Gêneros textuais, tecnologia e textualização

  • Juliana Alves Assis
Palavras-chave: Gênero textual, Textualização, E-mail, Mensagem em secretária eletrônica.

Resumo

Neste artigo, tenho como propósito principal discutir como a tecnologia por meio da qual um novo gênero se cria atua na definição das características formais e funcionais que este vem a assumir. Mais especificamente, interessa-me examinar o papel da tecnologia envolvida na emergência e no funcionamento da mensagem em secretária eletrônica e do e-mail, avaliando o peso que as condições tecnológicas trazem a alguns aspectos da configuração estrutural global desses gêneros.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSIS, Juliana Alves. Explicitação/implicitação no e-mail e na mensagem em secretária eletrônica: contribuições para o estudo das relações oralidade/escrita. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2002. (Tese, Doutorado em Lingüística).

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Trad. (a partir de francês) Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BEX, Tony. Variety in written English: texts in society: societies in text. Canada: Routledge, 1996.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Trad. Anna Raquel Machado, Pericles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

CASTILHO, Ataliba T. de. A língua falada no ensino de português. São Paulo: Contexto, 1998.

CHAVES, Gilda Maria Monteiro. Interação on-line: análise de interações em salas de chat. In: PAIVA, Vera Lúcia Menezes (Org.). Interação e aprendizagem em ambiente virtual. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2001. p. 37-73.

FILLIETTAZ, Laurent; ROULET, Eddy; GROBET, Anne. Un modèle et un instrument d’analyse de l’organisation du discours. Bern: Peter Lang, Sciences pour la Communication: 62, 2001.

GOFFMAN, Erving. A situação negligenciada. In: RIBEIRO, Branca Telles; GARCEZ, Pedro M. (Org.). Sociolingüística interacional: Antropologia, Lingüística e Sociologia em Análise do Discurso. Porto Alegre: AGE, 1998.

HILGERT, José Gaston. A construção do texto “falado” por escrito na internet. In: Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, v. 4, p. 17-56, 2000.

JONSSON, Ewa. Electronic discourse: on speech and writing on the internet. Disponível em: <http://www.ludd.luth.se/users/jonsson/Dessay/ElectronicDiscourse.html>. 1997.

LEVINSON, S. Pragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: o que são e como se classificam? Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2000. (Mimeogr.).

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes e atividades lingüísticas no contexto da tecnologia digital. Trabalho apresentado no L SEMINÁRIO DO GEL. São Paulo: USP, 2002. (Mimeogr.).

MILLER, Carolyn R. Rhetorical community: the cultural basis of genre. In: FREEDMAN, Aviva; MEDWAY, Peter (Ed.). Genre and the New Rhetoric. London: Taylor & Francis, 1994. p. 67-78.

SILVA, Jane Quintiliano Guimarães. Um estudo sobre o gênero carta pessoal: das práticas comunicativas aos indícios de interatividade na escrita dos textos. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2002. (Tese, Doutorado em Lingüística).

Publicado
28-10-2002
Como Citar
Assis, J. A. (2002). Gêneros textuais, tecnologia e textualização. Scripta, 6(11), 134-151. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12455
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>