O manejo clínico da dor em pediatria: considerações sob a ótica do cuidado em enfermagem

  • Keite Helen dos Santos Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
  • Eulália Maria Aparecida Escobar Universidade Federal de São Paulo ( UNIFESP).
Palavras-chave: Manejo da dor, Enfermagem pediátrica, Humanização da assistência.

Resumo

O controle e o alívio da dor na assistência a criança tem sido objetos de preocupação da enfermagem na busca deintervenções que possam prevenir ou minimizar problemas de ordem físico-emocional relacionados aotratamento, à evolução da doença e à assistência prestada pela equipe de saúde. Trata-se de uma pesquisadescritiva e exploratória, de natureza bibliográfica, integrativa, cujo objetivo é analisar as produções científicasque descrevem o manejo da dor em pediatria. O mapeamento dos estudos originou a categorização cujos focosdo corpus do trabalho foram: o manejo clínico da dor em crianças e adolescentes, manejo da dor em recémnascidos,analgesia farmacológica, manejo interdisciplinar da dor e observação dos familiares acerca do manejoda dor. Tal caracterização permite a inferência de que o manejo da dor em pediatria é uma ação desafiadora,visto a concepção de que trata-se do controle de algo subjetivo e individual, cuja especificidade está estritamenterelacionada as vivências de cada ser. Frente esta análise é possível elencar estratégias capazes de qualificar ehumanizar o cuidado de enfermagem, considerando a dor como condição de intervenção do enfermeiro,profissional capaz de influenciar e comprometer a equipe multidisciplinar na identificação e tratamento dassensações dolorosas em pediatria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Keite Helen dos Santos, Pontifícia Universidade Católica de Campinas.
Graduei-me em Enfermagem pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2014), instituição em que fui bolsista do Programa de Educação Tutorial - PET Enfermagem durante os anos da graduação. Atualmente sou Enfermeira Residente em Saúde da Criança e Adolescente do Programa de Residência Multiprofissional da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Sou terapeuta Reiki e atuo, principalmente, nos seguintes temas: saúde da criança, enfermagem, tecnologia, educação em saúde, ensino e terapias complementares em saúde.
Eulália Maria Aparecida Escobar, Universidade Federal de São Paulo ( UNIFESP).
Doutorado em Enfermagem (2001),mestrado em Enfermagem Pediátrica e Pediatria Social (1994) e especialização em Enfermagem Pediátrica e Pediatria Social (1989) pela Universidade Federal de São Paulo ( UNIFESP) . Atualmente é docente com plano de trabalho de Extensão em jornada de 40 horas da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tem experiência em Enfermagem na Saúde da Criança e do Adolescente, tendo desenvolvido atividades de extensão universitária neste tema por seis anos e atualmente e desenvolvendo projeto de extensão em entidades assistenciais de Campinas com realização de oficinas visando o envelhecimento ativo.

Referências

- Schechter NL. Dores recidivantes na

criança: supervisão e abordagem. In:

Clínicas Pediátricas da América do Norte.

Rio de Janeiro: Interamericana; 1984, 995-

- Collao C, Behn V. El dolor en el niño

desde una perspectiva ética. Rev Cub Enf

Educ Med Superior Havana.

;19(2):170-5.

- Oliveira RA. Cuidado Paliativo. São Paulo:

Conselho Regional de Medicina do Estado

de São Paulo; 2008.

- Guyton AC, Hall JE.Tratado de Fisiologia

Médica. 9. ed. Rio de Janeiro: Ed.

Guanabara Koogan; 1998.

- Krief LB. Dor conceitos gerais. São Paulo:

LimayLtda; 1994.

- Bassetto MCA, Brock R, Wajnztejn R.

Neonatologia. Um convite à atualização

Fonoaudiológica. São Paulo: Lovise; 1998.

- Organização Mundial de Saúde (OMS). O

alívio da dor do câncer. 2 ed. Brasília:

Ministério da Saúde, Instituto Nacional do

Câncer; 1997.

- Margotto RP, Rodrigues N D. Dor neonatal

analgesia/sedação. São Paulo. [publicação

online]. 2004 [acesso em abr. 2010].

Disponível em http//www.paulomargoto.

com.br.

- Magdaleno SRM. Dor no recém-nascido.

In: Miura E, Proanoy RS. Neonatologia:

princípios e práticas. 2. ed. Porto Alegre:

Artes Médicas; 1997. 221-31

-Anand KJS, Hickley PR. Pain and its

effects in the human neonate and fetus.

