A projeção discursiva do ethos na interação examinador-examinando:

um estudo da interlocução no exame Celpe-Bras

Palavras-chave: Ethos, examinador-examinado, Celpe-Bras

Resumo

Este trabalho focaliza interações face a face entre examinador e examinando na prova oral do Celpe-Bras, exame brasileiro destinado à emissão do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros, desenvolvido e outorgado pelo Ministério da Educação (MEC). Nosso objetivo consiste em analisar, a partir do arcabouço teórico da Análise do Discurso, como se dá a construção discursiva do ethos nessas interações, mais especificamente nos primeiros cinco minutos de conversa – conhecidos como “quebra-gelo” - destinados a tópicos de interesses pessoais do examinando, informados por ele nos formulários de inscrição. A escolha desse momento se justifica por se tratar de uma interação que tende a ser menos tensa e mais natural, servindo de preparação para a continuidade do exame oral. O corpus é composto por três interações, contando com participantes de diferentes origens: Dinamarca, Argentina e Turquia. Nesta análise, estamos compreendendo ethos a partir da concepção de Maingueneau, sendo igualmente importantes as contribuições de Ducrot (1984), Goffman (1995), Amossy (2016), assim como de Brown e Levinson (1987). Os dados evidenciam que os participantes são colaborativos não só na construção do ethos de si próprios, mas também do ethos institucional, marcado por demonstrações de proximidade e cordialidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Rodrigues Tanuri Baptista, CEFET-MG

Graduação em Letras (UFJF), Mestrado em Letras - Estudos da Linguagem (PUC-Rio) e
Doutorado em Estudos Linguísticos (UFMG).


Professora do Departamento de Linguagem e Tecnologia do Centro Federal de
Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), onde atua no Programa de Pós-Graduação em
Estudos de Linguagens, no Bacharelado em Letras (Tecnologias da Edição) e na Educação Profissional
Técnica de Nível Médio (EPTNM). É membro do Programa de Extensão Português como Língua
Estrangeira, em que coordena o Curso Preparatório para o Exame Oral do Celpe-Bras para estudantes
estrangeiros. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise do Discurso, atuando
principalmente nos seguintes temas: identidade social, ethos, rádio, ato de fala, edição e revisão de texto,
assim como ensino-aprendizagem de Língua Portuguesa como língua materna e como língua estrangeira.

Natália Tosatti, CEFET-MG

Graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa), mestre e doutora em Estudos
Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais.


Professora do Departamento de Linguagem e Tecnologia do Centro Federal de
Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG). Atuou como docente e coordenadora das disciplinas
de Português como Língua Estrangeira (PLE) do Departamento de Letras, na Universidade Federal de
Viçosa. Foi bolsista CAPES/REUNI no curso de Letras da UFMG, além de ter atuado como professora de
Língua Portuguesa e Produção de Texto no Ensino Médio e no Ensino Superior. Trabalhou também no
Unicentro Newton Paiva como tutora no curso de Letras EaD. Participou da banca de correção das provas de
Redação e Língua Portuguesa do vestibular UFMG e do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Atuou
como consultora PNUD, junto ao INEP, realizando estudos de avaliação diagnóstica sobre o perfil do
avaliador da parte oral do Exame Celpe-Bras. No período de 2012 a 2015, fez parte da Comissão Técnico-
Científica do exame Celpe-Bras, participando da elaboração e correção do exame, realizando
credenciamentos de Postos Aplicadores e capacitação de aplicadores e avaliadores. Desenvolve pesquisa
sobre gêneros textuais e materiais didáticos, avaliação de proficiência em língua portuguesa formação de
professores de PLA e políticas linguísticas. Ocupou a função de Secretária Adjunta de Relações
Internacionais do CEFET-MG no período de 2015 a 2019. Em 2022 volta a compor a Comissão Técnico-
Científica do exame Celpe-Bras.

Renato Caixeta da Silva, CEFET - MG

Graduação em Letras pela UFMG (1992), mestrado em estudos Linguísticos pela UFMG (1998) e doutorado em Letras (Estudos da Linguagem) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2012). Desde 1997 é profesor de inglês - Coordenação de línguas Estrangeiras do Departamento de Línguagem e Tecnologia do CEFET-MG, e desde 2012 é membro do corpo docente do curso de Letras (Bacharelado ênfase Tecnologia da Edição) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens.

Referências

AMOSSSY, R. Da noção retórica de ethos à análise do discurso. In: ______. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. 2ed. São Paulo: Contexto, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Manual do Examinando. Brasília-DF, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16 mar 2019.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness. Some universals in Language Usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

COSTA, A avaliação de proficiência oral no exame Celpe-Bras: análise da condução das interações face a face. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) - Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987.

EGGS, E. Ethos aristotélico, convicção e pragmática moderna. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2016.

GOFFMAN, E. A representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis, Vozes, 1995.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Théorie des faces et analyse conversationnelle. Le Frais parler d’Erving Goffman. Paris: Minuit, 1989.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: Motta, A. R. ; Salgado, L. Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2011.

______. Ethos, cenografia e incorporação. In: AMOSSY, R. (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2016.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 1991. (Série Princípios).

OLIVEIRA, M.C.L. Ethos interacional em situações de atendimento. Veredas, revista de estudos linguísticos. Juiz de Fora, v. 4, n. 1, p. 59 a 65

POSSENTI, S. Cenografia, éthos e interlíngua em “Ocobrador”: uma questão de estilo. In: EMEDIATO, W.; LARA, G.M.(Org.). Análises do discurso hoje. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011. P.237-254.

SALGADO, L. S. Um ethos para Hércules: produção dos sentidos e tratamento editorial de textos. In: Motta, A. R. ; Salgado, L. Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2011.

TANURI, Patrícia Rodrigues. Entre o riso e a fala: um estudo das funções interacionais do riso no discurso institucional. Dissertação de Mestrado - Departamento de Letras, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1998.

VILLELA, A. M. N.; NEVES, L. de O.; TOSATTI, N. M. Relações de poder no exame Celpe-Bras. Linha D’Água, [S. l.], v. 30, n. 1, p. 115-126, 2017. DOI: 10.11606/issn.2236-4242.v30i1p115-126. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/127548.
Publicado
21-12-2023
Como Citar
Baptista, P. R. T., Tosatti, N. M., & Silva, R. C. da. (2023). A projeção discursiva do ethos na interação examinador-examinando:. Scripta, 27(60), 406-438. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n60p406-438
Seção
Eixo III. Descrição de aspectos linguísticos na interação entre línguas