Cartografia espeleológica: dos mas primitivos às experiências atuais em mapeamento de caverna

  • Carlos Frederico de Souza Lott
Palavras-chave: Cartografia. Espeleologia. Semiologia Gráfica. Topografia. Ensino

Resumo

Neste artigo faz-se uma discussão conceitual sobre a cartografia espeleológica, ou seja, a cartografia que trata da documentação das cavernas brasileiras. Tendo como tônica a deficiência conceitual encontrada na literatura espeleológica existente, bem como as carências no campo formativo do espeleólogo, pretende-se discutir o que seria de fato a cartografia espeleológica. Ressalta-se que essas questões cartográficas vêm sendo timidamente discutidas dentro dos grupos espeleológicos, em congressos e workshops, entretanto, sempre tratadas de uma maneira tecnicista e empírica, sem, contudo, se travar uma discussão epistemológica da disciplina. Para tanto, traça-se um paralelo, ainda que atemporal, entre a história da cartografia mundial - desde a cartografia dita primitiva até os novos conceitos adotados na atualidade - e a cartografia espeleológica. Espera-se que, com a discussão acerca da formação do espeleólogo e dos conceitos empregados na disciplina cartográfica, se inicie o debate que poderá contribuir para o aumento da qualidade dos documentos cartográficos e, consequentemente, da consolidação de uma disciplina até então relegada ao empirismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Frederico de Souza Lott
Graduando do curso de Geografia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
Publicado
21-10-2014
Seção
ARTIGOS DE ALUNOS/ARTICLES OF STUDENTS