PROJETO DE APRENDIZAGEM PARA EDUCAÇÃO BILÍNGUE DE SURDOS:

uma proposta de sequência didática para ensino de língua portuguesa brasileira como língua adicional

  • Rafael Leandro Götz
Palavras-chave: Educação Bilíngue; Educação de Surdos; Sequência Didática, Língua Portuguesa Brasileira; Língua Adicional.

Resumo

A partir da educação bilíngue de surdos, calcada no paradigma do suporte e no modelo pós-social, elaborar planos de ensino que oportunizem o desenvolvimento das identidades pessoais dos estudantes é considerar a equidade, pressupondo um reconhecimento de que as necessidades dos estudantes são diferentes. Assim, pode-se perceber a tentativa de reversão das situações de exclusão histórica. Quem já não ouviu falar em aprendizagem por meio da natureza? ou aprendizagem por projetos? Em algum momento da formação docente, os futuros professores se depararam grosso modo com aulas sobre didática dos campos do conhecimento/saber, as quais têm origem em diferentes vertentes. Diante disso, levando em conta os princípios éticos, políticos e estéticos, a BNCC está orientada a desenvolver uma formação humana e integral que objetiva a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva. Portanto, pode-se compreender que o desenvolvimento do ser humano não está ligado somente à adaptação biológica. Mas, também, a fatores de transmissão ou interação sociais. Falar de um direito à educação é, sobretudo, reconhecer o papel indispensável dos fatores sociais na formação do indivíduo. Assim, uma escola que promove práticas de letramento  insere os estudantes no exercício de agir e reagir no/ao mundo para resolução de problemas. Este planejamento tem o objetivo de propor atividades de desenvolvimento de língua portuguesa brasileira como língua adicional para educação bilíngue de surdos por meio de uma lente que amplie as identidades dos estudantes, bem como sua formação moral. Para tal, utilizou-se o aporte teórico da sequência didática (Dolz; Noverraz; Schneuwly, 2004), as habilidades da BNCC para o ensino de língua portuguesa brasileira (BRASIL, 2018), o alfaletramento (Soares, 2020) e a consciência metalinguística como mote para ensino e aprendizagem de surdos (Menezes; Chiella, 2022).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. VOLP – Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Global, 2009.
ARANHA, M. S. F. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola : necessidades educacionais especiais dos alunos / Maria Salete Fábio Aranha. - Brasília : Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

BISOL, C. A., PEGORINI, N. N., VALENTINI, C. B. Pensar a deficiência a partir dos modelos médico, social e pós-social. Cadernos de Pesquisa, 24(1), 87–100. https://doi.org/10.18764/2178-2229.v24n1p87-100.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.
BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa.(1997).Brasília: Ministério da Educação.
BRASIL. Lei 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão das Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União 2015.
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018.
CEZAR, K.P.L Uma proposta linguística para o ensino de escrita formal para surdos brasileiros portugueses. Tese de Doutorado pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual Paulista – UNESP. 2014
DOLZ J., NOVERRAZ, M., SCHNEUWLY, B. (2004). Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEULWY, B; DOLZ, J. et al. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado de Letras.

FERNANDES, S. Educação bilíngüe para surdos: identidades, diferenças, contradições e mistérios. Curitiba. Tese (Doutorado em Letras), Universidade Federal do Paraná, 2003.
FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, A.; PALÁCIO, M. G. Os processos de leitura e escrita: novas perspectivas. Porto Alegre: ARTMED, 1987.
GUIMARÃES, A. M.; CARNIN, A.; KERSCH, D. F. Caminhos da construção: reflexões sobre projetos didáticos de gênero. 2015.
KIVISTÖ-DE SOUZA, H. Consciência fonológica. In: F. F. Kupske, U. K. lves, & R. J. Lima. Investigando os sons das línguas não nativas. (p. 153-174). Abralin.
MENEZES, Adriane; CHIELLA, V. Políticas Públicas, a BNCC e o Currículo na Escola de Surdos. Revista Momento – diálogos em educação, E-ISSN 2316-3100, v. 31, n. 02, p. 69-92, mai./ago., 2022. DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v31i02.14500
MORAIS, Artur Gomes. Ortografia: ensinar e aprender. São Paulo: Ática, 2007.
PIAGET, J. Para onde vai a educação? 16. ed. Rio de Janeiro: José Olympo, 2002.
LA FONTAINE, Jean de. Fábulas. 5. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2002. Tradução de Ferreira Gullar.
LERNER, D. O. Ler e Escrever na Escola: o real, o possível e o imaginário. (E. Rosa, Trad.).Porto Alegre: Artmed, 2002.

SASSAKI, K. R. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.
SOARES, M. Alfaletrar: toda a criança pode aprender a ler e escrever. 1. ed. 5. Reimpressão. São Paulo: Contexto, 2022.
SOUSA, K.P. de A., NOBREGA, J.M FREITAS, R. M. Compreendendo o Fracasso Escolar como uma produção histórica e social. Resenha da obra: Patto, M. H. S. (2015). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia (4. ed). São Paulo: Casa do Psicólogo.

THOMAZ, Lurdes; OLIVEIRA, Rita de Cássia. A educação e a formação do cidadão crítico, autônomo e participativo.

VIEIRA, F.S.S, APARÍCIO A.S.M. Sequência Didática de Gênero Textual: uma ferramenta de ensino de escrita no processo de alfabetização. HOLOS, Ano 36, v. 1, e6664, 2020. DOI: 10.15628/holos.2020.6664
Publicado
03-10-2023