‘Caminho de São Tiago’ ou ‘Via Láctea’: por onde passam as escolhas lexicais no atlas linguístico do Paraná?

  • Selma Sueli Santos Guimarães ESEBA / UFU
Palavras-chave: Palavras-chave: Escolhas lexicais. Via Láctea. Memória discursiva.

Resumo

Investigar uma língua e suas variações implica investigar também a cultura, pois é possível dizer que as características culturais de uma sociedade são, normalmente, armazenadas por meio do sistema linguístico, sobretudo por meio do léxico. No Brasil, a língua falada é o português. Apesar disso, verifica-se, em todo o País, uma grande diversidade na escolha lexical feita pelo sujeito para nomear a realidade à sua volta. O registro das variações linguísticas é, normalmente, obtido pela aplicação do Questionário Semântico-Lexical. O presente estudo tem o objetivo de depreender e identificar a produção de sentidos e os registros da memória discursiva subjacente aos elementos textuais-discursivos presentes nas respostas dos sujeitos a uma questão do Questionário Semântico-Lexical, utilizado para a elaboração do Atlas Linguístico do Paraná, por Aguilera em 1994. A questão é: “Em noite bem estrelada, como se chama aquele espaço cheio de estrelas, até esbranquiçado, que fica bem no meio do céu?”. Para a análise, foram examinados os itens lexicais utilizados pelos sujeitos em suas respostas, as notas relativas aos cartogramas e as observações da autora do atlas. A análise permitiu observar que as diversas escolhas lexicais, ao produzir novos efeitos de sentido, constituem-se no registro da memória discursiva na qual se inscrevem os sujeitos e da qual eles se apropriam em suas interações, sustentando a ideia de que o sentido se produz em um espaço social diretamente ligado à inscrição ideológica do sujeito, pois sua voz revela esse espaço social no qual ele se inscreve.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná. Curitiba: Imprensa Oficial do Estado, 1994.
AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná: apresentação. Londrina: Editora da UEL, 1996.
AGUILERA, Vanderci de Andrade. Atlas lingüístico do Paraná: gênese e princípios metodológicos. In: AGUILERA, Vanderci de Andrade (Org.). A geolingüística no Brasil: trilhas seguidas, caminhos a percorrer. Londrina: EDUEL, 2005. p. 137-176.
ALTENHOFEN, Cléo Vilson. Interfaces entre Dialetologia e História. In: MOTA, Jacyra Andrade; CARDOSO, Suzana Alice Marcelino (Orgs.). Documentos 2: projeto atlas lingüístico do Brasil. Salvador: Quarteto, 2006. p. 159-185.
BANDEIRA, Manuel. Estrela da Vida Inteira – Poesias Reunidas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1983.
BORBA, Francisco da Silva. Dicionário de usos do Português do Brasil. São Paulo: Ática, 2002.
BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à Análise do Discurso. 7. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1995.
CALDAS AULETE, Francisco Júlio. Dicionário contemporâneo da língua portuguesa. 3. ed. Rio de Janeiro: Delta, 1980.
CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 3. ed. Rio de janeiro: Tecnoprint, 1972.
CHAUI, Marilena de Souza. Brasil: mito fundador e sociedade autoritária. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2001.
CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT,Alain. Dicionário de símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). 17. ed. Rio de janeiro: José Olympio, 2002.
COURTINE, Jean-Jacques. Discursos sólidos, discursos líquidos: a mutação das discursividades contemporâneas. In: SARGENTINI, Vanice; GREGOLIN, Maria do Rosário (Orgs.). Análise do discurso: heranças, métodos e objetos. São Carlos: Editora Claraluz, 2008. p.11-19.
COURTINE, Jean-Jacques. Análise do discurso político: o discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: EdUFSCar, 2009. 99-121.
FERNANDES, Cleudemar Alves. Os sujeitos e os discursos na história. In: FERNANDES, Cleudemar Alves et al. (Orgs.). Sujeito, identidade e memória. Uberlândia: EDUFU, 2004. p.111-122.
FERNANDES, Cleudemar Alves. Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2. ed. São Carlos: Editora Claraluz, 2008.
FERREIRA, Aurélio B. de H. Novo dicionário da língua portuguesa. 4. ed. Curitiba: Positivo, 2009.
FERREIRA, Manuela Barros. Língua e património: a palavra como lugar de onde se vê o mundo. In: ISQUERDO, Aparecida Negri (Org.). Estudos geolinguístcios e dialetais sobre o português: Brasil – Portugal. Campo Grande, MS: Ed. UFMS, 2008. p. 289-311.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 18. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009.
FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Sentido, sujeito e memória: com o que sonha nossa vã autoria? In: GREGOLIN, M. do R. V.; BARONAS, Roberto (Org.). Análise do Discurso: as materialidades do sentido. São Carlos: Claraluz, 2001. p. 60-78.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Foucault e Pêcheux na análise do discurso: diálogos e duelos. 2. ed. São Carlos: Editora Claraluz, 2006.
GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. In: BARONAS, Roberto Leiser (Org.). Analise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João Editores, 2007. p. 155-168.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. A intertextualidade em Clarice Lispector: uma visão contemporânea da narrativa bíblica. 118 f. Dissertação (mestrado). Uberlândia: Instituto de Letras e Lingüística da Universidade Federal de Uberlândia, 2002.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. Geolinguística e Análise do Discurso: possibilidades de recorrências. In: VII Congresso Internacional da ABRALIN, 2011, Curitiba. Anais eletrônicos do VII Congresso Internacional da ABRALIN. Curitiba: Contexto, 2011. p. 3977-3989.
GUIMARÃES, Selma Sueli Santos. Chuvisqueiro, chuva fina, garoa ou neblina. In: SANTOS, Irenilde Pereira dos; CRISTIANINI, Adriana C. (Orgs.). Sociogeolinguística em questão: reflexões e análises. São Paulo: Paulistana, 2012. p. 67-88.
HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 1 CD ROM, 2009.
MOTA, Pedro Teixeira da. Da Via Láctea. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2012.
MOURÃO, Ronaldo Rogério de Freitas. Dicionário enciclopédico de astronomia e astronáutica. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Maio de 68: os silêncios da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 59-71.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 3. ed. Campinas: Pontes, 2001a.
ORLANDI, Eni Puccinelli. Discurso e texto: formação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001b.
PAIVA, Jorge O’Grady. Dicionário de astronomia e astronáutica. 3. ed. Rio de Janeiro: Revista Continente Editorial, 1979.
PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: EDUNICAMP, 1997.
PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et al. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999. p. 49-57.
PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. 4. ed. Campinas: Pontes, 2006.
PÊCHEUX, Michel. Leitura e memória: projeto de pesquisa. In: PÊCHEUX, Michel. Análise de Discurso. Textos escolhidos por Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes Editores, 2011. p. 141-150.
RASTIER, F. Sémantique interprétative. 2. ed. Paris: Presses Universitaires de France, 1996.
SPALDING, Tassilo Orpheu. Dicionário da mitologia Greco-latina. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 1965.
THEOPHILO, Francisco. Coincidências da Via Láctea. Rio de Janeiro: Mauad, 2000.
ZILLES, Urbano. Significação dos símbolos cristãos. 6. ed. Porto Alegre: Edipucrs, 2006.
Publicado
08-07-2020
Como Citar
Guimarães, S. S. S. (2020). ‘Caminho de São Tiago’ ou ‘Via Láctea’: por onde passam as escolhas lexicais no atlas linguístico do Paraná?. Scripta, 24(50), 282-309. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2020v24n50p282-309