A quebra do horizonte de expectativas sobre as obras literárias de mulheres negras caribenhas

Palavras-chave: Literaturas negras caribenhas, Literaturas amefricanas, Estereótipo, Decolonialidade

Resumo

Este estudo buscou, por meio de pesquisa bibliográfica, satisfazer o objetivo de relacionar a experiência de quebra do horizonte de expectativas – sobre obras de mulheres negras caribenhas – ao conceito de estereótipo, discutido por Homi K. Bhabha. Especificamente, pretendeu-se refletir sobre o horizonte de expectativas e a experiência do leitor; compreender o conceito de estereótipo por Homi K. Bhabha; e por fim, associar o conceito de estereótipo à experiência de quebra do horizonte de expectativas sobre as literaturas de mulheres negras caribenhas. Esta pesquisa justifica-se à medida que as discussões são capazes de gerar reflexões acerca dos sistemas de manutenção dos lugares de dominação presentes na sociedade. Para o embasamento teórico, dentre outros, utilizou-se Lélia Gonzalez (2020), Grada Kilomba (2019), Winnie Bueno (2020a) e o autor Bhabha (2013). Concluiu-se ser possível trabalhar a compreensão acerca do horizonte de expectativas e como a experiência do leitor nos ajuda a ler autoras negras, além de identificar experiências de subordinação empregadas a essas sujeitas. Foi possível entender a experiência de quebra do horizonte de expectativas sobre as literaturas de mulheres negras, compreendendo que o estereótipo possui o poder de modificar nossa concepção literária. A quebra de horizonte sobre autoras racializadas é um plano de fundo para entender que a perspectiva racial e de gênero está relacionada ao discurso discriminatório, o qual é fortalecido pela estratégia do estereótipo. Esse entendimento nos auxilia na compreensão de como lemos e interpretamos autoras negras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jhonnatas dos Santos Sousa, Universidade Federal do Piauí

Mestrando pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal do Pauí (UFPI). Graduado em Licenciatura em Letras - Língua Portuguesa, Francesa e suas respectivas literaturas pela mesma instituição. Pesquisador de Literaturas Femininas Negras Amefricanas no Núcleo de Pesquisa Teseu. Organizador do livro intitulado "Direitos Humanos: Perspectivas Interdisciplinares na Produção Científica da UFPI" e "Educação e Direitos Humanos: teoria, prática e desafios em tempos de pandemia". Membro do Grupo de Pesquisa de Direitos Humanos e Cidadania da UFPI. Professor de Língua Francesa do Programa Idiomas sem Fronteiras - Rede IsF.

Alcione Correa Alves, Universidade Federal do Piauí

Alcione Correa Alves (graduação em Letras, obtido em 2005; Mestrado em Letras, obtido em 2008; e Doutorado em Letras, obtido em 2012; todos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul) está professor associado II na Universidade Federal do Piauí, onde tem desenvolvido atividades docentes de ensino, extensão e pesquisa, em níveis de graduação e pós-graduação. Tem coordenado, desde 2010, o Projeto de Pesquisa e Extensão Teseu, o labirinto e seu nome, dedicado ao tema das construções identitárias nas literaturas amefricanas. Atualmente, o objetivo central de investigação (seu e do Projeto Teseu) consiste em perceber este corpus de pensamento amefricano em uma dupla dimensão, de ficção e ensaio, de modo a compreender sua contribuição à formulação de novos problemas (metodológicos e epistemológicos), atinentes a uma Teoria Literária contemporânea em Nuestramérica (Améfrica Ladina).

Cristiane Viana da Silva Fronza, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Doutora em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (2022). Mestrado Acadêmico em Letras pela Universidade Estadual do Piauí (2014). Possui Especialização em Literatura pela Universidade Estadual do Piauí (2011). Especialização em Metodologia do Ensino de Francês como Língua Estrangeira (2022) pela UNYLEYA. Graduação em Licenciatura em Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional UNINTER (2021). Graduação em Licenciatura Plena Letras-Língua e Literatura Portuguesa e Francesa pela Universidade Federal do Piauí (2009).

