A história dentro da estória: a linguagem rosiana como mediação entre fato e ficto

  • Márcia Marques de Morais PUC Minas
Palavras-chave: Literatura, História, Análise do discurso, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha.

Resumo

Apartir de excertos do romance Grande sertão: veredas, o propósito é apontar o trabalho ímpar da linguagem rosiana para processar a mediação entre “fato” e ficção, cruzando o discurso literário e o discurso histórico. Assim, relendo a fortuna crítica do autor que, por um lado, considera que Guimarães Rosa “dissimula a História, para melhor desvendá-la” e, por outro, defende que as marcas da História se apagam para que se incorpore a “perspectiva histórica da mudança”, pretendese, através da análise do discurso do narrador, mostrar os mecanismos de que se vale o autor para processar essa dissimulação e apagamento, no intuito de fazer ficção e (re)velar uma leitura histórica brasileira dialogando com categorias universais mais abrangentes, tais como, mudança, movimento, processo histórico.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Marques de Morais, PUC Minas

A história dentro da estória: a linguagem
rosiana como mediação entre fato e ficto*

Referências

ABDALA Jr., Benjamin; ALEXANDRE, Isabel (Org.). Canudos. Palavra de Deus. Sonho da terra. São Paulo: Editora Senac/Boitempo Editorial, 1997.

ARRIGUCCI JR, Davi. O mundo misturado: romance e experiência em Guimarães Rosa. Novos Estudos/Cebrap (40). São Paulo: novembro de 1994, p. 7-29.

BÖLLE, Willi. O pacto no Grande Sertão – Esoterismo ou lei fundadora? In: Revista USP, São Paulo, n. 36, p. 26-45, dez./fev. 1997-98.

CANDIDO, Antonio. O homem dos avessos In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. p. 294-309. Coleção Fortuna Crítica (6).

CANDIDO, Antonio. Jagunços mineiros. De Cláudio a Guimarães Rosa. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1970.

COUTINHO, Eduardo (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. Coleção Fortuna Crítica (6).

CUNHA, Euclides da. Os sertões. Campanha de Canudos. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

GALERY, Ivana Versiani. Os prefixos intensivos em “Grande sertão: veredas”. Belo Horizonte, 1969. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Minas Gerais.

VERSIANI, Ivana. Derivados regressivos em “Grande sertão: veredas”. Minas Gerais, Belo Horizonte, 2 jun. 1979.

GALVÃO, Walnice Nogueira. As formas do falso. São Paulo: Perspectiva, 1986.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

LIMA, Luiz Costa. O mundo em perspectiva: Guimarães Rosa. In: COUTINHO, Eduardo F. (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. p. 500-513. Coleção Fortuna Crítica (6).

LORENTZ. Günter. Diálogo com Guimarães Rosa. In: COUTINHO, Eduardo (Org.). Guimarães Rosa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1991. p. 62-97. Coleção Fortuna Crítica (6).

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1965.

ROSA, João Guimarães. Tutaméia. Terceiras estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

ROSA, Vilma Guimarães. Relembramentos: João Guimarães Rosa, meu pai. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1983.

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Marques de Morais, M. (2003). A história dentro da estória: a linguagem rosiana como mediação entre fato e ficto. Scripta, 7(13), 87-98. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12505
Seção
Dossiê: Literatura e outros discursos