Camilla de Lucas no Instagram:

Reflexões críticas sobre a influenciadora digital negra a partir da constelação de Benjamin

  • Irina Coelho Monte Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Palavras-chave: influência digital, raça, constelação, mulheres negras, mercado de trabalho brasileiro

Resumo

Este artigo faz uma reflexão crítica do perfil da influenciadora Camilla de Lucas na plataforma Instagram para discutir um campo carente de sistematização que é a influência digital vista de uma perspectiva racializada. A metodologia de análise é a constelação, inspirada em Walter Benjamin (2020), e tem como característica uma abertura para a sensibilidade dos pesquisadores que permite olhar para as relações entre negras e mercado de trabalho brasileiro de forma fluida, mutável e não estanque. Como resultado, elenca-se a autodefinição (Collins, 2019), os conceitos de margem e centro (hooks, 2019b) e o processo de profissionalização das influenciadoras negras como pontos bases para construir essa constelação específica. Como contribuição, a pesquisa acrescenta mais uma camada, dessa vez, considerando o mercado de plataformas, o percurso de construção das relações das mulheres negras e o mercado de trabalho brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irina Coelho Monte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM/UFRGS) e jornalista na Universidade Federal do Amazonas (UFAM). irinaa-coelho@gmail.com, https://lattes.cnpq.br/0335144510818922

Referências

ABIDIN, Crystal. Internet celebrity: Understanding fame online. Emerald Group Publishing, 2018.

ABÍLIO, Ludmila Costhek; AMORIM, Henrique; GROHMANN, Rafael. Uberização e plataformização do trabalho no Brasil: conceitos, processos e formas. Sociologias, v. 23, p. 26-56, 2021.

BRAGA, Leonardo Izoton. Walter Benjamin e a filosofia da escrita: apresentação, constelação e crítica/Walter Benjamin and the philosophy of writing: presentation, constellation and criticism. Cadernos Benjaminianos, v. 14, n. 2, p. 11-19, 2018.

BENJAMIN, Walter. Sobre o Conceito de História: edição crítica. Organização e tradução de Adalberto Müller e Márcio Seligmann-Silva; Notas de Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Alameda, 2020.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Mulher negra no mercado de trabalho. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 479-479, 1995.

BRITO, Janaina Madeira; ANDRADE FREITAS, Maria Carolina de; CHAMBELA, Suzana Maria Gotardo. Constelações benjaminianas: um pensamento-intervenção na pesquisa em Psicologia. Mnemosine, v. 17, n. 1, p. 293-313, ago. 2021.

CAMPBELL, Colin; FARRELL, Justine Rapp. More than meets the eye: The functional components underlying influencer marketing. Business horizons, v. 63, n. 4, p. 469-479, 2020.

CARTER, Daniel. Hustle and brand: The sociotechnical shaping of influence. Social Media+ Society, v. 2, n. 3, p. 1-12, ju./set. 2016.

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, cultura e política. São Paulo: Boitempo Editorial, 2017.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Dominus, 1965.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. São Paulo: Global, 2003 [1933].

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. Editora Schwarcz-Companhia das Letras, 2020.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. Editora 34, 1999.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

hooks, bell. Anseios: raça, gênero e políticas culturais. Editora Elefante, 2019b.

hooks, bell. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019a.

hooks, bell. Teoria feminista. Editora Perspectiva, 2019c.

KARHAWI, Issaaf. De blogueira à influenciadora: etapas de profissionalização da blogosfera de moda brasileira. Editora Sulina, 2021.

KHAMIS, Susie; ANG, Lawrence; WELLING, Raymond. Self-branding, ‘microcelebrity’ and the rise of Social Media Influencers. Celebrity studies, v. 8, n. 2, p. 191-208, 2017.

