Grande Sertão: Veredas - a metanarrativa como necessidade diferenciada

  • Ligia Chiappini USP
Palavras-chave: Grande Sertão, veredas, Guimarães Rosa, metanarrativa, ambiguidade, ficção rosiana

Resumo

Trata-se de, através de alguns exemplos retirados da ficção rosiana, discutir as reflexões aí existentes sobre o processo narrativo como necessidade da própria matéria narrada e expressão da ambigüidade que constitui o seu universo: entre o popular e o culto, o oral e o escrito, o rústico e o citadino, a região e o mundo. Essa ambigüidade, por sua vez, é constitutiva do Brasil e de certo modo, da vida do próprio autor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, Leonardo. A cultura popular em Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: INL, 1984.

BÖLLE, Willi. Grande Sertão: cidades. In: CONGRESSO ABRALIC, 4, 1994, São Paulo: USP, 1995. p. 1.1065-1.080.

GALVÃO, Walnice Nogueira. As formas do falso: um ensaio sobre a ambiguidade no Grande sertão: veredas. São Paulo: Perspectiva, 1972.

GARBUGLIO, José Carlos. O mundo movente de Guimarães Rosa. São Paulo: ática, 1972.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro, a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. 5. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1967.

Publicado
14-10-1998
Como Citar
Chiappini, L. (1998). Grande Sertão: Veredas - a metanarrativa como necessidade diferenciada. Scripta, 2(3), 190-204. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/10234
Seção
Especial Guimarães Rosa