The New Eng Journ of Med

;317:1321-9.

- Hester NO. Avaliação da dor aguda. Clin

Pediatr. 1995;3:557-72.

- Kanner Ronald. Segredos da clínica da

dor: respostas necessárias ao dia-a-dia em

rounds, na clínica, em exames orais e

escritos. 2. ed. Porto Alegre: Artmed;

- Selbst SM. Pain managment in the

emergency department. Schechter NL,

Berde CB, Yaster M. Editores. Pain in

infants, children, and adolescents.

Baltimore: Williams e Wilkins; 1996. p.

-36.

- Johnston CC, Strada ME. Acute pain

response in infants: a multidimensional

description. Pain. 1986;24:373-82.

- Mcgrath PJ, Unruh AM. Pain in children

and adolescents. Beyer JE, Wells N. The

ass of pain in child. Amsterdam: Elsevier,

P. 171-87.

- Brasil. Conselho Nacional dos Direitos da

Criança e do Adolescente (CONANDA).

Resolução nº 41, de 13 de outubro de 1995.

Dispõe sobre os direitos da criança

hospitalizada. Diário Oficial da República

Federativa do Brasil: Seção I, 16319-20,

out 1995.

- Smeltzer SC, Bare BG. Controle da dor.

Tratado de enfermagem médico cirúrgica.

ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan;

Collet N, Oliveira BRG. Manual de

Enfermagem em Pediatria. Goiânia: AB

Editora; 2002.

- Gaspary LV, Rocha I. Intervenções não

farmacológicas para o alívio da dor em

recém-nascidos prematuros (RNPT). Rev

Nurs. 2004; 79(7):47-50.

- Rocha FO, Cruz ICF. Revisão da

literatura sobre dor neonatal. Online Braz J

Nurs. [periódico online]. 2004 [acesso em

abr 2013]; 3(1). Disponível em

www.uff.br/nepae/objn301 rocha.htm

- Beyea SC, NICOLL ELH. Writing an

integrative review. Aorn J 1998;67(4):877-

- Barbosa APL. Metodologia da pesquisa

científica. Fortaleza: UECE; 2001.

- Godoy MTH, Munari DB. Análise da

produção científica sobre a utilização de

atividades grupais no trabalho do

enfermeiro no Brasil: 1980 a 2003. Rev

Lat Am Enf. 2006;14(5):786-802.

- Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos

de metodologia Científica. 6 ed. São Paulo:

Atlas; 2000.

- Lasmar LML, Belizario F, Camargos

PAM, Goulart EMA, Sakurai E. Fatores de

risco para readmissão hospitalar de

crianças e adolescentes asmáticos. J Bras

Pneumol [periódico online]. 2000 Oct [acesso em 08 abr 2013]; 32(5): 391-9.

Disponível em http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S1806-

&lng=en

- Costa TF, Ceolim MF. A enfermagem nos

cuidados paliativos à criança e adolescente

com câncer: revisão integrativa da

literatura. Rev Gaúcha Enferm [periódico

online]. 2010 dez [acesso em 17 jun 2013];

(4):776-84. Disponível em

http://www.scielo.br/scielo.

php?script=sci_arttext&pid=S1983144720

&lng=en&nrm=iso

- Menossi MJ. A complexidade da dor da

criança e do adolescente com câncer

hospitalizados e as múltiplas dimensões do

seu cuidar. [Dissertação de Mestrado

online]. São Paulo: Escola de Enfermagem

de Ribeirão Preto, 2004. [acesso em 15 jun

. Disponível em:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/2

/22133/tde-16082004-143543/

- Hechler T, Kosfelder J, Denecke H, Dobe

M, Hubner B, Martin A, et. al. Pain-related

coping strategies in children and

adolescents with chronic pain. Validation

of a German version of the Paediatric Pain

Coping Inventory (PPCI revised). Pain

Management. 2008 ago 22(4):442-57.

- Bhatia A, Brennan L, Abrahams M,

Gilder F. Chronic pain in children in the

UK: a survey of pain clinicians and general

practitioners. Paed Anaesth. 2008;18(10):

-66.

- Huth MM, Gregg TL, Lin L. Education

changes Mexican nurses' knowledge and

attitudes regarding pediatric pain. Pain

Manag Nurs. 2010;11(4):201-8.

