Eventos estratégicos, visibilidade e algoritmos:

Influenciadores digitais e a criação de conteúdo

Palavras-chave: Comunicação digital, influenciadores, cultura, eventos estratégicos, algoritmos

Resumo

O trabalho busca refletir sobre uma nova dimensão que os eventos têm sido pensados no meio digital, a partir de criadores de conteúdo digital. As organizações – representadas, cada vez mais, por influenciadores – criam estratégias de visibilidade que embasam as novas formas de sociabilidade em rede por meio da criação de conteúdo. Metodologicamente, as análises se ancoram na pesquisa bibliográfica, o caminho escolhido para observar, categorizar e refletir sobre a temática. Nas considerações finais, notamos que a noção de produção de conteúdo – apesar de ser reconhecida como um espaço estratégico para a comunicação – ainda enfrenta diversos desafios, entre eles, a precarização da área. Em contrapartida, há a possibilidade de um crescente espaço para atender as demandas mercadológicas e sociopolíticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlise Schneider Rudnicki, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Relações Públicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), mestre e doutora em Desenvolvimento Rural (PGDR/UFRGS), pós-doutora em Comunicação (PPGCOM/UFRGS), professora-adjunta no Departamento de Comunicação na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e no Programa de Pós-graduação em Comunicação (POSCOM/UFSM), carlise.rudnicki@ufsm.br, http://lattes.cnpq.br/0298582153021116

Caio Motta , Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Comunicação (POSCOM), bolsista CAPES;  link para l lattes: http://lattes.cnpq.br/2660037871920762; Orcid: https://orcid.org/0000-0002-1179-0410. 

Referências

ABIDIN, Crystal. Mapeando celebridades da Internet no TikTok: Explorando Economias da Atenção e Trabalhos de Visibilidade. Pauta Geral – Estudos em Jornalismo, v. 8, n. 2, p. 1-50, 9 dez. 2021.

ARAÚJO, Willian. Norma algorítmica como técnica de governo em Plataformas Digitais: um estudo da Escola de Criadores de Conteúdo do YouTube. Fronteiras – estudos midiáticos, v. 23, n. 1, p. 29-39, 26 abr. 2021.

ARRIAGADA, Arturo; CONCHA, Paz. Cultural intermediaries in the making of branded music events: Digital cultural capital in tension. Journal of Cultural Economy, v. 13, n. 1, p. 42-53, 2020.

AZEVEDO, Fábio Palácio de. O conceito de cultura em Raymond Williams. Revista Interdisciplinar em Cultura e Sociedade. São Luís, v. 3, número especial, p. 205-224, jul./ dez. 2017.

BACCARELLA, Christian V.; WAGNER, Timm F.; KIETZMANN, Jan H.; MACCARTHY, Ian P. Social media? It's serious! Understanding the dark side of social media. European Management Journal, v. 36, n. 4, p. 431-438, ago. 2018. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0263237318300781. Acesso em 10 de agosto de 2023.

BAYARDO, Rubens. Indústrias Criativas e políticas culturais: perspectivas a partir do caso da cidade de Buenos Aires. In: CALABRE, Lia (Org.). Políticas culturais: informações, territórios e economia criativa. São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2013. p. 8-19.

CAMPOS, Anderson Gurgel; JACOB, Helena Maria A. A gastronomia e os megaeventos esportivos na construção da marca "Brasil": aproximações entre copa do mundo, turismo e relações públicas. Organicom, v. 8, n. 15, p. 169-183, 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/139113. Acesso em: 17 out. 2023.

CANCLINI, Nèstor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

CHAUÍ, Marilena. Cultura política e política cultural. Dossiê Cultura Popular – Estudos Avançados, n. 9, v. 23, abr. 1995. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/FKYqvPJSw3ChWVF6dbkBJDv/?lang=pt. Acesso em: 10 set. 2023.

COELHO, Teixeira. Dicionário crítico de política cultural: cultura e imaginário. São Paulo: Iluminuras/Fapesp, 1997.

D’ANDRÉA, Carlos Frederico De Brito. Pesquisando plataformas online: conceitos e métodos. Cibercultura, 2020.

DIAS, Kamyla Stanieski; VIEIRA, Maura Jeisper Fernandes; ROCHA, Cristianne Maria Famer. Influenciadores digitais: entre o trabalho de plataforma e o empresariamento de si. Brazilian Creative Industries Journal, v. 3, n. 1, p. 49-69, 31 mar. 2023.

DREYER, Bianca M. Relações públicas na contemporaneidade: contexto, modelos e estratégias. São Paulo: Summus, 2017.

