Por uma agricultura contra-hegemônica: a função social das escolas no território camponês de Restinga Seca, RS

  • Altair Groff
  • Angelita Zimmermann
  • Ane Carine Meurer
Palavras-chave: Restinga Seca/RS, agricultura, educação do campo, desterritorialização de escolas do campo

Resumo

A produção agroecológica, o respeito à biodiversidade e o valor social da terra como bem comum a toda a humanidade, passam por uma educação contra-hegemônica. As políticas do modelo agrícola globalizado incidem nos lugares e territórios de vida camponesa e têm desterritorializado inúmeras escolas do campo e seus sujeitos no Brasil. O objetivo deste texto é socializar um estudo sobre a relação entre o agronegócio e a desterritorialização de escolas do campo no município de Restinga Seca, Rio Grande do Sul. Em uma abordagem qualitativa, a análise utilizou-se de uma pesquisa de campo, fundamentando-se em teóricos que fazem uma crítica ao agronegócio e, por consequência, aos problemas socioeconômicos e culturais vivenciados pelo campesinato. A territorialização das escolas do campo e sua função social são essenciais à emancipação dos sujeitos por meio da educação para uma agricultura contra-hegemônica, viável e sustentável. Defendemos o reconhecimento e a ampliação do território epistemológico camponês como forma de resistência e emancipação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
29-07-2020