Cabe a cultura Ballroom em pixels?

Enquadrando um movimento de resistências na tela de um smartphone

  • Samuel Rubens UFMG
Palavras-chave: Pragmatismo, Interação, Quadros de sentido, Cultura Ballroom, Pandemia

Resumo

A cultura Ballroom é um movimento de resistência LGBTQIAP+ criado por mulheres trans afro-latinas em Nova Iorque na década de 1970 e consiste em um conjunto de práticas ritualizadas, com formação de grupos de parentesco, bailes de competições, conhecidos como balls, e um sistema de gênero próprio. O BH Vogue Fever é a maior ball da América Latina e em 2021, em decorrência das limitações impostas pela pandemia, realizou uma série de lives de aquecimento para sua sétima edição. Este trabalho tem como objetivo refletir sobre os quadros de sentido das interações da cultura Ballroom no contexto brasileiro pandêmico a partir da análise dessas lives. Partimos da filosofia pragmatista, bem como a abordagem relacional da comunicação, para refletir sobre as dinâmicas dessas interações. Foi constatado que as interações no contexto online trouxeram possibilidades e limitações para a resistência da Ballroom.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT. Manual de comunicação LGBT: lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Disponível em: https://unaids.org.br/wp-content/uploads/2015/09/Manual-de-Comunica%C3%A7%C3%A3o-LGBT.pdf. Acesso em: 13 jun. 2023.

BAILEY, Marlon M. Butch Queens Up in Pumps: Gender, Performance, and Ballroom Culture in Detroit. Michigan: The University Of Michigan Press, 2013.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 13. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

FRANÇA, Vera Veiga. O objeto e a pesquisa em comunicação: uma abordagem relacional. In: MOURA, Cláudia Peixoto de; LOPES, Maria Immacolata Vassallo de (orgs.). Pesquisa em comunicação: metodologias e práticas acadêmicas. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2016. p. 153-174.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

GOFFMAN, Erving. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes, 2012.

JACKSON, Jonathan David. The social world of voguing. Journal for the Anthropological Study of Human Movement, v. 12, n. 2, p. 26-42, 2002.

JOAS, Hans. Interacionismo Simbólico. In: GIDDENS, Anthony; TURNER, Jonathan (orgs.). Teoria social hoje. São Paulo: Editora Unesp, 1999. p. 127-174.

LAWRENCE, Tim. “Listen, and you will hear all the houses that walked there before”: a history of drag balls, houses and the culture of voguing. In: REGNAULT, Chantal. Voguing and the Ballroom Scene of New York, 1989-92. New York: Soul Jazz Books, 2011. p. 3-11.

MENDONÇA, Ricardo Fabrino; SIMÕES, Paula Guimarães. Enquadramento: diferentes operacionalizações analíticas de um conceito. Revista Brasileira de Ciências Sociais, [S. l], v. 27, n. 79, p. 187-201, jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/a/ptZ9Qp9Qn7n7PdZDJZZXv3L/?lang=pt&format=html. Acesso em: 13 jun. 2023.

PROGREBINSCHI, Thamy. Pragmatismo: teoria social e política. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2005.

SANTOS, Henrique Cintra. A transnacionalização da cultura dos Ballrooms. 2018. 180f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2018. Disponível em: https://repositorio.unicamp.br/acervo/detalhe/1010049. Acesso em: 3 set. 2021.

Publicado
16-12-2023