Por que não falte nunca onde sobeja, ou melhor, excesso e falta na lírica de Herberto Helder

  • Luis Maffei Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Herberto Helder, Falta, Excesso, Camões, Movimento

Resumo

Herberto Helder, poeta dos mais notáveis que a contemporaneidade portuguesa viu cantar, confere à sua lírica vários traços peculiares, como a feitura duma obra longa que, entretanto, pode ser lida como um poema único, em perene estado de construção.  Isso acusa uma alquímica concepção metamórfica presente na poética herbertiana, o que, por sua vez, revela alguns pontos de partida freqüentes, dentre os quais a falta e o excesso. Além disso, Herberco Helder é leitor de Camões, não por acaso poeta que cuida do que falta e do que sobeja; se leitor, pena à mão, é Herberto recorrente e primoroso dialogante, e isso permite que alguns exemplares da poesia camoniana sejam pro­fícuos inauguradores da dicção do autor da Poesia toda no que ela tem, por exemplo, de erótico, de móvel e de atento a peculiaridades poéticas do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
18-12-2006
Como Citar
Maffei, L. (2006). Por que não falte nunca onde sobeja, ou melhor, excesso e falta na lírica de Herberto Helder. Scripta, 10(19), 189-202. Recuperado de https://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/13973
Seção
Artigos