FARIAS, Luiz Alberto de; GANCHO, Carolina. Eventos e sua importância para a gestão da comunicação organizacional na pós-modernidade. Organicom, [S. l.], v. 11, n. 20, p. 24-38, 2014. DOI: 10.11606/issn.2238-2593.organicom.2014.139214. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/139214. Acesso em: 20 ago. 2023.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2009.

KUNSCH, Margarida Maria Krohling. Planejamento de Relações Públicas na Comunicação Integrada. São Paulo: Summus, 2003.

KARHAWI, Issaaf et al. Influenciadores digitais: conceitos e práticas em discussão. Communicare, v. 17, n. 12, p. 46-61. 2017.

KARHAWI, Issaaf Santos. De blogueira à influenciadora: motivações, ethos e etapas profissionais na blogsfera de moda brasileira. 2018. 330 f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

KARHAWI, Issaaf; PRAZERES, Michelle. Exaustão algorítmica: influenciadores digitais, trabalho de plataforma e saúde mental. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, v. 16, n. 4, p. 800-819, 2022.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

LEITÃO, Cláudia Souza. Criatividade e emancipação nas comunidades-rede: contribuições para uma economia criativa brasileira. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2023.

MAFRA, Rennan. Entre o espetáculo, a festa e a argumentação: mídia, comunicação estratégica e mobilização social. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

MEJÍAS, Ulises; COULDRY, Nick. Colonialismo de datos: repensando la relación de los datos masivos con el sujeto contemporáneo. Virtualis, v. 10, n. 18, p. 78-97, 2019.

ONU MULHERES, Todxs/10. 2022. Disponível em: hhttps://www.onumulheres.org.br/wp-content/uploads/2022/03/UA_TODXS10_Final-PORT.pdf. Acesso em: 30 set. 2023.

PAIVA, Ricardo Alexandre. Eventos e megaeventos: ócio e negócio no turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, [S. l.], v. 9, n. 3, p. 479-499, 2015. DOI: 10.7784/rbtur.v9i3.890. Disponível em: https://rbtur.org.br/rbtur/article/view/890. Acesso em: 17 out. 2023.

PEREIRA, Ethel Shiraishi. Eventos em relações públicas: ferramenta ou estratégia? In: FARIAS, Luiz Alberto (Org.). Relações Públicas estratégicas: técnicas, conceitos e instrumentos. São Paulo: Summus, 2011.

POELL, Thomas; NIEBORG, David; VAN DIJCK, José. Plataformização. Fronteiras-estudos midiáticos, v. 22, n. 1, p. 2-10, 2020.

SANTANA, Adriana A.; NUSSBAUMAN, Gisele M. Os públicos e a gestão da cultura. In: RUBIN, Antônio C. (Org). Gestão Cultural. Salvador: EDUFBA, 2019. p. 149-168.

SANTAELLA, Lucia. Continuous intelligence: The 7th sapiens’ cognitive revolution. SciELO Preprints, 2021. DOI: 10.1590/SciELOPreprints.3268. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/3268. Acesso em: 13 dec. 2023.

SANTAELLA, Lucia. A tecnocultura atual e suas tendências futuras. Signo pensam, v. 31, n. 60, p. 30-43, 2012.

SANTOS, Kassieli M. dos. Gambiarras em busca da visibilidade: impacto dos algoritmos na performance dos influenciadores digitais. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 45., 2022, João Pessoa (PB). Anais [...]. São Paulo: Intercom, 2022.

SENRA, K. B.; VIEIRA, F. G. D. O consumo de jogos eletrônicos como um fenômeno social, cultural e histórico. Signos do Consumo, [S. l.], v. 14, n. 2, p. e198043, 2022. DOI: 10.11606/issn.1984-5057.v14i2e198043. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/198043. Acesso em: 20 ago. 2023.

SILVEIRA, Sérgio Amadeu da. A noção de modulação e os sistemas algorítmicos. Paulus: Revista de Comunicação da Fapcom, v. 3, n. 6, 2019.

STUMPF, Ida Regina. Pesquisa Bibliográfica. In: DUARTE, Jorge; BARROS, Antonio. Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2006.

TERRA, Carolina Frazon; RAPOSO, João Francisco. Lives to live: influência, conteúdo efêmero e comunicação digital na pandemia da Covid-19. Organicom, [S. l.], v. 19, n. 38, p. 202-212, 2022. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/organicom/article/view/178341. Acesso em: 11 set. 2023.

WILLIAMS, Raymond. Cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

YOUPIX. NIELSEN. Report Pesquisa ROI & Influência 2023. Youpix. 2023. Pesquisa ROI & Influência 2023. Disponível em: https://tag.youpix.com.br/roi-2023-download. Acesso em: 18 out. 2023.

YÚDICE, George. A conveniência da cultura: usos da cultura na era global. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

Publicado
16-12-2023