FUNDAMENTOS NEUROCIENTÍFICOS DO MÉTODO PEDAGÓGICO DE STANISLAVSKI:

Uma Educação Integral Prática

  • Roberto Salles Teixeira
  • Ísis Tacyana Gonçalves Lima
  • Flávia Lage Pessoa Da Costa
  • Vicente Aguimar Parreiras
  • Marcelo Diniz Monteiro de Barros
Palavras-chave: : Neurociências; Controle emocional; Didática; Estética.

Resumo

O trabalho objetiva apresentar o método pedagógico de Stanislavski como proposta prática para a educação integral, através de uma revisão bibliográfica integrativa. As buscas foram realizadas nas bases de dados GOOGLE Acadêmico, SciELO e CAPES, compreendendo o período de 2012 a julho de 2022, através da análise na íntegra a partir da dialógica de discurso e dados estatísticos de periódicos científicos, literatura autoral de Stanislavski, dissertações e teses selecionados. A fundamentação teórica tem como pilares as noções da educação estética; da metodologia pedagógica de Stanislavski; da educação integral e habilidades socioemocionais, embasados neurocientificamente. A partir da descrição do tema proposto, buscou-se a melhoria das práticas para uma genuína educação integral, segundo proposta da BNCC. Dessa forma, a educação “para a vida” pressupõe a centralidade do ser humano no processo pedagógico, para uma aprendizagem baseada no paradigma da complexidade na qual o estudante seja protagonista da sua aprendizagem de forma engajada, autônoma e interativa prevista na proposta pedagógica de Stanislavski.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. Tradução de Alfredo Bosi e Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
ABED, A. L. Z. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da educação básica. Construção psicopedagógica, v. 24, n. 25, p. 8-27, 2016.
ALONSO, Sol. Perspectiva pedagógica: una vinculación posible entre los procesos actorales propuestos en el Método de las Acciones Físicas y los avances de la neurobiología actual. Argus-a Artes & Humanidades; IX (35), p. 1-11, 2020.
BARRETO, J. E. F. et al. Sistema límbico e as emoções. Revista neurociências, v. 18, n. 3, p. 386-394, 2010. https://doi.org/10.34024/rnc.2010.v18.8466
BAUÇÀ-AMENGUAL, M. La acción en el método de las acciones físicas de Constantín Stanislavski desde la perspectiva de las neurociencias. Reunir (Repositório Digital), 2015.
BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Educação Infantil e Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica. 2017.
BRIDGELAND, J.; BRUCE, M.; HARIHARAN, A. The Missing Piece: A National Teacher Survey on How Social and Emotional Learning Can Empower Children and Transform Schools. A Report for CASEL. Civic Enterprises, 2013.
BRIONES, F. et al. Las neurociencias en el proceso de enseñanza-aprendizaje para la formación de un director de escena del Instituto de Artes de la Universidad Autónoma del Estado de Hidalgo. Magotzi Boletín Científico de Artes del IA, v. 7, n. 14, p. 1-9, 2019. https://doi.org/10.29057/ia.v7i14.3993
BROWN, S.; COCKETT; YUAN, Ye. The neuroscience of Romeo and Juliet: an FMRI study of acting. Royal Society open science, v. 6, n. 3, 2019. https://doi.org/10.1098/rsos.181908
CAPUCCI, R. R.; SILVA, D. N. H. Quando vida e arte se encontram: um diálogo entre Vigotski e Stanislavski. Psicologia em Estudo, v. 22, n. 3, p. 409-420, 2017.
CAPUTI, D. R.; SILVA, V. F. Educação integral como possibilidade de enfrentamento ao bullying. Revista Educação – UNG - Ser, v. 15, n. 1, p. 164-170, 2020.
CARVALHO, C.; BUFREM, L. Arte como conhecimento/saber sensível na formação de professores. In: SCHLINDWEIN, L. M.; SIRGADO, A. Estética e pesquisa: formação de professores. Itajaí: Univali, 2006. p. 47-62.
CHADWICK, E. Theatre and cognitive neuroscience, Clelia Falletti, Gabriele Sofia and Victor Jacono (Eds.). SATJ: South African Theatre Journal, v. 29, n. Issue, p. x-xiii, 2016. https://doi.org/10.1080/10137548.2016.1218203
CONSENZA, R. M.; GUERRA B. L. Neurociência e educação: como o cérebro aprende. Porto Alegre: Artmed, 2011.
CRANSTON, J. A.; KUSANOVICH, K. A. How Shall I Act? Nurturing the Dramatic and Ethical Imagination of Educational Leaders. International Studies in Educational Administration (CCEAM), v. 42, n. 2, 2014.
DEIRDRE, M. Embodiment: Performance and Cognitive Science: Combining concepts in the mapping of experience. In: Performing Interdisciplinarity. Routledge. p. 137-153, 2017.
DIAS, N. M.; SEABRA, A. G. Funções executivas: Desenvolvimento e intervenção. Temas sobre Desenvolvimento, v. 19, n. 107, p. 206-212, 2013.
DUARTE, R. O belo autônomo: textos clássicos de estética. Belo Horizonte: Autentica, 2012.
ESPINOSA, B. de. Ética III. Os Pensadores. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979. p. 176-223.
GROTOWSKI, J. Grotowski capta a essência do impulso criativo. O Estado de São Paulo, 1996.
GUERRA, L B. O diálogo entre a neurociência e a educação: da euforia aos desafios e possibilidades. Revista Interlocução, v. 4, n. 4, 2011.
HUAMÁN, D. R. T. ¿ Cómo aprende el que aprende ? La importancia de las emociones en el aprendizaje. Revista Peruana de Psicología y Trabajo Social, v. 5, n. 1, p. 53-65, 2017.