- Mertens R. Pain therapy in pediatric

oncology: pain experience, drugs and

pharmacokinetics. Anast Intensivmed

Notfallmed Schmerzther. 2011;46(11-12):

-42.

- Czarnecki ML, Simon K, Thompson JJ,

Armus CL, Hanson TC, Berg KA, Petrie

JL, Xiang Q, Malin S. Barriers to pediatric

pain management: a nursing perspective.

Pain Manag Nurs, 2011;12(3):154-62.

- Gaiva MAM; Dias NS. Dor no recémnascido:

percepção de profissionais de

saúde de um hospital universitário. Rev

Paul Enfermagem. 2002;21:234-9.

- Machado MGP, Barbosa RFB, Silva YP.

A dor em neonatologia. In: Silva YP, Silva

JF. Dor em Pediatria. Rio de Janeiro:

Guanabara Koogan; 2006. p.105-15.

- Scochi CGS, Carletti M, Nunes R,

Furtado MCC, Leite AM. A dor na unidade

neonatal sob a perspectiva dos

profissionais de enfermagem de um

hospital de Ribeirão Preto-SP. Rev Bras

Enferm [periódico online]. [acesso em 13

maio 2013]; 59(2): 188-94. Disponível em:

ttp://www.scielo.br/scielo.php?script

=sci_arttext&pid=S0034716720060002000

&lng=en&nrm=iso

- Christoffel MM, Silva LR. Percepções

das enfermeiras frente à dor dos recémnascidos

hospitalizados na UTI neonatal.

Esc Anna Nery Rev Enferm. 2002;

(1):53-63.

- Veronez M, Corrêa, DAM. A dor e o

recém-nascido de risco: percepção dos

profissionais de enfermagem. Cogitare

Enferm. 2010;15(2):263-70.

- Neves FAM, Corrêa DAM. Dor em

recém-nascidos: a percepção da equipe de

saúde Ciênc Cuid Saúde. 2008;7(4):461-7.

- Prestes AC. Epidemiologia da dor aguda

em unidades de terapia intensiva Neonatal

universitárias: freqüência da realização de

procedimentos dolorosos e do emprego de

analgésicos por via sistêmica. São Paulo:

Universidade Federal de São Paulo; 2004.

- Bartolomé SM, Cid JLH, Freddi N.

Sedação e analgesia em crianças: uma

abordagem prática para as situações mais

freqüentes. J Pediatr 2007;

(2Suppl):S71-82.

- Sills MR, Fairclough DL, Ranade D,

Mitchell MS, Kahn MG. Emergency

department crowding is associated with

decreased quality of analgesia delivery for

children with pain related to acute,

isolated, long-bone fractures. Acad Emerg

Med. 2011;18(12):1330-8.

- Menossi MJ, Lima RAG, Correa AK. A

dor e o desafio da interdisciplinaridade no

cuidado à criança. Rev Latino-Am

Enfermgem. [periódico online]. 2008.

[acesso em 12 jul 2013]; 16(3). Disponível

em http://www.scielo.br/scielo.php? Script

=sci_arttext&pid=S0104116920080003000

&lng=pt&nrm=iso

- Pimenta CAM. Dor oncológica: bases

para a avaliação e tratamento. Mundo

Saúde, 2003;98-110.

- Davies RB. Pain in children with Down

syndrome: assessment and intervention by

parents. Pain Manag Nurs.

;11(4):259-67.

- Silva LDG, Tacla MTGM, Rossetto EG.

Manejo da dor pós-operatória na visão dos pais da criança hospitalizada. Esc Anna

Nery. [periódico online]. 2010 [acesso em

maio 2013];14(3). Disponível em:

http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci

_arttext&pid=S1414-

&lng=en&nrm=iso

- Meert KL,Thurston CS, Sarnaik AP. End

of life decision-making and satisfaction

with care: Parental perspectives. Pediatr

Crit Care Med. 2000;1:179-85.

- Wong DL. Cuidado de enfermagem

centrado na família à criança doente ou

hospitalizada. In: Whaley LF, Wong DL.

Enfermagem pediátrica: elementos

essências a intervenção. 5. ed. Rio de

Janeiro: Guanabara Koogan;1999. P.95-

- Pimenta C, Portnoi AG. Dor e cultura. In:

Carvalho MMMJ. Dor: um estudo

multidisciplinar. São Paulo: Summus

Editorial; 1999. p.159-73.

Publicado
13-04-2015
Seção
ARTIGOS/ARTICLES