A cláusula democrática do Mercosul e as interrupções de mandatos presidenciais: um estudo comparativo sobre os casos paraguaio e brasileiro

The Mercosur’s democratic clause and the interruptions of presidential mandates in South America: a study of the paraguayan and brazilian cases

  • Thales Leonardo de Carvalho Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)
Palavras-chave: Impeachment, América Latina, Mercosul, Cláusula democrática

Resumo

Desde a última onda de redemocratização dos países latinoamericanos, iniciada nos anos 1980, têm-se observado diversas interrupções nos mandatos de presidentes eleitos e uma consequente preocupação em relação a quebras nos regimes democráticos desses países, seja para a derrubada ou manutenção dos governos vigentes. Diante desse quadro, em 2012 o Paraguai foi suspenso do Mercosul, com base nos Protocolos de Ushuaia que, resumidamente, prevêem sanções para signatários que em algum momento apresentem ruptura em sua ordem democrática e constitucional; o motivo alegado seria uma ruptura dessa ordem no andamento do processo de impeachment do então presidente Fernando Lugo. No Brasil, desde o fim de 2015, tem-se presenciado um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff, em um contexto em que muitas pessoas afirmam haver um golpe em questão no país. Diante disso, o presente artigo pretende, com base no exemplo paraguaio, analisar se o Brasil também deveria sofrer sanções por parte do bloco, com base nos referidos protocolos, bem como oferecer elementos para discutir as situações em que os acordos tendem a ser aplicados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARBUET- VIGNALI, Heber. Crisis en Paraguay ¿o en los conceptos políticos y jurídicos de su region? Suplemento ABC, agosto de 2012.

BRAGON, Ranier; FALCÃO, Márcio; SADI, Andreia; NERY, Natuza. Câmara elege Eduardo Cunha e derrota candidato de Dilma. Folha de São Paulo, Brasília, 1 fev. 2015. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/02/1583794-planalto-sofre-derrota-e-ve-camara-parar-na-mao-de-aliado-incomodo.shtml>. Acesso em 3 jul. 2016.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Decisão da presidência de 02 dez. 2015. Acata denúncia apresentada por Hélio Pereira Bicudo, Miguel Reale Júnior, Janaina Conceição Paschoal e outros contra a Presidente da República, Dilma Vana Roussef, atribuindo-lhe a prática de crime de responsabilidade. Diário da Câmara dos Deputados, Brasília, 4 de dezembro de 2015a.

BRASIL. Congresso. Lei 1079, de 1950. Coleção de leis da República Federativa do Brasil, Rio de Janeiro, RJ, v. 3, p. 33, 1950.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação de publicações, 1998. 293p.

BRASIL. Lei nº 13.080, de 2 de janeiro de 2015. Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração e execução da Lei Orçamentária de 2015 e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2 jan. 2015b.

BRASIL. Senado Federal. Resolução nº 35, de 2016. Dispõe sobre sanções no Processo de impeachment contra a Presidente da República, Dilma Vana Rousseff, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 31 de agosto de 2016.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Medida cautelar na arguição de descumprimento de preceito fundamental 378. Relator: Edson Fachin. Brasília, 16 de dezembro de 2015c.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Relatório preliminar: Contas do governo da República. Exercício de 2015. Relator Ministro José Múcio Monteiro. Brasília, 2016. Disponível em: <http://portal.tcu.gov.br/lumis/portal/file/fileDownload.jsp?fileId=8A8182A155187AF6015555656B351447&inline=1>. Acesso em: 2 jul. 2016a.

BRASIL. Tribunal Superior Eleitoral. Estatísticas eleitorais 2014. Disponível em: <http://www.tse.jus.br/eleicoes/estatisticas/estatisticas-eleitorais-2014-eleitorado>. Acesso em: 3 jul. 2016b.

CARVALHO, Thales Leonardo. As instituições internacionais e o processo de difusão/transferência de políticas sociais na América Latina no século XXI:um estudo sobre ALBA, CAN, MERCOSUL e UNASUL.2014. 103p. Monografia – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Instituto de Ciências Sociais, Curso de Relações Internacionais, Belo Horizonte, 2014.

DOVAL, Gisela; ACTIS, Esteban. The political and economic instability of Dilma Rousseff’s second government in Brazil: between impeachment and programatic turn. India Quarterly, n. 72, v. 2, 2016.

GRATIUS, Susanne. The rise of latin american regionalism: the same old thing? IDEAS Foundation, Madri, 2012.