KANDEL, Eric et al. Princípios de neurociências. 5. ed. Porto Alegre: AMGH, 2014.
KEYSERS, C.; GAZZOLA, V. H. Learning and predictive mirror neurons for actions, sensations and emotions. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, v. 369, n. 1644, 2014.
LENT, R. O Cérebro Aprendiz Neuroplasticidade e Educação. Rio de Janeiro: Atheneu, 2019.
LERRO, L. Teatro e Neurociências: perspectivas e ensaios de novas metodologias para a educação do ator. Moringa, v. 4, n. 1, p. 123, 2013.
LEWIS, R. Método ou loucura. Fortaleza: Edições UFC, 1982.
LINHARES, T. A. S. M. Stanislavski: a vivência/análise de uma metodologia consolidada. 51 f., il. Trabalho de Conclusão de Curso - Licenciatura em Artes Cênicas - Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
MAGIOLINO, L. L. S. et al. Emoções humanas e significação numa perspectiva histórico-cultural do desenvolvimento humano: um estudo teórico da obra de Vigotski. Campinas: UNICAMP, 2010.
MAIA, B. R.; DIAS, P. C. Ansiedade, depressão e estresse em estudantes universitários: o impacto da COVID-19. Estudos de Psicologia, v. 37, p. 1-8, 2020.
MONSALVE, C. Emociones, una conversación entre Filosofía, Neurociencia y Estética. Revista Innovación Digital y Desarrollo Sostenible-IDS, v. 2, n. 2, p. 92-103, 2022. https://doi.org/10.47185/27113760.v2n2.69
MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.
MOVIMENTO PELA BASE COMUM NACIONAL. Dimensões e Desenvolvimento das Competências Gerais da BNCC. CCR. 2018.
ONU. Organização das Nações Unidas. Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável. 2015.
ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Guia de Saúde Mental. Guia de estudos. Belo Horizonte: Fundação Torino, 2018.
PEIXOTO, M. I. H. Arte e grande público: a distância a ser extinta. Campinas: Autores Associados, 2003.
PORTILLO-TORRES, M. C. Educación por habilidades: Perspectivas y retos para el sistema educativo. Costa Rica: Revista Educación, v. 41, n. 2, p. 118-130, 2017.
QUERIQUELLI, L. H.; LEONEL, V.; MARQUES, C. E. Teoria do conhecimento: livro didático. Palhoça: UnisulVirtual, 2016.
RABELO, J. S. Competências socioemocionais na formação e na prática docente: percepções de professoras da educação infantil. 178 f. Tese Doutorado em Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2021.
RANGEL, T. R.; LOREDO, M. S. La memoria emotiva según Stanislavsky desde la óptica de las neuronas espejo. Universidad Autónoma del Estado de México, 2020.
RAMACHANDRAN, V. S.; BLAKESLEE, S. Fantasmas no cérebro: uma investigação dos mistérios da mente humana. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.
SANTOS, A. C. et al. Teatro das emoções e emoções no teatro: diálogos entre neurociência e Stanislávski. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Goiás, 2016.
SANTOS, D.; BERLINGERI, M.; CASTILHO, R. Habilidades socioemocionais e aprendizado escolar: evidências a partir de um estudo em larga escala. Ribeirão Preto: ANPEC, 2017.
SCHILLER, F. Sobre a educação estética do homem numa série de cartas e outros textos. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1994.
SILVA, L. D. A contribuição da neurociência para a educação do século XXI. Educação no século XXI: conceitos práticos e teóricos, p. 47, 2021.
SIQUEIRA, S. D. A neurobiologia das emoções e sua integração com a cognição em crianças no ambiente escolar. Especialização em Neurociências e suas fronteiras, 2018
SOËTARD, M. et al. Johann Pestalozzi. Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.
SOFIA, G. Por uma história das relações entre teatro e neurociência no Século XX. Revista Brasileira de Estudos da Presença, v. 4, p. 313-332, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/2237-266043942
SOUZA, L. O. C. G. et al. O ator antes da cena: procedimentos de criação através da linha de ações físicas em Stanislavski e Grotowski. Dissertação de Mestrado, 2012.
SILVA, A. A.; PAN, M. A. G. S. Letramento e formação docente: uma análise da literatura. Educação em Revista, v. 38, 2022 e26784. https://doi.org/10.1590/0102-469826784
STANISLAVSKI, C. A preparação do ator. 18. ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2002.
STANISLAVSKI, C. Minha vida na arte. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1989.
VIGOTSKI, L. S. Psicologia da Arte. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
VIGOTSKI, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes. 2010.
VILLEGAS, F. C. El arte en la educación: reflexiones en torno a la experiencia estética y su aporte al desarrollo socioemocional. Congreso Internacional de Educación y Aprendizaje, 2018
VOGELEY, K. Two social brains: neural mechanisms of intersubjectivity. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, v. 372, n. 1727, 2017. https://doi.org/10.1098/rstb.2016.0245
WALLON, H. As Origens do Caráter na Criança: os prelúdios do sentimento de personalidade. Trad. Pedro da Silva Dantas. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1971.
Publicado
03-10-2023