As gambiarras na pandemia:

das contra colonialidades às textualidades

  • Italo Vinicius Gonçalves universidade federal de minas gerais
  • Fabio Amaral de Oliveira Paes

Resumo

Gambiarras como táticas subversivas, saberes corporificados, agenciamentos distribuídos e afetos ordinários. Nossa intenção é refletir sobre as gambiarras em período pandêmico, produzidas como uma estratégia de cuidado preventivo à Covid-19. Ao pensá-las por meio do conceito de “texto verbovisual” (ABRIL, 2007), mobilizamos as gambiarras enquanto objetos que promovem redes textuais, tecnologias que são vistas e, ao mesmo tempo, nos olham de volta. Num primeiro momento, discutiremos como tais objetos podem ser vistos enquanto tecnologias que desafiam os operadores lógicos da colonialidade, da modernidade e do capitalismo. Em seguida, usando estudos de caso, pensaremos nas gambiarras em suas relações à própria conformação da pandemia da Covid-19, especialmente em contexto brasileiro. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
25-03-2023
Como Citar
GONÇALVES, I. V.; PAES, F. A. DE O. As gambiarras na pandemia:. Dispositiva, v. 12, n. 21, p. 150-168, 25 mar. 2023.