Desejos dos pacientes em situação de terminalidade: uma reflexão bioética*

  • Júlio César Batista Santana PUC Minas.
  • Leocir Pessini Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Ana Cristina de Sá USP.
Palavras-chave: Doente terminal. Fim de vida. Cuidados paliativos. Profissionais de saúde. Família.

Resumo

Objetivou-se com este estudo compreender os desejos dos pacientes em situação de terminalidade da vida nasnuances do campo da bioética.Foram utilizados estudos de casos múltiplos na escuta do fim da vida, alicerçadanos princípios da bioética e na sociologia compreensiva proposta por Minayo. Os protagonistas nos discursos datravessia foram: 12 pacientes em estágio terminal de doença, 34 profissionais na área da saúde e 17 familiares,acompanhados no período de janeiro de 2012 a dezembro de 2013. Emergiram cinco categorias: Desejos doalivio da dor e sofrimento humano; Desejos dos cincos sentidos: comer, ouvir, ver, sentir, cheirar; Desejos dapresença humana dos profissionais e familiares para auxiliarem na travessia; Desejos de conforto espiritual eesperança pela cura; Desejos de reconciliação e resolver as pendências familiares e profissionais. Entende-se quea morte é algo amedrontador, sofrido tanto para o paciente quanto para os familiares e profissionais de saúde, eainda não é aceita. Conclui-se que é necessário fazer uma releitura sobre a morte e a vida e que este estudopossibilita subsidiar reflexões e estratégias para a ampliação e a reconstrução de novas formas do cuidar daspráticas paliativistas em consonância com os desejos dos pacientes e os preceitos da bioética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlio César Batista Santana, PUC Minas.
Doutor em Bioética pelo Centro Universitário São Camilo - São Paulo ( 2014 ) ; Mestrado em Bioética pelo Centro Universitário São Camilo -São Paulo (2007); Especialização em Enferamgem em UTI (2001) ; Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1996) . Professor da PUC MInas, Centro Universitário UNIFEMM - Sete Lagoas e Faculdade Ciências da Vida, coordenador dos cursos de Pós-Graduação Lato Sensu do INSTITUTO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA/ PUC Minas: Enfermagem em UTI adulto, Enfermagem em UTI Neonatal e Pediátrica, Enfermagem em Urgência, Emergência e Trauma e Enfermagem em transplante e doação de órgãos,Enfermeiro do Núcleo de Educação Permanente e Pesquisa (NEPP ) Consórcio Intermunicipal Aliança para a Saúde ( CIAS ) SAMU - Sete Lagoas: Tutor do Suporte Básico e Avançado de Vida do SAMU, atuando principalmente nos seguintes temas :Bioética, unidade de terapia intensiva, atendimento pré-hospitalar, enfermagem, cuidado, emergência,equipe de enfermagem e saúde da família, Editor Adjunto da Enfermagem Revista PUC Minas, membro da equipe editorial da Revista de Enfermagem UFPE on line , Membro do colegiado do Curso de Graduação em Enfermagem da PUC/ Minas, Campus Coração Eucarísto. Autor de 3 livros : Procedimentos básicos de enfermagem, Monitorização Invasiva e não invasiva: fundamentação para o cuidado e Conflitos éticos na área da saúde : como lidar com esta situação.
Leocir Pessini, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Possui graduação em Filosofia pelo Centro Universitário N. Sra. da Assunção (São Paulo ? SP) em 1977, graduação em Teologia pela Pontifícia Universidade Salesiana de Roma (1980), mestrado em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Pontifícia Faculdade N. Sra. da Assunção (1990) e doutorado em Teologia Moral pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Pontifícia Faculdade Nossa Senhora da Assunção (2001). Pós-graduando em Educação Pastoral Clínica e Bioética no Saint Luke´s Medical Center em Milwaukee (WI - EUA), 1982-1983 e 1985-1986. Pós-doutorado no Centro de Bioética James Drane da Edinboro University of Pennsylvania (USA) em 2013 - 2014. Professor no Programa de Bioética do Centro Universitário São Camilo (SP) ? Mestrado e Doutorado. Autor de várias obras na área de Bioética, dentre outras: "Problemas Atuais de Bioética" (10ª ed.) e "Ibero-American Bioethics, history and perspectives", (Org.) Germany, Springer Publisher, 2010. Co-organizador da obra ?Bioética, cuidado e humanização (Ed. Loyola, S. Paulo, 2014). 3 Volumes: Vol. I ? Bioética, das origens à contemporaneidade (Parte I); Vol. II ? Sobre o cuidado respeitoso (Parte II); Vol. III ? Humanização dos cuidados de saúde e tributos de gratidão (Parte III). Membro do Conselho Editorial da Revista Bioética Conselho Federal de Medicina desde 2003. Membro da Câmara Técnica sobre Terminalidade da Vida e cuidados paliativos do Conselho Federal de Medicina; foi membro da Comissão Nacional de Revisão do Código de Ética Médica ? CFM. Tem experiência na área de Ética/Bioética, com ênfase em Teologia Moral e Bioética, atuando principalmente nos seguintes temas: bioética, eutanásia, distanásia, saúde e ética. Foi Presidente (2010 ? 2014) das Entidades Camilianas Brasileiras, que compreende uma rede de 56 hospitais espalhados pelo Brasil (5.200 leitos e 21 mil colaboradores) e mais dois Centros Universitários (Centro Universitário São Camilo?São Paulo e Centro Universitário São Camilo- Cachoeiro do Itapemirim-ES) especializados em Saúde (15 mil estudantes e 2 mil colaboradores). Presidente da Sociedade Brasileira de Teologia Moral (2010 ? 2016). Atualmente é o Líder Mundial (Superior Geral) dos Religiosos Camilianos - Organização Religiosa da Igreja Católica, que está presente nos cinco Continentes do planeta, em quarenta países. Sede Central: Piazza della Madallena, 53 - Roma - Itália - C.E.P: 00186. É Moderador do CAMILLIANUM - Instituto Internacional de Teologia (Roma), afiliado a Pontifícia Universidade Lateranense, Roma, Itália.
Ana Cristina de Sá, USP.
Ana Cristina de Sá possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade de São Paulo (1981), graduação em Psicologia pela Universidade Paulistana (1995), graduação em Pedagogia pela Faculdade Campos Salles (1989), Mestrado em Enfermagem Fundamental pela Universidade de São Paulo (1995) e Doutorado em Enfermagem pela Universidade de São Paulo (2001). Atualmente é professor assistente nível IV (prof. doutor) do Centro Universitário São Camilo - Campi Pompeia e Ipiranga, onde desenvolve atividades acadêmicas na Graduação em Enfermagem, Medicina e cursos da área da Saúde em geral; docente dos cursos de Pós Graduação Lato Senso e dos Programas Stricto Senso de Mestrado Profissional em Enfermagem e de Mestrado, Doutorado e Pós Doutorado em Bioética. Mais de 30 anos de experiência atuando nos campos prático e acadêmico/ensino com ênfase em nos seguintes temas: enfermagem, aspectos emocionais do trabalhador da área da Saúde, Terapias Complementares em enfermagem (especialmente em Toque Terapêutico pelo Método Krieger-Kunz, com formação nos EUA e Canadá), morte e morrer (bioética e fim de vida), espiritualidade, cuidados paliativos, avaliação clínica em enfermagem, Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE;Processo de Enfermagem; Teorias de Enfermagem) e humanização na área da Saúde. Líder do GEPHUS (Grupo de Estudo e Pesquisa em Humanização em Saúde - CNPq); Psicóloga Clínica de linha Junguiana. É autora de livros e artigos na área da Saúde, dentre os quais, o best seller "O Cuidado do Emocional em Saúde" em sua 3a edição (Editora Atheneu). Avaliadora de Cursos pelo MEC/INEP.

