O Jesus Ariano. O imaginário e as concepções historiográficas do Jesus Histórico na Alemanha Nazista.

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

André Leonardo Chevitarese
Daniel Brasil Justi

Resumo

Este trabalho pretende discutir que os teólogos alemães, comprometidos com a ideologia nazista, inclusive através do juramento de lealdade que fizeram ao Führer, não optaram pelo “silêncio virtual” nem demonstraram “um interesse limitado” pelo Jesus histórico. Muito pelo contrário, eles não apenas potencializaram o “retrato” de Jesus como sendo um ariano, como também o popularizaram, por meio de seus escritos, de suas homilias e de suas experiências cotidianas. Deve-se ter atenção aqui: a consolidação desse novo retrato é anterior ao advento de Hitler, como se pode ler em um vasto conjunto de obras, tais como, por exemplo, as de Ernst Renan, Theodor Keim e Houston Stewart Chamberlain. No entanto, é com a ascenção de Hitler ao poder que a leitura do Jesus ariano ganhou uma dimensão até então não imaginada, já que ela culmina na efetiva colaboração de um expressivo número de teólogos cristãos com a política assassina do Estado nazista, culminando no holocausto judaico.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
CHEVITARESE, A. L.; JUSTI, D. B. O Jesus Ariano. O imaginário e as concepções historiográficas do Jesus Histórico na Alemanha Nazista. HORIZONTE - Revista de Estudos de Teologia e Ciências da Religião, v. 15, n. 45, p. 188-205, 31 mar. 2017.
Seção
Artigos/Articles: Dossiê/Dossier
Biografia do Autor

André Leonardo Chevitarese, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Professor Associado do Instituto de História da UFRJ. Graduado em História pela UFRJ. O seu Mestrado (em História Social) também se deu na mesma universidade, enquanto que o seu Doutorado (em Antropologia Social) foi feito na USP. É Professor Associado do Instituto de História da UFRJ, atuando no Programa de Pós-Graduação em História Comparada. Tem se voltado para o estudo das experiências religiosas, em particular, na área de Cristianismo.

Daniel Brasil Justi, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Possui graduação em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010), graduação em Teologia pela Faculdade Batista de Teologia (2005), especialização em Novo Testamento pela Faculdade Batista de Teologia, mestrado em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2011) e doutorado em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2015). Pós-doutor em Arqueologia pelo Museu Nacional/UFRJ. Atualmente é pesquisador associado da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, pós-doutorado em História pelo Programa de Pós-Graduação em História Comparada do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Antiga e Medieval, teoria e epistemologia da história.