A pertinência da aplicação da lei 10.639/2003 na formação de professores no campo do ensino e aprendizagem de português para falantes de outras línguas (PFOL)

  • Robson Batista Moraes UFSC
Palavras-chave: exame CELPE-Bras, lei 10.639/2003, formação de professores de Português para estrangeiros

Resumo

A educação brasileira deve cumprir a Lei 10.639/2003, que altera a de nº 9.394/1996 e estabelece as diretrizes da educação para incluir nos currículos da rede de ensino e na formação de professores, a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira" (BRASIL, 2003). Este artigo é fruto de pesquisas e experiências vivenciadas na aplicação do Exame de Certificação de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (CELPE-Bras), no posto aplicador da Universidade Federal da Bahia. Posto isso, objetiva-se explanar sobre a relevância da aplicação da Lei 10.639/2003 na formação  de professores de Português para Falantes de Outras Línguas (PFOL) – pois ainda há lacunas relativas à inclusão da diversidade étnico-racial nas temáticas de pesquisas e no ensino nesse campo (DE ASSUNÇÃO BARBOSA, 2015; MORAES, 2020, 2021; SILVA, 2018).O artigo tem um caráter indisciplinar, está situado teoricamente no campo da Linguística Aplicada, na grande área de linguagem, e na subárea de ensino de Português para estrangeiros (MOITA LOPES, 2006; ALMEIDA FILHO, 2011). A proposta desta exposição recorre metodologicamente à pesquisa de abordagem qualitativa e documental (MARKONI; LAKATOS, 2019) e intenta problematizar a aplicabilidade da Lei no cenário de formação de professores e, consequentemente, no âmbito do ensino de PFOL como uma das vias para o enfrentamento ao racismo estrutural à brasileira e a valorização da cultura negra (ALMEIDA, 2018; KILOMBA, 2019). Este artigo busca contribuir com ponderações sobre a necessidade de ampliação do foco etnocêntrico na formação de professores, e propor que a diversidade cultural brasileira seja abarcada nesse campo de estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Batista Moraes, UFSC

Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Doutorando em Linguística na UFSC. Bolsista CNPQ. Graduado em Letras Português e Português como Língua Estrangeira – PLE pela Universidade Federal da Bahia – UFBA. Mestre em Língua e Cultura pelo Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura - PPGLinC da Universidade Federal da Bahia. Especialista em Literaturas Africanas de Língua Portuguesa pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira – UNILAB.

Referências

ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. Fundamentos de abordagem e formação no ensino de PLE e de outras línguas. Campinas: Pontes, 2011.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. Dimensões comunicativas do ensino de línguas. 3. ed. Campinas: Pontes, 2002.

DE ASSUNÇÃO BARBOSA, Lucia Maria. Procedimentos interculturais e diversidade étnico-racial do Brasil em dois livros didáticos de português para estrangeiros. Revista Entrelínguas, v. 1, n. 2, p. 223-236, 2015. DOI: https://doi.org/10.29051/el.v1i2.8061.

BRASIL. Ministério da Educação. Manual do Candidato do Exame Celpe-Bras. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2019.

BRASIL. Lei nº 10.639/2003, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2003.

CELANI, Maria Antonieta Alba. Transdisciplinaridade na Linguística Aplicada no Brasil. In: SIGNORINI, I.; CAVALCANTI, M. C. (org.). Linguística aplicada e transdisciplinaridade: questões e perspectivas. Campinas: Mercado de Letras, 1998.

DAVIS, Ângela. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016, 244p.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução Renato da Silveira. Bahia: Edufba, 2008.

DE JESUS FERREIRA, Aparecida; CAMARGO, Mábia. O racismo cordial no livro didático de língua inglesa aprovado pelo PNLD. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 6, n. 12, p. 177-202, 2014.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador. Petrópolis: Vozes, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Características da população e dos municípios. IBGE: Brasília, DF, 2019. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 22 dez. 2022.

KLEIMAN, Ângela. Agenda de pesquisa e ação em linguística aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L.P. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 2013

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019. 244 p.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2019.

MENDES, Edleise. A perspectiva intercultural no ensino de línguas: uma relação entre- culturas. In: ALVAREZ, Maria Luísa Ortiz; SILVA, Kleber Aparecido da. Linguística aplicada: múltiplos olhares. Campinas: Pontes, 2007.

MOITA LOPES, Luiz. Paulo. Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. 279 p.

MORAES, Robson Batista. A questão étnico-racial no ensino de Português para Falantes de Outra Línguas (PFOL) nas Universidades Públicas da Bahia. Revista África e africanidades, v. Ano XIII, p. 1-18, 2020.

MORAES, Robson Batista. Reflexões sobre a questão étnico-racial e representações da cultura afro-brasileira na prova oral do exame Celpe-Bras. 2021. 156 f. Dissertação (Mestrado em Língua e Cultura) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2021.

NASCIMENTO, Gabriel. Racismo linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

MENEZES, Vera; SILVA, Marina Morena; GOMES, Iran Felipe. Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo, Contexto, 2009.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. São Paulo: Annablume, 2012.

SILVA, Daniel Lucas Alves da. Racismo antinegro no português brasileiro e uma proposta de avaliação para professores de PLE. 2018. 78 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista.
Publicado
21-12-2023
Como Citar
Moraes, R. B. (2023). A pertinência da aplicação da lei 10.639/2003 na formação de professores no campo do ensino e aprendizagem de português para falantes de outras línguas (PFOL). Scripta, 27(60), 162-188. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n60p162-188
Seção
Eixo I. Políticas multilíngues, relações interculturais e formação