Referências

- Brêtas JRS, Oliveira JR, Yamaguti L.

Reflexões de estudantes de enfermagem sobre

morte e o morrer. Rev Esc Enferm USP.

; 40(4):477-83.

- Silva KS, Kruse MHL. As sementes dos

cuidados paliativos: ordem do discurso de

enfermeiras. Rev Gaúcha de Enferm. 2009;

(2):183-9.

- Pessini L, Bertachini L. Novas perspectivas

em cuidados paliativos: ética, gerontologia,

comunicação e espiritualidade. O Mundo da

Saúde. 2005; 29(4):491-509.

- Santos JL, Bueno SMV. Educação para a

morte a docentes e discentes de enfermagem:

revisão documentada da literatura científica.

Rev Esc de Enfermagem USP. 2011;

(1):272-6.

- Reiriz AB et al. Cuidados paliativos: a

terceira via entre eutanásia e distanásia:

ortotanásia. Revista Bras Ter Intensiva. 2006;

:77-82.

- Minayo MCS. O desafio do conhecimento:

pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São

Paulo: Hucitec; 2006.

- Stake RE. Case studies. In: Denzin NK,

Lincon YS. (Ed.). Handbook of qualitative

research. London: Sage; 2000;435-54.

- Brasil. Ministério da Saúde. Resolução n.

, de 12 de dezembro de 2012. Aprova

diretrizes e normas regulamentadoras de

pesquisas envolvendo seres humanos. Diário

Oficial da União. Brasília [Constituição

online]. 13 jun 2013. Disponível em:

http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/

Reso466.pdf.

- Pessini L. Algumas questões éticas urgentes

em situações críticas e de final de vida. In: Bertachini L, Pessini L, organizadoras.

Encanto e responsabilidade no cuidado da

vida: lidando com desafios éticos em

situações críticas e de final de vida. São

Paulo: Paulinas: Centro Universitário São

Camilo; 2011. Cap. 3, p. 223-40.

- Brasil. Conselho Federal de Medicina.

Resolução n. 1.995, de 9 de agosto de 2012.

