Crescimento econômico Brasil - China: uma análise da validade da hipótese Export –led-growth no período de 1960 a 2018

  • Aline Araújo da Silva UFPE/PPGECON/Estudante de Mestrado em Economia
  • Monaliza de Oliveira Ferreira Universidade Federal de Pernambuco/Docente/Pesquisadora
  • João Ricardo Ferreira de Lima EMBRAPA SEMIÁRIDO/Pesquisador
Palavras-chave: crescimento econômico; comércio externo; concorrência Brasil-China.

Resumo

Com o fortalecimento das economias emergentes, fatores como maior liquidez e crescimento das commodities no mercado internacional, tornaram o cenário externo mais favorável. Além disso, serviram de gatilho para que países em desenvolvimento, como Brasil e China, pudessem intensificar suas relações comerciais. O objetivo deste trabalho é verificar, para o período de 1960 a 2018, se a hipótese Export led Growth é válida para o Brasil e para a China. O método assume que o pib pode ser expresso em função do capital físico, capital humano, exportações e importações de bens e serviços. Os resultados deste trabalho mostram relação de causalidade unidirecional entre as importações e o pib para a China e o Brasil, ou seja, as evidências empíricas indicaram que são as importações que causam o pib e não as exportações, refutando a validade da hipótese de que as exportações têm contribuído de forma efetiva para o crescimento econômico nesses países. também causa pib em ambos os países investigados foi a formação bruta de capital. Dessa forma, os resultados encontrados conduzem a conclusão de que a relação entre o comércio internacional e o crescimento econômico têm impacto positivo para economia, mas sugerem que outras variáveis contribuem para o aumento do produto interno bruto nesses países.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Araújo da Silva, UFPE/PPGECON/Estudante de Mestrado em Economia

Mestre em Economia pelo Programa de Pós-Graduação em Economia – PPGECON da Universidade Federal de Pernambuco. Campus Acadêmico do Agreste, Toritama-Pernambuco-Brasil. E-mail: alinearaujo8@hotmail.com. Orcid https://orcid.org/0000-0002-0743-259X.

Monaliza de Oliveira Ferreira, Universidade Federal de Pernambuco/Docente/Pesquisadora

Doutora em Economia/UFPE. Professora e Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Economia – PPGECON da Universidade Federal de Pernambuco. Campus Acadêmico do Agreste. Caruaru-Pernambuco-Brasil. E-mail: monaliza.ferreira@ufpe.br. Orcid https://orcid.org/0000-0003-2748-8096.

João Ricardo Ferreira de Lima, EMBRAPA SEMIÁRIDO/Pesquisador

Doutor em Economia Aplicada/UFV. Pesquisador da EMBRAPA Semiárido, Petrolina-Pernambuco-Brasil. E-mail: joao.ricardo@embrapa.br. Orcid https://orcid.org/0000-0001-6045-9794.

Referências

ALI, G.; LI, Z. (2018). Exports-led growth or growth-led exports in the case of China and Pakistan: An empirical investigation from the ARDL and Granger causality approach. International Trade Journal, 32(3), p. 293–314.

ARAÚJO, R. A.; TEIXEIRA, J. R.; SOARES, C. (2015). Export-led growth vs growth-led exports: what matters for the Brazilian growth experience after trade liberalization? Review of Keynesian Economics.

AWOKUSE, T. O. (2003). Is the export-led growth hypothesis valid for Canada? Canadian Journal of Economics, vol. 36, n.1, p.126-136.

BALASSA, B. (1978). Exports and economic growth: further evidence. Journal of Development Economics 5(2), p. 181–189

BRASIL/MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS (BRASIL/MDIC). Disponível em: www.mdic.gov.br. Último acesso em 13/01/2020.

BALDWIN, R. (2013). Trade and industrialization after globalization's second unbundling: How building and joining a supply chain are different and why it matters. Chicago, IL: University of Chicago Press. p. 165–212.

BUENO, R. L.S (2008). Econometria de séries temporais. Cengage Learning. 2º Edição, 330p.

BROOKS, C. (2014). Introductory Econometrics for Finance. Cambridge: Cambridge University Press.
CAMPOS, F. M (2009) Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2). In: VII Encontro nacional da Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, SÃO PAULO. VII ENABER.

