A CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE COMO INSTRUMENTO DE INTERPRETAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIANA APAE DE BAURU

  • Darcisio Hortelan Antonio Universidade Paulista - UNIP - Bauru
  • Juliana Rodrigues Sigolo Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Coletiva, Coordenador do Serviço de Reabilitação da APAE – Bauru
Palavras-chave: Avaliação. Deficiência. Classificação Internacional de Funcionalidade.

Resumo

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, 10% da população brasileira apresenta algum tipo de deficiência ou seja, mais de 20 milhões de brasileiros. Essas deficiências estão distribuídas entre deficiência intelectual 5%; física 2%; auditiva 1,5%; visual 0,5% e múltipla 1%. Na APAE de Bauru, todos os usuários encaminhados aos serviços de saúde passam necessariamente por avaliação da equipe multidisciplinar. Os usuários encaminhados ao serviço de reabilitação intelectual são avaliados, para determinar a presença ou não da deficiência. A escala Vineland é mundialmente utilizada para avaliar o comportamento adaptativo das pessoas, o que, associado com testes de inteligência, serve como critério para determinar o diagnóstico de deficiência intelectual. Esta pesquisa teve por objetivo descrever os resultados encontrados pela aplicação da escala Vineland, no comportamento adaptativo de 44 usuários encaminhados com suspeita de deficiência intelectual, entre os meses de março de 2015a junho de 2016, avaliando o domínio comunicacional, o domínio das atividades de vida cotidiana e o domínio de socialização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Darcisio Hortelan Antonio, Universidade Paulista - UNIP - Bauru
Graduado em Fisioterapia pela Universidade Paulista UNIP (2001), Especialista em Educação a Distância pela Universidade Paulista - UNIP (2012), e Mestre em Saúde Coletiva pela Faculdade de Medicina de Botucatu - FMB - UNESP (2015). Atualmente é Fisioterapeuta proprietário da Clínica REFIT, professor das disciplinas de Anatomia, Neuroanatomia, Avaliação Funcional, Imagenologia, e Semiologia da Universidade Paulista - UNIP - Bauru, Coordenador de Reabilitação Física da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Bauru, e Fisioterapeuta da Prefeitura Municipal de Bauru.
Juliana Rodrigues Sigolo, Fisioterapeuta, Mestre em Saúde Coletiva, Coordenador do Serviço de Reabilitação da APAE – Bauru
Psicóloga graduada pela Universidade do Sagrado Coração, com experiência clínica em Psicologia Comportamental. Atuação em Psicologia do Excepcional na área de qualificação e encaminhamento profissional. Com extensão em avaliação psicológica. Além e atuação especifica na área social, intervindo em contextos de vulnerabilidade social para minimização de riscos. Também com formação de Licenciatura em Psicologia.
Seção
ARTIGOS/ARTICLES