O ABSURDO NO CINEMA SURREALISTA

  • Bruno Vasconcelos
  • Amadeu de Oliveira Weinmann
Palavras-chave: Absurdo; Cinema; Surrealismo; Psicanálise; Albert Camus.

Resumo

O filósofo Albert Camus desenvolveu o conceito de absurdo, isto é, um sentimento e razão inapreensíveis decorrentes do confronto entre o apelo por sentido do ser humano com o silêncio do mundo. Na época, algumas questões fundamentais da condição humana, como o nonsense e a morte, estavam em pauta, sobretudo, devido aos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial. Ele enfatizou o caráter desolador e/ou constituinte que a morte, o nonsense, a inutilidade absoluta e a insaciável sede do desejo humano têm em nossas vidas. Esses temas também foram trabalhados em filmes com características vinculadas ao movimento surrealista. Nesse sentido, este artigo busca refletir sobre a maneira como tais filmes, em especial Um cão andaluz (1929) e Eraserhead (1977), dão voz às tramas do absurdo. Para isso, realizamos uma revisão bibliográfica dos principais autores e conceitos trabalhados. Ademais, recorremos a referências da área do cinema para produzir uma análise fílmica das produções escolhidas, o que possibilitou tomar os filmes em sua condição discursiva. Também partimos do pressuposto de que a positividade advinda do racionalismo técnico e científico ofusca a dimensão absurda da existência, de forma semelhante a como opera o recalque em nível individual. O psicanalista Sigmund Freud, comentando sobre a Primeira Guerra Mundial, argumentou que a grande angústia gerada por esse evento se devia justamente a sua dificuldade de ser assimilado pela cultura ocidental. Assim, buscamos entender, com a ajuda do referencial psicanalítico, como os dilemas anteriormente mencionados operam, a forma específica do surrealismo fazer cinema e a relevância disso tudo como contraste para (re)pensar concepções sociais e de sujeito, cujo alicerce se encontra nos ideais modernos do racionalismo, mas que ainda exercem influência na subjetividade contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARONSON, R. Camus e Sartre: o polêmico fim de uma amizade no pós-guerra. Tradução de Caio Liudvik. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.
BRETON, André (2011). Manifesto Surrealista. Fonte: The Marxists Internet Archive. Transcrição: Alexandre Linares. Domínio Público. Edição do Kindle. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/breton/1924/mes/surrealista.htm. Data de acesso: 27 maio 2023. (Originalmente publicado em 1924).
CAMUS, Albert. A Peste. 24. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018a. (Originalmente publicado em 1947).
CAMUS, Albert. O Homem Revoltado. 11. ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2017. (Originalmente publicado em 1951).
CAMUS, Albert. O Mito de Sísifo. 14. ed. Rio de Janeiro: Record, 2018b. (Originalmente publicado em 1942).
CANIZAL, Eduardo Penuela. Surrealismo. In: MASCARELLO, Fernando (org.). História do Cinema Mundial. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, 2006. Capítulo 5, p. 144-155.
FEIFEL, Herman. Morte - Variável Relevante em Psicologia. In: MAY, Rollo (org.). Psicologia Existencial. 2. ed. Porto Alegre, RS. Editora Globo, 1976. Capítulo III, p. 67-82.
FERRARAZ, Rogério. As Marcas Surrealistas no Cinema de David Lynch. Revista olhar. Ano 03, n. 5-6. jan./dez. 2001.
FREUD, Sigmund. A interpretação dos sonhos. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas v. 4. Tradução e notas Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas v. 14. Tradução e notas Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010b.
FREUD, Sigmund. Reflexões para os Tempos de Guerra e Morte. In: FREUD, Sigmund. Obras Completas. v. 12. Tradução e notas Paulo César de Souza. 11. reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2010a.
NATALE, Carolina Toti. Albert Camus e André Breton. Rev. Todas as Musas v. 1, n. 2. Londrina, 2010. Disponível em: https://www.todasasmusas.com.br/02Carolina_Natale.pdf
TODD, Olivier. Albert Camus, a Life. Nova York, EUA: Alfred A. Knopf Inc, 1997. Tradução: Benjamin Ivry.
VANOYE, Francis; GOLIOT-LÉTÉ, Anne. Ensaio Sobre a Análise Fílmica. 7. ed. Campinas, SP: Papirus editora, 2012.
WEINMANN, Amadeu de Oliveira. Sobre a Análise Fílmica Psicanalítica. Rev. Subj. v. 17, n. 1. Fortaleza, 2017. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rs/v17n1/01.pdf
Publicado
03-10-2023