LIVEIRA, Lucia Helena; PORCARO, Rosa Maria; ARAUJO Tereza Cristina N. O Lugar do Negro na Força de Trabalho. Rio de Janeiro: IBGE, 1985.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio. Uma leitura das teses ‘Sobre o conceito de história’. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOTTA, Roberto. Paradigmas de interpretação das relações raciais no Brasil. Estudos afro-asiáticos, v. 38, p. 113-133, dez. 2000.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Editora Perspectiva, 2016.

NASCIMENTO, Beatriz. O negro visto por ele mesmo: ensaios, entrevistas e prosa. São Paulo: Ubu Editora, 2022.

O'NEIL, Cathy. Algoritmos de destruição em massa. Santo André, SP: Editora Rua do Sabão, 2020.

OTTE, Georg; VOLPE, Mirian Lídia. Um olhar constelar sobre o pensamento de Walter Benjamin. Fragmentos, Florianópolis, n. 18, p. 35-47, 2000.

PRIMO, Alê; MATOS, Ludimila; MONTEIRO, Maria Clara. Dimensões para o estudo dos influenciadores digitais. Salvador: EDUFBA, 2021. (Cibercultura LAB404).

SANTOS, Daniele Queiroz dos. Entre montagens e constelações: um estudo sobre a mobilidade das imagens. 2017. 155f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia da Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

SANTOS, Iaci d’Assunção. Entre restos e rastros: a história aberta e seus recomeços. Notas a partir de Benjamin e Didi-‐Huberman. Revista ARA, v. 2, p. 17-36, 2017.

SCHUCMAN, Lia Vainer. O Branco e a Branquitude: Letramento Racial e Formas de Desconstrução do Racismo. Portuguese Literary and Cultural Studies, p. 171-189, 2022.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. p. 99-133,

SILVA, Maria Nilza. O negro no Brasil: Um problema de raça ou de classe? Mediações – Revista de Ciências Sociais, v. 5, n. 2, p. 99-124, 2000.

SILVA, Alex Sander da; AZEREDO, Jéferson Luís de; BITTENCOURT, Ricardo Luiz de. O pensamento em constelação adorniano como possibilidade de reflexão crítica sobre as práticas formativas em contextos educativos. Conjectura: filosofia e educação, v. 21, n. 2, p. 275-287, 2016.

SOBANDE, Francesca; FEARFULL, Anne; BROWNLIE, Douglas. Resisting media marginalisation: Black women’s digital content and collectivity. Consumption markets & culture, v. 23, n. 5, p. 413-428, 2020.

SOUTO, Mariana. Constelações fílmicas: um método comparatista no cinema. Galáxia, São Paulo, p. 153-165, 2020.

SOUZA, Neusa Santos.Tornar-se negro:ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Editora Schwarcz-Companhia das Letras, 2021.

STEELE, Catherine Knight. Black bloggers and their varied publics: The everyday politics of black discourse online. Television & New Media, v. 19, n. 2, p. 112-127, 2018.

TELLES, Edward. Repensando as relações de raça no Brasil. Teoria & Pesquisa: Revista de Ciência Política, v. 1, n. 42, 2003.

TYNES, Brendesha; SCHUSCHKE, Joshua; NOBLE, Safiya Umoja. Digital intersectionality theory and the# BlackLivesMatter movement. In: NOBLE, Safiya Umoja; TYNES, Brendesha M. (eds.). The intersectional internet: Race, sex, class, and culture online. New York: Peter Lang Publishing, Inc., 2016. p. 21-40.

TRINDADE, Luiz Valério. It Is Not That Funny: Critical Analysis of Racial Ideologies Embedded in Racialized Humour Discourses on Social Media in Brazil. 2018. Tese (Doutorado) – University of Southampton, UK, 2018.

TRINDADE, Luiz Valério. Discurso de ódio nas redes sociais. São Paulo: Editora Jandaíra, 2022.

VEIRMAN, Marijke de; CAUBERGHE, Veroline; HUDDERS, Liselot. Marketing through Instagram influencers: the impact of number of followers and product divergence on brand attitude. International journal of advertising, v. 36, n. 5, p. 798-828, 2017.

Publicado
18-12-2023