultura Editores Associados.

BOERSNER, Demetrio. Gobiernos de izquierda en Améri-ca Latina: tendencias y experiencias. Nueva Sociedad, n. 197, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do

Brasil. 35. ed. São Paulo: Saraiva, 2005.

CAMERON, Maxwell A. Latin America’s Left Turns: beyond good and bad. Third World Quaterly, v.30, n.2, 2009.

LÓPEZ, Raúl Vázquez. Integración economica en América Latina: la visión teórica de la CEPAL confrontada con la evolución del proyecto en la región. Journal of economics, finance and administrative science, v. 16, n. 31, p. 107- 118, dezembro 2011.

MELLO, Patrícia Campos. Consenso de Brasília. Interesse Nacional, São Paulo, ano 4, n° 15, out/dez. 2011.

SILVA, Fabrício Pereira da. Até onde vai a “onda rosa”? Análise de Conjuntura OPSA, No.2, fev. 2010.

Publicado
10-03-2014
Como Citar
Júnior, W. M. (2014). O Regionalismo Pós-Liberal na América do Sul. Conjuntura Internacional, 11(1), 18-24. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/conjuntura/article/view/7575
Seção
ANÁLISE CONJUNTURAL