Dispõe sobre as diretivas antecipadas de

vontade dos pacientes. Diário Oficial da

União. [Resolução online]; 31 ago

a;Seção 1:269-70. Disponível em:

www.portalmedico.org.br/

resolucoes/CFM/2012/1995_2012.pdf.

- Brasil. Conselho Federal de Medicina.

Resolução CFM n. 1.805/ 2006. Código

Federal de Medicina. Brasília [Resolução

online]; 2006. Disponível em:

http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/C

FM/2006/1805_2006.htm.

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de

Atenção à Saúde. Departamento de Atenção

Básica. Cadernos de Atenção Domiciliar.

Brasília: Ministério da Saúde; 2012b.

- Grinberg M, Chehaibar GZ. Testamento

Vital Arq Bras Cardiol. 2012;99(6):1166.

- Alves R. Navegando. Campinas: Papirus;

- Bussinguer ECA, Barcellos IA. O direito de

viver a própria morte e sua

constitucionalidade. Cien Saude Colet.

;18(9):2691-8.

- Kappaun NRC, Gomez CM. O trabalho de

cuidar de pacientes terminais com câncer.

Cien Saude Colet. 2013;18(9):2549-57.

- Junges JR et al. Reflexões legais e eticas

sobre o final da vida: uma discussão sobre a

ortotanásia. Rev Bioét. 2010;18(2):275-88.

- Hermes HR, Lamarca ICA. Cuidados

paliativos: uma abordagem a partir das

categorias profissionais de saúde. Cien Saude

Colet. 2013;18(9):2577-88.

- Jardim DMB et al. O cuidar de pacientes

terminais: experiência de acadêmicos de

enfermagem durante o estágio curricular. Rev

Baiana de Saúde Pública. 2010;34(4):796-

- Lima MGR et al. Revisão integrativa: um

retrato da morte e suas implicações

acadêmicas. Rev Gaúcha Enferm.

;33(3):190-7.

- Kóvacs MJ. Autonomia e o direito de

morrer com dignidade. Rev Bioét .

;6(1):1-8.

- Souza LB, Souza LEEM, Souza AMA. A

ética no cuidado durante o processo de

morrer: relato de experiência. Rev Bras

Enferm. 2005;58(6):731-4.

- Sales CA, Alencastre MB. Cuidados

paliativos: uma perspectiva de assistência

integral à pessoa com neoplasia. Rev Bras

Enferm 2003;56(5):566-569.

- Kóvacs MJ. Desenvolvimento da

tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer.

Paidéia. 2008;18(41):457-68.

- Boff L. Mística e espiritualidade. Rio de

Janeiro: Rocco; 1994.

- Pessini L. Bioética, espiritualidade e a arte

de cuidar em saúde. O Mundo da Saúde.

;34(4):457-65.

- Moraes TM. Como cuidar de um doente em

fase avançada de doença. O Mundo da Saúde.

;33(2):231-8.

- Soares M. Cuidando da família de pacientes

em situação de terminalidade internados na

unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter

Intensiva. 2007;19(4):481-4.

- Sinclair S. Impact of death and dying on the

personal lives and practices of palliative and

hospice care professionals. Research CMAJ.

Canadá, 2011;183(2):180-7.

- Elias ACA et al. Programa de treinamento

sobre a intervenção terapêutica “relaxamento, imagens mentais e espiritualidade” (RIME)

para re-significar a dor espiritual de pacientes

terminais. Rev Psiquiatria Clínica. 2007;34

(supl.1):60-72.

- Pires LCB, et al. Relação entre equipe de

enfermagem e família de pessoas em cuidados

paliativos. Enfermagem em Foco.

;4(1):54-7.

-Peres MFP et al. A importância da

integração da espiritualidade e da

religiosidade no manejo da dor e dos cuidados

paliativos. Rev Psiquiatria Clínica.

;34(supl.1):82-7.

- Floriani CA, Schramm FR. Desafios morais

e operacionais da inclusão dos cuidados

paliativos na rede de atenção básica. Cad

Saúde Pública. 2007;23(9):2072-80.

- Valente SH, Teixeira MB. Estudo

fenomenológico sobre a visita domiciliária do

enfermeiro à família no processo de

terminalidade. Rev Esc Enferm USP.

;43(3):655-61.

- Kubler-Ross E. Sobre a morte e o morrer: o

que os doentes terminais tem para ensinar a

médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. Tradução de Paulo

Menezes. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes;

295 p

- Silva CF, et al. Concepções da equipe

multiprofissional sobre a implementação de

cuidados paliativos na unidade de terapia

intensiva. Ciênc Saúde Colet.

;18(9):2597-604.

- Andrade CG, Costa SFG, Lopes MEL.

Cuidados paliativos: a comunicação como

estratégia de cuidado para o paciente em fase

terminal. Ciênc Saúde Coletiva.

;18(9):2523-30.

- Queiroz AHAB, et al. Percepção de

familiares e profissionais da saúde sobre

cuidados no final da vida no âmbito da

atenção primária à saúde. Cien Saúde Colet.

;18(9):2615-23.

Publicado
13-04-2015
Seção
ARTIGOS/ARTICLES