Maria Velho da Costa em Missa in Albis

  • Beatriz Weigert
Palavras-chave: Religião, Retórica, Carnavalização, Maria Velho da Costa, História de Portugal.

Resumo

Este trabalho estuda o modo como o discurso religioso integra-se ao discurso da ficção. É preciso observar, contudo, que o discurso declarado do Missal, enquanto ritualiza o mito, vai atraindo outros discursos que se interligam para enriquecer a trama romanesca.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTINE, Mikhaïl. Esthétique et théorie du roman. Paris: Gallimard, 1978.

BAKHTINE, Mikhaïl. Problemas da poética de Dostoievski. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1981.

BÍBLIA SAGRADA. Lisboa, Depósito das Escrituras Sagradas, Porto: José da Silva Mendonça, 1964.

BRAGANÇA, Nuno. Square Tolstoi. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1996.

BRANCO. Camilo Castelo. Amor de perdição. Porto: Porto Editora, 1978.

COMPAGNON, Antoine. La seconde main ou le travail de la citation. Paris: Seuil, 1979.

COSTA, Maria Velho da. Da rosa fixa (prosas). Lisboa: Moraes, 1978.

COSTA, Maria Velho da. Missa in Albis. Lisboa: Dom Quixote, 1988.

COSTA, Maria Velho da. Maina Mendes. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

COSTA, Maria Velho da. O mapa cor de rosa. Lisboa: Dom Quixote, 1984.

DÄLLENBACH, Lucien. Le récit spéculaire: essai sur la mise en abyme. Paris: Seuil, 1977.

DIZIONARIO ECCLESIASTICO. Direzione Rev. Mons. Angelo Mercati. Torino: Unione Tipografico – Editrice Torinense, 1953.

ELIADE, Mircea. O tempo sagrado e o mito do eterno recomeço. Tratado de história das religiões. Lisboa: Asa, 1994.

FREUD, Sigmund. El chiste y su relación con lo inconsciente. 3. ed. Madrid: Alianza Editorial, 1981.

GOMES, Luísa Costa. Maria Velho da Costa – A Maina volta a atacar. Ler, Lisoba, n. 23, p. 51-59.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: la literatura en segundo grado. Madrid: Taurus, 1989.

HAMON, Philippe. Para um estatuto semiológico da personagem. In: GUYON, Françoise Van et al. Categorias da narrativa. Lisboa: Vega, 1976. p. 77-102.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Lisboa: Edições 70, 1989.

LAUSBERG, Heinrich. Elementos de retórica literária. 3. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1982.

MISSALE ROMANUM. Ex Decreto Sacro Sancti Concilii Tridenti Restitutum, Antuerpiae, Ex Officina Plantiniana Balthazaris Moreti, 1696.

RIBEIRO, Bernardim. Menina moça ou saudades. Lisboa: Tipografia de Andrade, 1852.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas (“o diabo na rua no meio do redemoinho”). 8. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1972.

ROSE, Margaret A. Parody: ancient, modern and post-modern. Cambridge: Cambridge University Press, 1995.

SARAIVA, Arnaldo. A epígrafe – e a epígrafe de Maria Velho da Costa. In: SARAIVA, Arnaldo. Literatura marginalizada. Porto: Árvore, 1980. p. 117-122.

SARAIVA, Monsenhor J. Silva. Missal romano: com o próprio de todas as dioceses de Portugal. 3. ed. act. Lisboa: Difusora Bíblica Missionários Capuchinhos, 1964.

SKLOVSKI, Victor. Sobre la prosa literaria. Barcelona: Editorial Planeta, 1971.

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Weigert, B. (2003). Maria Velho da Costa em Missa in Albis. Scripta, 7(13), 35-54. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12503
Seção
Dossiê: Literatura e outros discursos