Referências

AGUIAR, Vera Teixeira de. BORDINI, Maria da Glória. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.
ALVES, Alcione Correa; OLIVEIRA, Jonata Alisson Ribeiro de. Colonialidade e gênero no romance Eu, Tituba: bruxa negra de Salem, de Maryse Condé. Literatura Scripta, v. 25, n. 55, 2021, p. 518-551. Disponível em: Acesso em: 18 jul. 2023.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.
BEAUGÉ-ROSIERS, Jacqueline. Contes de l’enfance aveugle. Île en île, 2007. Disponível em: < http://ile-en-ile.org/jacqueline-beauge-rosier-conte-de-lenfance-aveugle/>. Acesso em:
18 jul. 2023.
BOGART, Jeanie. “Woman”, “Le cri” y “A la foli”. Île en île, 2013. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2023.
BUENO, Winnie. Imagens de controle: um conceito do pensamento de Patrícia Hill Collins.
Porto Alegre: Zouk, 2020a.
BUENO, Winnie. Imagens de Controle – Uma categoria analítica do pensamento feminista negro.
Pró-Reitoria de Extensão UFSM. Youtube, 2020b. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2023.
CAPÉCIA, Mayotte. Je suis martiniquaise (extraits). Île en île, 2003. Disponível em: . Acesso em: 18 jul 2023.
CASTRO, Katarina Kelly Brito. BAMBA, Mahomed. A Quebra do Horizonte de Expectativa em Do Começo ao Fim e em Mistérios da Carne. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 37, Foz do Iguaçu. Anais [...]. Foz do Iguaçu: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 ago. 2023.
COUTO, Lígia Paula; JOVINO, Ione da Silva. Colonialidade do ser. In MATOS, Doris Cristina Vicente da Silva; SOUSA, Cristiane Maria Campelo Lopes Landulfo de (org.). Suleando conceitos e linguagens: decolonialidades e epistemologias outras / Organizadoras: Doris Cristina Vicente da Silva Matos e Cristiane Maria Campelo Lopes Landulfo de Sousa. Prefácio de Claudiana Nogueira de Alencar. Campinas: Pontes Editores, 1. ed., 2022, p. 77-82. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2023.
FRANÇA, Fagner Torres de. Metodologias Decoloniais: um museu de grandes novidades? Cadernos de estudos culturais, Campo Grande, MS, v. 2, p. 77-88, jul./dez., 2020. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2023.
GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Tradução: Enilce do Carmo Albergaria Rocha. Editora UFJF. Juiz de Fora, 2005.
GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em Ciências Sociais. 8. ed. Rio de Janeiro: Record, 2004.
GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Orgs. Flavia Rios, Márcia Lima. 1. ed. Editora Zahar. Rio de Janeiro, 2020.
JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. São Paulo: Editora Ática, 1994.
HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org. e Trad.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 103-133. Disponível em: . Acesso em: 31 jul 2023.
JAUSS, Hans Robert. La historia literaria como desafío a la ciencia literaria. In: GUMBRECHT, Hans Ulrich et al. La actual ciencia literaria alemana. Salamanca: Anaya, 1971.
JEAN-GILLES, Mireille. Le voyage en Haïti. Île en île, 2004. Disponível em: . Acesso em: 18 jul 2023.
KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Trad. Jess Oliveira. 1. ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.
LAHENS, Yanick. Yanick Lahens, écrire sans masques – escribir sin máscaras. LACHANSONDELACIGALE, 2015. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2023.
LIMA, L. C. (Org.). A literatura e o leitor: textos de estética da recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
OLIVEIRA, Jonata. ALVES, Alcione. Teseu, o labirinto e seu nome: Como Homi K. Bhabha poderia nos ajudar a compreender uma passagem de Moi, Tituba Sorcière..., de Maryse Condé?. Múltiplos Encontros: Linguagens. Caderno de Letras, nº 27, Jul. – Dez., 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2023.
QUIJANO, Anibal. A colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Clacso, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales. Buenos Aires, 2005, p. 117-142. Disponível em: . Acesso em: 18 jul. 2023.
SILVEIRA, Denise Tolfo; CÓRDOVA, Fernanda Peixoto. A pesquisa científica. In: GERHARDDT, Tatiana Engel e SILVEIRA, Denise Tolfo (org.). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.
Publicado
31-12-2023
Como Citar
Sousa, J. dos S., Alves, A. C., & Fronza, C. V. da S. (2023). A quebra do horizonte de expectativas sobre as obras literárias de mulheres negras caribenhas. Scripta, 27(61), 324-351. https://doi.org/10.5752/P.2358-3428.2023v27n61p324-351