Do favear do tempo à construção do eterno: uma leitura da poesia de Altino Caixeta

  • Carlos Roberto da Silva
Palavras-chave: Altino Caixeta de Castro, Eternidade, Rememoração, Tempo mítico, Criação poética.

Resumo

Este artigo trata das concepções borgianas de eternidade e suas relações com a construção poética, especialmente na obra de Altino Caixeta de Castro, cujo intento de vencer a sucessividade temporal através da rememoração, da celebração mítica e da criação poética constitui um caminho para a invenção da eternidade.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORGES, Jorge Luís. Obras completas. História da eternidade. v. 3. Trad. Carmen Cirne Lima. Revisão de Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz. São Paulo: Globo, 1988.

BOSI, Alfredo. O tempo e os tempos. In: NOVAES, Adauto (Org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

CASTRO, Altino Caixeta de. Cidadela da rosa: com fissão da flor. Brasília: Horizonte Editora, 1980.

CASTRO, Altino Caixeta de. Sementes de sol. Patos de Minas, [19-].

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2001.

MACIEL, Maria Esther. A poesia e seus pontos de fuga. Rascunho, Curitiba, v. 3, n. 36, p. 12-13, abr. 2003. Entrevista concedida a Floriano Martins.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. Trad. Póla Civelli. São Paulo: Perspectiva, 1972. (Debates, Filosofia, 52).

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

Publicado
15-10-2003
Como Citar
Roberto da Silva, C. (2003). Do favear do tempo à construção do eterno: uma leitura da poesia de Altino Caixeta. Scripta, 7(13), 203-210. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/12513
Seção
Dossiê: Altino Caixeta