HOCHSTETLER, Kathryn. Repensando o presidencialismo: contestações e quedas de presidents na América do Sul. Lua nova, n. 72, p. 9-46, 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Série histórica do IPCA. Disponível em: <http://downloads.ibge.gov.br/downloads_estatisticas.htm>. Acesso em: 2 jul. 2016.

LINZ, Juan, STEPAN, Alfred. A transição e consolidação da democracia – a

experiência do Sul da Europa e da América do Sul. São Paulo: Paz e Terra. 1999.

LUNA, Juan Pablo; KALTWASSER, Cristóbal. The resilience of the Latin American Right. John Hopkins University Press, 2014. 392p.

MARSTEINTREDET, Leiv. Las consecuencias sobre el régimen de las interrupciones presidenciales en América Latina. América Latina Hoy, n. 49, p. 31-50, 2008.

MARSTEINTREDET, Leiv; LLANOS, Mariana; NOLTE, Detlef. Paraguay and the politics of impeachment. Journal of democracy, v. 24, n. 4, p. 110-123, outubro de 2013.

Mercado Comum do Sul (MERCOSUL). Declaração presidencial sobre compromisso democrático no Mercosul. Potrero de Los Funes, 25 de junho de 1996.

___________________________________. Protocolo de Montevidéu sobre compromisso com a democracia no Mercosul (Ushuaia II). Montevidéu, 20 de dezembro de 2011.

___________________________________. Protocolo de Ushuaia. 24 de julho de 1998.

MORTARI, Marcos. Aplicação da cláusula democrática contra o Brasil no Mercosul é pouco provável. Infomoney, 25 abr. 2016. Disponível em: < http://www.infomoney.com.br/mercados/politica/noticia/4901188/aplicacao-clausula-democratica-contra-brasil-mercosul-pouco-provavel>. Acesso em: 4 jul. 2016.

NETO, Walter; TEIXEIRA, Rodrigo (orgs.). Perspectiva para la integración de América Latina. Brasília: Ipea, 2012. 338p.

PARAGUAI. Constituição (1992). Constituição da República do Paraguai. Assunção, 20 de junho de 1992.

___________. Câmara dos Deputados. Libelo acusatório. Resolução H, n. 1431. Assunção, 2012.

PÉREZ-LIÑÁN, Aníbal. A two-level theory of presidential instability. American Politics and society, n. 56, v. 1, p. 34-54, 2014.

____________________. Instituciones, coaliciones callejeras e inestabilidad política: perspectivas teóricas sobre las crisis presidenciales. America Latina hoy, n. 49, p. 105-126, 2008.

____________________. ¿Juicio político o golpe legislativo? Sobre las crisis constitucionales en los años noventa. América Latina Hoy, n. 26, p. 67-74, dezembro de 2000.

____________________. Presidential impeachment and the new political instability in Latin America. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. 264p.

REZA, Germán. El regionalismo abierto en el hemisferio occidental. Análisis económico, v. XVIII, n. 37, primeiro semestre de 2003, p. 297-312.

RIGGIROZZI, Pía. Regionalism through social policy and policy action: rescaling responsabilities and rights. Southamptom, 2012.

SCHREIBER, Mariana. O que significa a perícia sobre pedaladas – e como pode impactar o processo de impeachment. BBC, 27 jun. 2016. Disponível em: <http://www.bbc.com/portuguese/brasil-36627955>. Acesso em: 1 dez. 2016.

VEIGA, Pedro da Motta; RIOS, Sandra P. O regionalismo pós-liberal na América do Sul: origens, iniciativas e dilemas. Santiago, CEPAL, Seria Comercio Internacional, n.82, 2007.

VILLAVERDE, João; FERNANDES, Adriana. As “pedaladas fiscais” do governo Dilma. Estadão. Disponível em: <http://infograficos.estadao.com.br/economia/pedaladas-fiscais/>. Acesso em: 3 jul. 2016.

WILLIAMSON, John (ed.). Latin America adjustment: how much has happened? Washington: Institute for International Economics, 1990.

Publicado
17-08-2017
Como Citar
Carvalho, T. L. de. (2017). A cláusula democrática do Mercosul e as interrupções de mandatos presidenciais: um estudo comparativo sobre os casos paraguaio e brasileiro. Conjuntura Internacional, 14(1), 25-38. https://doi.org/10.5752/P.1809-6182.2017v14n1p25