Metamorfose, de Paulo Leminski: entre mito e poesia

  • Tida Carvalho
Palavras-chave: Leminski, Metaformose, Poesia, Filosofia, Literatura.

Resumo

Este estudo de Metaformose, de Paulo Leminski, pretendo estabelecer um diálogo entre registros de linguagem poética, mito-filosófica, e até mesmo psicanalítica, em correspondências bem livres e à vontade entre estas várias reformulações possíveis de um texto clássico como As metamorfoses de Ovídio. Paulo Leminski revisita as Metamorfoses, convidando-nos a um simpósio/banquete em que muitos são convidados:gregos, filósofos, poetas, ensaístas, antigos e modernos, sem querelas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APULEIO, Lúcio. O asno de ouro. Intr., notas e trad. Ruth Guimarães. Rio de Janeiro: Ediouro, [19--].

HESÍODO. Teogonia, a origem dos deuses. Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1991.

LEMINSKI, Paulo. Metaformose, uma viagem pelo imaginário grego. São Paulo: Iluminuras, 1994.

MELO NETO, João Cabral de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

NIETZSCHE, F. Fragmentos póstumos. Campinas: Ed. da Unicamp, 1996.

SILVA, Ignacio Assis. Figurativização e metamorfose: o mito de Narciso. São Paulo: Unesp, 1995.

OVÍDIO. As metamorfoses. Trad. David Jardim Júnior. Rio de Janeiro: Ediouro, [19--].

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Carvalho, T. (2003). Metamorfose, de Paulo Leminski: entre mito e poesia. Scripta, 7(13), 189-199. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12512
Seção
Dossiê: Literatura e outros discursos