Uma gincana para conversar sobre gênero e mídia com crianças

Palavras-chave: comunicação, infância, gênero, discurso, lúdico

Resumo

A dissertação “Sonhe Alto, Princesa: Discursos sobre Gênero e Infância na Região de Curitiba” conversou com crianças de 5 a 9 anos de diferentes realidades socioeconômicas acerca do discurso sobre gênero na mídia infantil. Não buscamos falar sobre crianças, mas com elas, trazendo-as para o processo de pesquisa. Para tanto, foi necessário criar uma metodologia de pesquisa lúdica que atendesse a coleta do material de pesquisa, a análise e o compartilhamento dos resultados com as crianças. Com o objetivo de ressaltar a importância do lúdico para acessibilidade das pesquisas acadêmicas, apresentamos um relato do processo de pesquisa, apontando como o lúdico possibilitou a inclusão das crianças e atraiu a atenção de adultos sem vínculo acadêmico com a Comunicação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Hansen, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Docente e pesquisador na Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará (UFPA) e no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Luiza Guimarães, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestre em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Referências

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1981.

BONIN, Jiani Adriana. Revisitando os bastidores da pesquisa: práticas metodológicas na construção de um projeto de investigação. 2. ed. In: MALDONADO, Alberto Efendy et al. Metodologias da pesquisa em comunicação: olhares, trilhas e processos. Porto Alegre: Editora Sulina, 2006. p. 19-42.

BUENO, Michele Escoura. Girando entre princesas: performances e contornos de gênero em uma etnografia com crianças. 2012. 163 p. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 16. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CITELLI, Adilson. Linguagem e Persuasão. São Paulo: Ática, 2004.

COYNE, Sarah M.; LINDER, Jennifer Ruh; RASMUSSEN, Eric. E.; NELSON, David A.; BIRKBECK, Victoria. Pretty as a Princess: Longitudinal effects of engagement with Disney Princesses on gender stereotypes, body esteem, and prosocial behavior in children. Child Development, v. 87, n. 6, p. 1-17, 2016.

GUIMARÃES, Luiza. Sonhe Alto, Princesa: discursos sobre gênero na infância na região de Curitiba. 2020. 457p. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Setor de Artes, Comunicação e Design, Programa de Pós-graduação em Comunicação, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: ed. PUC-Rio, 2016.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 12 ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2018.

HANSEN, Fábio; SILVA, Rodrigo Portes Valente da. Um caminho de superação pedagógica: os Naipes da Comunicação como dispositivos de atenção. Comunidade & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 38, n. 3, p. 271-298, set./dez. 2016.

HANSEN, Fábio. Resistência à narrativa publicitária: por um regime discursivo dialógico. Revista Fronteiras: estudos midiáticos, v. 20, n. 1. São Leopoldo: Unisinos, 2018.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2012.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 16 ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

ORENSTEIN, Peggy. Cinderella ate my daughter: dispatches from the front lines of the new girlie-girl culture. Nova Iorque: Harper Collins Publishers, 2011.

ORENSTEIN, Peggy. Schoolgirls: young women, self esteem and the confidence gap. New York: Bantam Doubleday Dell Publishing Group Inc., 1996.

ORLANDI, Eni Puccinelli. As Formas do Silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora Unicamp, 2018.

ORLANDI, Eni Puccinelli. A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1987.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discursos: princípios & procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2015.

PÊCHEUX, Michel. Delimitações, Inversões, Deslocamentos. Tradução: José Horta Nunes. Caderno de Estudos Linguísticos, n. 19, p. 7-24, 1990.

PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia. Tradução: Maria Alice Magalhães D'Amorim e Paulo Sérgio Lima Silva. 24. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

PROJANSKY, Sarah. Spectacular Girls: media, fascination and celebrity culture. New York: NYU Press, 2014.

SANTOS, Isabelle Silva dos. Vivi Lobo e o quarto mágico: um livro infantil ilustrado a partir de estudos feministas. 2017. 166f. Monografia (Graduação em Publicidade e Propaganda) – Setor de Artes, Comunicação e Design, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

SANTOS NETO, Helena Iracy Cerquiz. Análise do Discurso Radiofônico: O acontecimento apagão em Florianópolis. 2015. 291f. Tese (Doutorado em Ciências da Linguagem ) – Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, 2015.

STEINBERG, Shirley; KINCHELOE, Joe (org). Cultura Infantil: a construção corporativa da infância. Tradução George Eduardo Japiassú Bricio. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004.

THORNE, Barrie. Gender Play: Girls and Boys in School. New Brunswick: Rutgers University Press, 1993.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e Diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Tomaz Tadeu da Silva (org). Petrópolis: Vozes, 2014.

Publicado
16-12-2023