Aspectos Simbólicos da Experiência de Consumo de Roupas de Deficientes Visuais

  • Rodrigo Cassimiro de Freitas PUC Minas
  • Marcelo de Rezende Pinto PUC Minas Barreiro
Palavras-chave: Experiência de Consumo. Pessoas com deficiência visual. Produtos e Serviços de Vestuário. Etnografia.

Resumo

Apesar da expressividade numérica da população de Pessoas Portadoras de Deficiência (PPD), pode-se perceber que ainda são poucos os trabalhos no campo das ciências gerenciais que se debruçaram sobre questões tangentes a esse público. Os poucos estudos estão relacionados à inserção das pessoas com deficiência no mercado de trabalho, a vida no trabalho das pessoas com deficiência ou a gestão do trabalho de pessoas com deficiência já inseridas na organização. Ao deslocar a atenção para os estudos de marketing e mais precisamente para o campo da pesquisa do consumidor, é notória a ausência de pesquisas envolvendo as PPD. É justamente nessa lacuna existente na literatura que emergem algumas indagações no que tange às experiências de consumo de roupas de deficientes visuais: Como eles descrevem suas experiências de consumo relacionadas às roupas? De que forma esses consumidores vivenciam suas experiências de consumo de roupas? Como se dá a apropriação da realidade por parte desse grupo, uma vez que não dispõem dos mesmos instrumentos sensitivos? Quais são os principais significados associados ao consumo de roupas por eles? Como essas pessoas constroem seu imaginário sobre roupas? Diante dessas inquietações surgiu o interesse de conduzir um trabalho a partir da seguinte problemática: Como os deficientes visuais vivenciam suas experiências de consumo de produtos, serviços, artefatos e imagens simbólicas relacionados ao vestuário? Para dar suporte teórico, lançou-se mão da literatura atinente às experiências de consumo e à relação entre consumo e cultura. Como opção metodológica, julgou-se adequado a condução de uma pesquisa do tipo exploratória, de natureza qualitativa descritiva. A orientação para a coleta, interpretação e análise de dados partiu dos pressupostos da grounded theory. Para a obtenção dos dados, optou-se pelo método de entrevista pessoal em profundidade com 11 portadores de deficiência visual. A fase de análise dos dados permitiu identificar categorias como experiência de compra, uso simbólico das roupas, descarte dos produtos, relações afetivas com as roupas, moda, o crédito e a poupança como formas de antecipação e prorrogação do consumo e apropriação da realidade. Como resultados gerais, podem ser destacados alguns pontos. O simbolismo não encontra obstáculos na limitação visual. Ou seja, a cultura cultivada coletivamente é transferida da mesma forma, porém com instrumentos de “coleta” da realidade um pouco diferenciados. O mundo de significantes está para os deficientes visuais como está para uma pessoa que detém todos os estímulos visuais. Ademais, os consumidores deficientes visuais pesquisados definiram as suas experiências de consumo como representantes de algo mais do que situações aparentemente comuns, ao mesmo tempo que expressaram diversos valores por meio do consumo, celebrando sua ligação com a sociedade como um todo. Ao terminar este trabalho, fica a sensação latente de que novos e mais abrangentes estudos precisam ser conduzidos para se compreender melhor o universo das PPD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Cassimiro de Freitas, PUC Minas
Sou Administrador formado pela PUC, universidade na qual realizei diversas atividades de Extensão, Monitoria e Iniciação Científica. Participei como diretor de instituições de representação estudantil como D.A e DCE. Além disso, fui integrante da Pastoral na Universidade do Campus Barreiro. Atualmente, sou servidor público estadual, lotado na Secretária de Estado de Saúde de Minas Gerais.
Marcelo de Rezende Pinto, PUC Minas Barreiro
Doutor (2009) e Mestre (2003) em Administração pelo Centro de Pesquisas e Pós-graduação em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e graduado (2000) em Administração pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Atualmente é docente e coordenador do curso de Administração da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Unidade Barreiro. Coordena o curso de especialização em Gestão de Marketing e Vendas no Instituto de Educação Continuada (IEC) da PUC Minas, onde também leciona em diversos cursos. Suas áreas de interesse em pesquisas são: pesquisa do consumidor, marketing social, marketing e responsabilidade social das empresas, indicadores sociais e metodologias qualitativas de pesquisa.

Referências

AYROSA, E. A. T.; SAUERBRONN, J. F. R. Uma introdução ao Uso de Métodos Qualitativos de Pesquisa em Comportamento do Consumidor. IN: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAN, D. M. (org). Pesquisa Qualitativa em Administração. 2ª ed. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BARROS, C. F. A. Classificação de Restaurantes a partir da Visão do Consumidor: um estudo etnográfico. In: EnANPAD, 28º. Anais… Curitiba-PR: ANPAD, 2004.

BAUDRILLARD, J. A Sociedade de Consumo. Lisboa: Edições 70, 2005.

BELK, R. Possessions and the extended self. Journal of Consumer Research, v. 15, set. 1988.

BRASIL, V. S. Experiência de Consumo: aspectos conceituais, abordagens metodológicas e agenda de pesquisa. In: EnANPAD, 31º. Anais… Rio de Janeiro: ANPAD, 2007.