CATERMOL, F. (2010). O BNDES e o apoio as exportações. O BNDES em um Brasil em transição / Ana Cláudia Além, Fabio Giambiagi. – Rio de Janeiro: BNDES, 2010. 460 p.

CHOW, P. C. Y. (1987). Causality between export growth and industrial development: empirical evidence for the NICs. Journal of Development Economics, vol. 26, p. 55-63.

DUTT, S. D.; GHOSH, D. (1994). An empirical investigation of the export growth-economic growth relationship. Applied Economics Letters, vol. 1, n. 3, p. 44-48.

Ee C.Y. (2016) Export-led Growth Hypothesis: Empirical Evidence from Selected Sub-saharan African Countries. Procedia Economics and Finance, vol. 35, p. 232-240

ENDERS, W. (2014). Applied econometric time series. University of Alabama - Fourth Edition, New York: Wiley.

FEDER, G. (1982). On exports and economic growth. Journal of Development Economics, New York, vol.12, n 1-2, p.59-73.

FOCHEZATTO, A.; KOSHIYAMA, D.; ALENCASTRO, D (2010). Testando relações de causalidade entre comércio externo e crescimento econômico em países da América Latina: evidências de dados em painel e séries temporais. Revista EconomiA, vol. 11, n.3, p. 597-629.

HENRIQUES, I.; SADORSKY, P. (1996). Export-led growth or growth-driven exports? The Canadian case. Canadian journal of Economics, p. 540-555.

HERRERIAS, M. J e ORTS, V. (2010). Is the Export-led Growth Hypothesis Enough to Account for China’s Growth? China & World Economy, Vol. 18, n. 4, p. 34-51.

JOHANSEN, S. (1988). Statistical analysis of cointegrating vectors. Journal of Economic Dynamics and Control, 12(2), p. 231–254.

JORDAAN, A. C.; EITA, J. H. (2007). Export and Economic Growth in Namibia: A Granger Causality Analysis, South African Journal of Economics, Vol 75:3.

JUNG W.S.; MARSHALL P.J. (1985) Exports, growth and causality in developing countries. Journal of Development Economics 18(1), p.1–12.

KALAITZI, A.S., CLEEVE, E. Export-led growth in the UAE: multivariate causality between primary exports, manufactured exports and economic growth. Eurasian Bus Rev 8, 341–365 (2018).
KWAN, A. C. C.; KWOK, B. (1995). Exogeneity and the export-led growth hypothesis: The case of China. Southern Economic Journal, 61(4), p.1158–1166.

MARIN, D. (1992). Is the Export-Led Growth Hypothesis Valid for Industrialized Countries?. The Review of Economics and Statistics, vol. 74, n. 4, p. 678-688.

PHILLIPS, P. C. B., & PERRON, P. (1988). Testing for a unit root in time series regression. Biometrica, 75(2), p. 335–346.

REZA, et al. (2018): Trade (exports) as an opportunity for Bangladesh: A VECM analysis. The International Trade Journal. Vol. 33, p. 1-17.

TANG, C. F.; LAI, Y.W (2011). The stability of export-led-growth hypothesis: evidence from Ásia’s four little dragons. MPRA paper n.27962.

THORNTON, J. (1996). Cointegration, causality and export-led growth in Mexico, 1895-1992. Economics Letters, vol. 50, p. 413-416.

UNITED NATIONS. UN COMTRADE. Disponível em: www.comtrade.un.org/, último acesso em 20/01/2020.

VERÍSSIMO, M. P. (2016) Perfil exportador e Crescimento Econômico dos estados da região sudeste brasileira. Revista de Economia do Nordeste, v. 47, n. 1, p. 65–80.

XU, Z. (1996). On the Causality between Export Growth and GDP Growth: An Empirical Reinvestigation. Review of International Economics, vol. 2, n. 4, p. 172-184.

WORLD BANK DATA (2020). World Development Indicators. Washington, DC: Disponível em:http://datatopics.worldbank.org/world-development-indicators/. Último acesso em: 10/02/2020.
Publicado
30-11-2021
Como Citar
Silva, A. A. da, Ferreira, M. de O., & Lima, J. R. F. de. (2021). Crescimento econômico Brasil - China: uma análise da validade da hipótese Export –led-growth no período de 1960 a 2018. Estudos Internacionais: Revista De relações Internacionais Da PUC Minas, 9(3), 53-74. https://doi.org/10.5752/P.2317-773X.2021v9n3p53-74