BRUNER, E. W. Experience and its Expressions. IN: TURNER, V. W.; BRUNER, E. M. (eds) The Anthropology of Experience. Urbana: University of Illinois Press, 1986.

CAMPBELL, C. A Ética Romântica e o Espírito do Capitalismo Moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CARÙ, A.; COVA, B. Revisiting Consumption Experience: a more humble but complete view of the concept. Marketing Theory, V. 3, n. 2, p. 267-286, 2003.

CARVALHO-FREITAS, M. N.; SUZANO, J. C.; ALMEIDA, L. A. D. Atitudes dos Gestores no Setor de Serviços frente à Inserção de Pessoas com Deficiência como Clientes Potenciais. In: EnANPAD, 32º. Anais… Rio de Janeiro-RJ: ANPAD, 2008.

CARVALHO-FREITAS, M. N.; NEPOMUCENO, M. F.; MARQUES, A. L. Suposições Básicas sobre a Natureza do Comportamento Humano e sobre o Trabalho de Pessoas com Deficiência. In: EnANPAD, 32º. Anais… Rio de Janeiro-RJ: ANPAD, 2008.

D’ANGELO, A. Cultura e Consumo: Apanhado Teórico e Reflexões para o Ensino e a Pesquisa de Marketing e Administração. In: EnANPAD, 27º. Anais… Atibaia: ANPAD, 2003.

DOUGLAS, M.; ISHERWOOD, B. O Mundo dos Bens: Para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

FALK, P.; CAMPBELL, C. The Shopping Experience. London: Sage Publications, 1997.

FEATHERSTONE, M. Cultura de Consumo e Pós-modernidade. São Paulo: Nobel, 1995.

GEERTZ, C. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC Editora, 1989.

GILL, R. Análise de discurso. IN: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som: Um manual prático. Petrópolis-RJ: Vozes, 2002.

GOULDING, C. Grounded Theory: a practical guide for management, business and market researchers. London: Sage Publications, 2002.

HOLBROOK, M. B.; HIRSCHMAN, E. C. The Experiential Aspects of Consumption: Consumer fantasies, feelings, and fun. Journal of Consumer Research, v. 9, p. 132-140, sept. 1982.

LABURTHE-TOLRA, P.; WARNIER, J. Etnologia-Antropologia. Petrópolis: Editora Vozes, 1997.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A Construção do Saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; Belo Horizonte: EDUFMG, 1999.

MCCRACHEN, G. The Long Interview. London: Sage Publications, 1988.

MCCRACKEN, G. Cultura e Consumo: novas abordagens ao caráter simbólico dos bens e das atividades de consumo. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

NASCIMENTO, L. C.; DAMASCENO, G. J. B.; ASSIS, L. J. Mercado de Trabalho para Pessoas com Deficiência em Betim-MG. In: EnANPAD, 32º. Anais… Rio de Janeiro- RJ: ANPAD, 2008.

NOHARA, J. J.; FIAMMETTI, M.; ACEVEDO, C. R. A Vida no Trabalho: As representações sociais das pessoas com deficiências. In: EnGPR, 1º. Anais… Natal-RN: ANPAD, 2007.

PINE II, B. J.; GILMORE, J. H. Welcome to the Experience Economy. Harvard Business Review. July-Aug. 1998.

PINTO, M. R.; LARA, J. E. Desvendando as Experiências de Consumo na Perspectiva da Teoria da Cultura do Consumo: Possíveis Interlocuções e Questões Emergentes para a Pesquisa do Consumidor. In: EnANPAD, 33º. Anais… São Paulo-SP: ANPAD, 2009.

PINTO, M. R.; SANTOS, L. S. S. Em Busca de uma Trilha Interpretativista para a Pesquisa do Consumidor: Uma Proposta Baseada na Fenomenologia, na Etnografia e na Grounded Theory. RAE-Eletrônica, V.7, N.2, jul./dez. 2008.

ROCHA, E. O que é Etnocentrismo ? 6ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1989.

SCHMITT, B. H. Marketing Experimental: Sua empresa e suas marcas conquistando o sentir e o pensar o agir e o identificar-se dos clientes. São Paulo: Nobel, 2000.

SLATER, D. Cultura do Consumo e Modernidade. São Paulo: Nobel, 2002.

SCHWANDT, T. A. Três Posturas Epistemológicas para a Investigação Qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. IN: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O Planejamento da Pesquisa Qualitativa: Teorias e Abordagens. 2ª edição. Porto Alegre: Bookman, 2006.

SERRANO, C.; BRUNSTEIN, J. Relações de Trabalho, Percepção da Deficiência e o Desenvolvimento Profissional do Tetraplégico em uma Organização Pública: em busca do significado da inclusão. In: EnGPR, 1º. Anais… Natal-RN: ANPAD, 2007.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa Qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento da teoria fundamentada. 2ª edição. Porto Alegre: Artmed, 2008.

UNDERHILL, P. Vamos às compras! A ciência do consumo. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

VERGARA, S. C.; CALDAS, M. P. Paradigma Interpretacionista: A busca da superação do objetivismo funcionalista nos anos 1980 e 1990. Revista de Administração de Empresas. V. 45, n. 4, p. 66-72, out./dez. 2005.

Publicado
04-06-2012